Política Nacional

‘Povo argentino, lamento, é o que vocês merecem’, diz Bolsonaro sobre governo de país vizinho

Bolsonaro se comparou ao ex-presidente argentino Macri, que perdeu disputa de reeleição em 2019. Depois, chamou Fernández de ‘esquerdalha’ e criticou apoio à legalização do aborto.

Compartilhe:

O presidente Jair Bolsonaro chamou de “esquerdalha”, durante transmissão em rede social, o governo do presidente da Argentina, Alberto Fernández. Após criticar a gestão do país vizinho, disse que isso é o que o povo argentino “merece”.

Bolsonaro se referiu à Argentina para rebater críticas que vem sofrendo dos próprios apoiadores, nas redes sociais, por decisões recentes do governo. Segundo ele, o mesmo aconteceu com o ex-presidente da Argentina Mauricio Macri, de tendência liberal, que não se reelegeu em 2019.

“O Macri se elegeu na Argentina há cinco anos, discurso parecido com o meu. Um dos primeiros países que conseguiram se ver livres da turminha do Foro de São Paulo. Era a turminha da Cristina Kirchner, da Dilma. [Macri] Não conseguiu fazer tudo que queria, tinha problemas. Que que o pessoal fez com o Macri? Porrada nele o dia todo, inclusive chamando de abortista”, disse Bolsonaro.

“O que aconteceu? Voltou a ‘esquerdalha’ da Cristina Kirchner. Tome conhecimento o que está acontecendo na Argentina. E detalhe: vi na imprensa hoje que o presidente vai legalizar o aborto na Argentina. Tá aí, povo argentino, lamento, é o que vocês merecem”, prosseguiu.

Cristina Kirchner, citada por Bolsonaro, foi primeira-dama da Argentina entre 2003 e 2007, presidente entre 2007 e 2015 e é atual vice-presidente do país.

 

Argentina e o aborto

Além de desferir ataques ao governo da Argentina, Bolsonaro divulgou informações falsas sobre a gestão de Fernández. O presidente não anunciou nenhuma medida ligada ao aborto nas últimas semanas.

A proposta de legalizar e regulamentar a interrupção da gravidez, de fato, consta entre as promessas de campanha de Fernández. Em março, o presidente da Argentina chegou a anunciar que enviaria um projeto sobre o tema ao Congresso.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *