Política Nacional

Banco Central reduz previsão de superávit da balança comercial de US$ 70 bilhões para US$ 43 bilhões

Informação consta do relatório de inflação do terceiro trimestre. Instituição também elevou estimativa de alta do crédito bancário de 11,1% para 12,6%.

Compartilhe:

O Banco Central reduziu de US$ 70 bilhões para US$ 43 bilhões a estimativa para o superávit da balança comercial neste ano e passou a projetar um crescimento maior do crédito ofertado pelos bancos.

O superávit comercial é registrado quando as exportações superam as importações. Quando ocorre o contrário, é registrado déficit comercial.

Para 2021, o BC projeta que as exportações somarão US$ 282 bilhões e as importações, US$ 239 bilhões.

De acordo com o Banco Central, a queda na previsão do saldo comercial em 2021 está relacionada, principalmente, com o aumento nas importações.

“O aumento de preço de bens intermediários, em parte relacionado aos impactos globais da pandemia, aliado à rápida recuperação nas compras internacionais da indústria brasileira, foi fator determinante para o aumento na projeção das importações”, informou.

Adicionalmente, segundo a instituição, houve aumento expressivo da importação de combustíveis nos últimos meses, simultaneamente à elevação dos preços internacionais desses produtos.

“No atual cenário de escassez hídrica, espera-se que essa demanda continue elevada até o fim de 2021”, acrescentou.

Se confirmado, o saldo positivo da balança comercial, neste ano, terá piora em relação ao ano passado, quando somou US$ 50,995 bilhões. Até então, o maior superávit foi registrado em 2017 (cerca de US$ 67 bilhões).

Para o próximo ano, a instituição prevê um aumento no superávit comercial, para US$ 60 bilhões (com exportações em US$ 289 bilhões e compras do exterior em US$ 229 bilhões).

 

Contas externas e investimento direto

Com a queda na previsão de saldo positivo da balança comercial neste ano, a expectativa do Banco Central para as contas externas também piorou.
Em junho, o BC projetava que as contas externas teriam um superávit de US$ 3 bilhões neste ano. No relatório de inflação divulgado nesta quinta-feira, a instituição passou a projetar um déficit de US$ 21 bilhões.

O resultado em transações correntes, um dos principais sobre o setor externo do país, é formado por balança comercial (comércio de produtos entre o Brasil e outros países), serviços (adquiridos por brasileiros no exterior) e rendas (remessas de juros, lucros e dividendos do Brasil para o exterior).

Para 2022, o Banco Central estimou um déficit na conta de transações correntes de US$ 14 bilhões.

De acordo com a instituição, a estimativa para ingresso de investimentos diretos no país em 2021 caiu de US$ 60 bilhões para US$ 55 bilhões. Para 2022, o Banco Central projeta entrada de US$ 60 bilhões em investimentos estrangeiros no país.

 

Crédito bancário

O Banco Central também subiu de 11,1% para 12,6% a estimativa para o crescimento do crédito bancário. Apesar do aumento, a instituição ainda prevê desaceleração na comparação com o ano passado, quando foi registrada uma expansão de 15,5%.

“O aumento decorre de surpresas positivas nos últimos três meses nos saldos de pessoa física, em linha com a recuperação da mobilidade e o avanço da vacinação”, informou o Banco Central.

De acordo com a instituição, a estimativa de alta no crédito para pessoas físicas passou de 14% para 18% em 2021, e a previsão de crescimento com recursos direcionados (principalmente crédito imobiliário) subiu de 13% para 14%.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *