Política Nacional

Dodge quer informações da Caixa em processo sobre dinheiro para fundação da Lava Jato

Valores depositados em uma conta vinculada à Justiça Federal fazem parte de acerto da Petrobras com os EUA. Acordo para criação de fundo privado foi suspenso e valores bloqueados.

Compartilhe:

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta segunda-feira (18) um pedido para que a Caixa Econômica Federal (CEF) preste informações a respeito dos R$ 2,5 bilhões depositados pela Petrobras em uma conta vinculada à 13ª Vara da Justiça Federal em Curitiba. Parte do montante serviria para a criação de uma fundação da Lava Jato.

O pedido foi feito dentro de uma ação que questiona o acordo fechado pela estatal e a força-tarefa da Operação Lava Jato que permitiria a criação de uma fundação para gerir recursos acordados pela petroleira com autoridades americanas. A decisão sobre o envio ou não das informações cabe ao relator, ministro Alexandre de Moraes.

“(…) destaco a necessidade de que a Caixa Econômica Federal seja intimada para apresentar, nestes autos, informações que possam retratar, de forma bastante objetiva, o elevado montante depositado, a data do depósito, o tipo e natureza da aplicação e rendimentos incidentes sobre estes valores; e se haverá alguma alteração nestas regras em razão do bloqueio ora determinado e manutenção em depósito judicial”, diz a PGR.

Acordo com a Petrobras
O dinheiro vem de um acordo fechado entre Petrobras e autoridades americanas em setembro do ano passado, para encerrar investigações nos Estados Unidos de irregularidades na estatal.

Ficou acertado na ocasião que 80% do montante seria depositado no Brasil, o que equivale a R$ 2,567 bilhões. O Ministério Público Federal no Paraná planejava criar um fundo privado para gerir esses recursos.

O órgão então fechou um acordo com a Petrobras, homologado pela Justiça Federal no Paraná, que previa a constituição de uma fundação de direito privado para destinar parte dos recursos a iniciativas sociais, em áreas como saúde, educação e meio ambiente.

Em 30 de janeiro, a estatal depositou os R$ 2,567 bilhões em conta da Caixa Econômica Federal vinculada à 13ª Vara Federal de Curitiba, que julga os casos da operação.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *