Política

Amapá segue modelo de leilões de ferrovias do governo federal

Depois da Icomi S.A. que construiu a ferrovia, tiveram a concessão da EFA a MMX, a Anglo American e a Zamin; novo consórcio promete revitalizar trem histórico para setor mineral

Compartilhe:

Cléber Barbosa
Da Redação

O governo federal espera atrair R$ 52,8 bilhões de investimentos em ferrovias em 2020. O montante deve vir dos leilões da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), na Bahia, e da Ferrogão, no Mato Grosso; e da renovação antecipada de outras quatro concessões de estradas de ferro. A histórica Estrada de Ferro do Amapá (EFA), que escoou a produção de manganês por quase 50 anos durante a Guerra-Fria, saiu na frente, numa tentativa local de salvar a via, que atualmente encontra-se em situação deplorável.

Depois da mineradora Icomi S.A., que construiu a Estrada de Ferro do Amapá, tiveram a concessão da ferrovia a MMX, a Anglo American e a Zamin Ferrous. Depois, a concessão da ferrovia amapaense foi retomada pelo Estado, ficando sob a tutela da Secretaria de Estado dos Transportes (SETRAP). Recentemente, foi anunciado pelo Governo do Amapá um contrato para arrendamento da estrada de ferro, por um pool de empresas do setor mineral, as companhias Cadence Minerals PLC, IndoSino PTE Ltda e DEV Mineração, num plano de recuperação de US$ 200 milhões (cerca de R$ 900 milhões).

Situação atual

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *