Chapecoense já trabalha

O reencontro foi comandado pelo treinador Wagner Mancini e com a presença do lateral Nilo, um dos poucos sobreviventes do episódio em Medellin. Vários outros jogadores, oriundos de outros times, e também a presença de vários nomes do elenco da base do clube.

Compartilhe:

Depois da tempestade sempre vem a bonança. É o estado de graças que vive o ambiente na Chapecoense que ontem começou efetivamente o trabalho para se pense com o futebol brasileiro, depois de ter o time todo dizimado no desastre de avião. O  reencontro foi comandado pelo treinador Wagner Mancini e  com a presença do lateral Nilo, um dos poucos sobreviventes do episódio em Medellin. Vários outros jogadores, oriundos de outros times, e também a presença de vários nomes do elenco da base do clube. Campeão  da Copa Sul-Americana, a Chapa tem vaga certa na Libertadores, além de participar  nos calendários regional em nacional.

Ganso
Depois de ser pretendido por vários clubes brasileiros, Paulo Henrique Ganso, saiu do Santos para o São Paulo. Foi para o Sevilla, da Espanha, com a promessa de se firmar desenvolvendo um futebol para  muitos extraodinário. Mas não foi o aconteceu.  Contratado desde de agosto de 2014 só atuou  12 vezes no  time titular, marcando apenas um gol. O treinador Jorge Sampaoli, que o contratou, alertou que não pode mais protege-lo, na equipe. Para os torcedores do Sevilla Ganso só tem nível para times de segunda classe.

Imperador
Amigo e colega de Adriano, o Imperador, Leonardo Moura,que foi convidado por Renato Gaúcho para ir para o Grêmio,disse que lamenta a atividade atual do amigo, mas acha que ele deveria continuar jogando, porque ainda tem muito para dar. “Ele está feliz, disse Leo Moura” mas sua vida é dentro de campo”. Os últimos jogos de Adriano foi em 2012, pelo Corinthians, depois no Atlético Paranaense, onde atuou sem poucos jogos, transferindo para o Miami United, disputando apenas quatro  jogos. Apesar da ausência  nos estádios, Adriano ainda pensa em novo clube.

Copinha
Começam as evidencias na disputa da Copa São Paulo de Futebol Junior,em todo território paulista. Sempre prevalecem a categoria dos grandes clubes do país, como já está demonstrado com a classificação para a série seguinte dos  times de Palmeiras e São Paulo. Entretanto,  isso  não invalida a presença de equipes de menor índice técnico, porque o benefício para o futebol brasileiro é grande, pelo aparecimento de novos valores, muitos deles escondidos no interior do  Brasil e que, mais tarde,aparecem como ídolo para o povo.


 
Compartilhe: