Política Nacional

Após recordes de desmatamento e queimadas, Bolsonaro diz no G20 que sofre ‘ataques injustificados’ de ‘nações menos competitivas

Presidente ressaltou que Brasil dedica uma pequena área do território para agricultura e que tem grande área de vegetação ainda preservada. Especialistas dizem que exemplos citados pelo presidente não credenciam o país como exemplo de preservação.

Compartilhe:

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, em discurso no segundo dia de reunião de cúpula do G20, que seu governo vai “continuar protegendo” a Amazônia, o Pantanal e todos os outros biomas do país.

A declaração ocorre em meio à divulgação de dados que apontam para aumento do desmatamento da floresta e para número recorde de queimadas no Pantanal neste ano. A aceleração da destruição dos dois biomas gerou críticas ao governo dentro e fora do país.

Em seu discurso, Bolsonaro citou dados para afirmar que se baseia na “realidade dos fatos” e não em “narrativas”, mas especialistas contestam as afirmações do presidente.

“O hino nacional de meu país diz que o Brasil é gigante pela própria natureza. Estejam certos de que nada mudará isso. Vamos continuar protegendo nossa Amazônia, nosso Pantanal e todos os nossos biomas”, afirmou Bolsonaro.

O discurso do presidente não foi transmitido pelo G20, mas sim divulgado pela Palácio do Planalto. A reunião do grupo, que reúne as 20 maiores economias do mundo, está sendo presidida pela Arábia Saudita e ocorre neste ano de maneira virtual, devido à pandemia do novo coronavírus (leia a íntegra do discurso ao final desta reportagem).

No sábado (21), primeiro dia de reunião do G20, Bolsonaro também discursou. O presidente abordou questões comerciais e a vacina para a Covid-19, mas também falou sobre as manifestações antirracismo que vêm sendo registradas no país depois do espancamento e morte de um cidadão negro no Rio Grande do Sul.

 

Críticas à política ambiental

A política ambiental do governo Bolsonaro e os números que apontam para aumento do desmatamento e das queimadas no país têm gerado pressões internacionais e ameaças de países de boicote a produtos brasileiros. Também têm dificultado o andamento do acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia.

O governo brasileiro vem apontando interesses comerciais nas críticas e que elas têm objetivo de prejudicar produtos nacionais, especialmente os ligados ao agronegócio.

No discurso, Bolsonaro voltou a atacar os críticos. Afirmou que o Brasil, com sua produção agrícola e pecuária, alimenta “quase um bilhão e meio de pessoas” enquanto mantém mais de 60% do território preservado, e que os ataques ao país partem de “nações menos competitivas”.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *