A necessária união da bancada federal

A união faz a força, diz o velho adágio popular. Portanto, as diferenças político partidárias e questões pessoais devem ser esquecidas.

Compartilhe:

Deputados federais Camilo Capiberibe, Acácio Favacho, Vinícius Gurgel, Aline Gurgel, Marcivânia, Luiz Carlos, André Abdon, Leda Sadala e senadores Randolfe Rodrigues e Lucas Barreto, uni-vos!

A união faz a força, diz o velho adágio popular. Portanto, as diferenças político partidárias e questões pessoais devem ser esquecidas.

A partir de 2019, busquema formação de uma frente única visando o necessário desenvolvimento de nossa região.

Quem já viu, conviveu ou convive com o ambiente político em Brasília bem sabe que não é nada fácil aprovar uma emenda parlamentar e logo conseguir destinar recursos para seu estado. Lá, no Planalto Central do Brasil, bancada parlamentar é como peso na balança: vale quanto pesa!

E quem é que pesa mais na balança na Câmara Federal e no Senado?

Bom, por ordem de pesagem, temos os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia, Rio Grande do Sul e mais o restante do eixo pesado da região sudeste.

Com uma pequena população de menos de 800 mil habitantes, Waldez Góes (PDT) elegeu-se governador do Amapá, em segundo turno, com 191.741 mil votos. Somente o governador eleito de São Paulo, João Dória (PSDB), obteve 10.990.160 milhões de votos. Perceberam a gritante diferença numérica do eleitorado paulista para o amapaense?

O que nos resta fazer?
Existe a bancada Nordestina que a cada eleição procura se fortalecer para conseguir aprovar seus pleitos formando uma frente única aos pesos pesados da política nacional. Resta-nos, inicialmente, nos fortalecermos tecnicamente para seguidamente buscar o fortalecimento geral de toda a bancada da região Norte. Tudo logicamente emprol da qualidade de vida do povo amazônico e não de meros interesses pessoais. Fazeis sempre isso e serás digno e merecedor de reeleição na urna eletrônica.


 
Compartilhe: