Polícia

Integração e inteligência elucidam quase 90% dos homicídios na 1ª DP de Santana

De janeiro a dezembro foram 29 crimes resolvidos, do total de 33 casos.

Compartilhe:
O trabalho integrado entre as polícias Militar (PM), Civil e a Técnico-Científica (Politec) resultou na elucidação de 87% dos homicídios registrados na 1ª Delegacia de Polícia de Santana, no período de janeiro a dezembro deste ano. Do total de 33 assassinatos, 29 deles tiveram o inquérito concluído, com o indiciamento dos suspeitos.

A eficiência das forças policiais para identificar os autores dos homicídios é apontada como essencial pelo titular da 1ª DP de Santana, Victor Crispim, que destaca também a celeridade no trâmite dos processos.

“Adotamos um protocolo em que, quando ocorre um homicídio, a equipe de plantão se desloca até o local, faz o levantamento prévio, arrola testemunhas, verifica a existência de câmeras próximas, e essas informações são colocadas em relatório, que no outro dia já é entregue à equipe de investigação. Essa equipe cai em campo, já traz testemunhas para fazerem oitiva e realizamos todas as requisições junto à Politec”, explicou.

Ao longo de pouco mais de 11 meses, a 1ª DP registrou o total de 50 homicídios, 17 deles foram decorrentes de confronto com a PM. Os outros 33 são de causas diversas, mas principalmente relacionados ao tráfico de drogas e disputa entre organizações criminosas.

A partir da identificação dos suspeitos, a Polícia Civil fecha o inquérito e encaminha o processo à Justiça. A detenção dos criminosos é o fechamento de um ciclo de violência, prevenindo novas ocorrências destes mesmos indivíduos.

Para o delegado Crispim, a eficiência na elucidação de assassinatos garante resposta à sociedade quanto às investigações e aproxima a população das corporações da Segurança Pública.

“O trabalho integrado na Segurança Pública é fundamental, mas a ajuda da população também é crucial no trabalho de investigação. O canal para denúncias é o [96] 98101-0331”, frisou.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *