Polícia

Denunciando por roubo é morto com tiro no tórax no bairro Zerão

Brielton Palheta, de 22 anos, foi morto na tarde de quarta-feira (09) no bairro Zerão, zona sul de Macapá. Polícia Civil investiga o caso.

Compartilhe:

Elden Carlos
Editor-chefe

Denunciado com outros dois comparsas pelo crime de roubo (Art.157), em outubro de 2019, pela promotora de Justiça Andrea Guedes, Brielton Palheta Mendes, de 22 anos, foi morto com um tiro na região do tórax na tarde de quarta-feira (09) na Avenida Inspetor Orlando Dias, bairro Zerão, zona Sul de Macapá. O Centro Integrado em Operações da Defesa Social (Ciodes) registrou a ocorrência às 16h13.

De acordo com o capitão Iram Andrade, da Divisão de Operações da Polícia Militar, as informações sobre a dinâmica do crime ainda estão sendo apuradas. “Ainda não se sabe a dinâmica do crime e motivação. O fato é que quando chegamos ao local nos deparamos com a vítima caída na calçada. A bicicleta em que o jovem estava ficou distante cerca de 50 metros do corpo. Houve um único disparo contra o tórax. Esse tiro transfixou o corpo e atingiu a região das axilas da vítima. O atirador fugiu sem levar nada”, declarou o capitão.

Informações coletadas no local revelam que Brielton seria usuário de drogas. A Delegacia de Homicídios esteve no local e assumiu as investigações. O corpo foi removido para o Departamento de Medicina Legal (DML) da Polícia Técnico-Científica (Politec) para ser necropsiado.

Roubo

Segundo inquérito policial nº 850/19 da 9ª Delegacia de Polícia Civil, na noite de 23 de abril de 2019, Brielton Palheta, João Vitor Chagas da Silva, de 19 anos, o ‘Gago’, e Jhon Rarison Albuquerque Souza, de 23 anos, assaltaram duas mulheres com emprego de arma de fogo.

O crime foi registrado por volta de 20h30 em frente a um restaurante do bairro Universidade. As vítimas tiveram os dois aparelhos celulares levados pelo bando. Os suspeitos foram identificados por meio de registro fotográfico.

No dia 15 de outubro de 2019 a promotora de Justiça Andrea Guedes, da 2ª Promotoria de Justiça de Investigações Cíveis e Criminais da Segurança Pública, ofertou denúncia contra o trio. Seis dias depois o juiz de Direito Ailton Vidal, da 2ª Vara Criminal de Macapá, recebeu a denúncia. O processo segue tramitando na esfera judicial, sem data definida para o julgamento.

Reportagem e fotos: Jair Zemberg

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *