Última hora Polícia Política Cidades Esporte
Polícia

Homem usava simulacro de arma de fogo para intimidar prima durante abusos sexuais

O inquérito policial foi concluído e encaminhado ao Ministério Público para o oferecimento da denúncia.


Foto: PC/AP

A Polícia Civil do Amapá, por meio da Delegacia Especializada em Repressão de Crimes Contra a Criança e Adolescente (DERCCA), indiciou um homem de 49 anos de idade, pela prática do crime de estupro de vulnerável.

De acordo com o delegado Ronaldo Entringe, a vítima é uma adolescente de 14 anos e o crime aconteceu na residência do indiciado. “Em março desse ano, a mãe da vítima registrou boletim de ocorrência informando que sua filha havia sido abusada sexualmente e instaurei inquérito policial. A mãe da adolescente relatou que os abusos foram praticados pelo primo do pai vítima e vem acontecendo desde quando a filha tinha 11 anos de idade. Os abusos aconteceram na residência do indiciado, que sempre levava a vítima para lanchar ou tomar sorvete antes dos abusos. A mãe da vítima relatou ainda que, algumas vezes, a vítima foi arrastada para o quarto ou agredida pelo indiciado”, explicou o delegado.

“Em um determinado dia, o indiciado disse para a vítima pegar sua arma, que estava em um móvel do quarto, alegando que deveria manusear com cuidado, pois o objeto estava municiado. Ele disse à adolescente que andava com a arma no carro. A vítima se sentiu ameaçada por ele, caso denunciasse os abusos. Além disso, o indiciado mandava mensagens para o celular da vítima convidando-a para sair e enviava vídeos com conteúdo sexual”, detalhou.

Em interrogatório, o indiciado negou as acusações imputadas contra ele.

Diante do fato de haver uma arma de fogo, utilizada indevidamente pelo indiciado, o delegado representou por mandado de busca e apreensão domiciliar, o qual foi cumprido nesta terça-feira, 24, no bairro Pacoval. Durante a ação, um simulacro de arma de fogo foi apreendido.

O inquérito policial foi concluído e encaminhado ao Ministério Público para o oferecimento da denúncia.


Comente