Polícia

Homem mata por ódio mulher que o abrigou por 4 anos em casa

Criminoso disse que passou a sentir ódio de Aldenilza dos Santos, de 47 anos, depois que ela pediu que ele voltasse pra casas dos pais após ter morado por quatro anos com ela.

Compartilhe:
Marinilson declarou ter matado mulher que lhe deu abrigo por 4 anos por ódio

Elden Carlos
Editor-chefe

 

A autônoma Aldenilza dos Santos Gama, de 47 anos, foi assassinada com quatro facadas na madrugada desta terça-feira (14) enquanto dormia no quarto da residência onde ela residia, na rua Santarém, bairro Parque dos Buritis, zona Norte de Macapá. As duas filhas dela, de 17 e 21 anos ficaram lesionadas no ataque.

O principal acusado do crime foi identificado como Marinilson Silva, de 20 anos. De acordo com o delegado Vladson Nascimento, da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DECCM), o assassino havia convivido por quatro anos com Aldenilza, a quem ela tratava como tia.

Aldenilza foi morta com quatro facadas

Mas, a cerca de dois anos a mulher pediu que Marinilson voltasse para casa dos pais dele. Ela teria percebo o possível envolvimento dele com más companhias, o que deixou a mulher receosa. Ele deixou o imóvel e voltou para a cidade de Afuá (PA), onde a família biológica mora.

“Ele confessou que criou ódio pelo fato de ter sido mandado embora. Ao regressar nesta segunda-feira (13) para Macapá, ele foi visto bebendo na região. Como existia o laço afetivo, Aldenilza o recebeu novamente em sua casa. Ele teria pedido para dormir no imóvel. Durante a madrugada, desferiu os golpes na vítima e ainda lesionou as duas filhas dela. Em seguida, fugiu”, disse o delegado.

 

O criminoso foi localizado no mesmo bairro. Um amigo dele, que tentou acobertá-lo, acabou detido e levado à delegacia no momento da prisão de Marinilson. Ele deveria ser indiciado por homicídio qualificado, por motivo fútil e feminicídio. Ele seria encaminhado para audiência de custódia.

Reportagem e fotos: Jair Zemberg

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *