Polícia

Homem que matou jovem em área do Exército confessou crime à família

Alessandro ‘Tico’, de 23 anos, confessou o crime para familiares antes da polícia representar por seu pedido de prisão. Uma tia do investigado depôs na delegacia e delatou o sobrinho.

Compartilhe:
Alessandro ‘Tico’ já cumpriu pena por roubo (Art.157)

Elden Carlos e Jair Zemberg – Editoria de Polícia

 

O mototaxista Alessandro Maciel de Melo, de 28 anos, o ‘Tico’, foi preso na manhã de quinta-feira (23) no bairro Novo Horizonte, zona norte de Macapá, e confessou ter assassinado na madrugada do dia 12 deste mês a jovem Leicheievena Silva Rodrigues, de 23 anos, cujo corpo foi encontrado em área de mata do Exército, com acesso pela rua 30 de Outubro, bairro Cuba de Asfalto, zona sul de Macapá.

A prisão foi realizada por agentes do Núcleo de Operações e Inteligência (NOI) e Delegacia Especializada em Crimes Contra Mulher (DECCM) onde o inquérito foi instaurado para apurar o crime. A delegada Eliana Chaves, presidente do inquérito, representou pelo pedido de prisão preventiva após colher várias provas sobre o caso. O depoimento de uma tia de Alessandro, a quem ele confessou inicialmente ter matado a jovem, foi determinante para o pedido.

O Diário do Amapá teve acesso ao processo no sistema Tucujuris. Na última terça-feira (21), o juiz Matias Pires Neto, da 1ª Vara do Tribunal do Júri decretou a prisão do mototaxista. O magistrado lembra no despacho que o investigado possui antecedentes criminais por crimes contra o patrimônio, e que possui comportamento altamente violento em suas ações.

“Assim, verificado que o acusado é pessoa violenta, tem-se como demonstrada a periculosidade em concreto, justificando-se a decretação da prisão para garantia da regularidade da instrução processual e da ordem pública.

Logo, nota-se que esses elementos indicam que o representado é perigoso e, solto, poderá ameaçar testemunhas, prejudicar a ordem pública e, desse modo, agravar a sensação de impunidade, razão pela qual DECRETO a prisão preventiva para garantia da ordem pública, por conveniência da instrução criminal e, oxalá, para assegurar a futura aplicação da lei penal”, diz o juiz de Direito em trecho da sentença.

Após a prisão, Alessandro Tico foi levado para a sede da DECCM onde prestou depoimento, confessou o crime, e depois foi encaminhado para exame de corpo delito na Polícia Técnico-Científica (Politec) antes de ser transferido para o Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen). A Polícia Civil ainda não detalhou o depoimento do investigado.

O Diário teve acesso à Certidão de Óbito de Leicheievena. A causa morte apontada no documento expedido pela Politec foi “traumatismo crânio encefálico (ação contundente)’.

O caso

Leicheievena Silva Rodrigues, de 23 anos, foi encontrada morta na manhã de domingo (12 ) em área de mata com acesso pela rua 30 de Outubro, bairro Cuba de Asfalto, zona sul da capital. A área fica aos fundos do Exército Brasileiro. O corpo – que estava despido – foi encontrado por volta de 10h.

A mãe da vítima disse que falou com a filha pela última vez por volta de 23h de sábado (11). “Ela foi em casa por volta de onze hora da noite. Depois, foi embora. Agora a encontro morta”, disse resumidamente a mãe.

A Polícia Civil assumiu o caso, mas não deu maiores informações. Ao lado do cadáver os peritos da Polícia Técnico-Científica (Politec) encontraram um pedaço de madeira ensanguentado que pode ter sido usada para matar a jovem.

‘Evena’, como se apresentava nas redes sociais, tinha marcas de agressão na cabeça e tórax, principalmente. A necropsia deverá apontar se ela sofreu abuso sexual.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *