Genética e cardiologia

Duas dúvidas comuns sobre genética e cardiologia. Primeira, é curioso observar a mística existente a respeito do código genético e seu poder de predizer condições futuras de saúde. É uma dúvida determinística: pode o genoma realmente dizer se vou ter ou não uma doença? Segundo, é a ideia de que o aconselhamento genético é obrigatoriamente […]

Compartilhe:

Duas dúvidas comuns sobre genética e cardiologia. Primeira, é curioso observar a mística existente a respeito do código genético e seu poder de predizer condições futuras de saúde. É uma dúvida determinística: pode o genoma realmente dizer se vou ter ou não uma doença? Segundo, é a ideia de que o aconselhamento genético é obrigatoriamente o teste genético. Nem sempre é necessário recorrer a uma análise molecular (o exame) para estimar um risco de saúde. Muitas vezes, a história familiar e a própria situação clínica do paciente oferecem mais respostas do que a leitura do DNA.
O aconselhamento genético ocorre em uma consulta com o médico geneticista que tem por objetivo estabelecer o perfil genético do paciente com base em sua saúde e história familiar. São abordados a etiologia, hereditariedade, manifestações clínicas, prognóstico e oportunidades de prevenção e tratamento, o que possibilita tomadas de decisão mais assertivas tanto para o paciente, quanto para o médico. Ao paciente, o aconselhamento genético possibilita que ele conheça quais são seus riscos de saúde e faça decisões sobre a adoção de hábitos de vida, possibilidades de tratamento, sobre o desejo de ter filhos e mesmo sobre planos futuros.

 

Nicotina
Fumantes estão sendo advertidos a não ignorar sintomas aparentemente inofensivos, como a tosse, que poderiam estar por trás de doenças graves.

Em nova campanha, o Departamento de Saúde Pública do Reino Unido alerta sobre o desconhecimento, por muitos fumantes, dos riscos de doenças incapacitantes como a doença pulmonar obstrutiva crônica (Dpoc).

A enfermidade, que estreita as vias aéreas, pode fazer com que pessoas tenham grande dificuldade para realizar tarefas simples, como subir escadas.

As estatísticas mostram que o problema atinge mais de 1 milhão de pessoas na Inglaterra – em cada dez casos, nove são causados pelo cigarro.

Para entender melhor a gravidade do problema, é preciso considerar que a Dpoc é, na verdade, um conceito ‘guarda-chuva’ que abrange uma série de doenças pulmonares crônicas, como bronquite e enfisema.

Quem desenvolve o problema passa a ter dificuldades para respirar, sobretudo em decorrência do estreitamento das vias aéreas e da destruição do tecido que compõe os pulmões.

 

Jesus, o Servo
Durante Seu Ministério Jesus expressou, de maneira direta ou indireta, na teoria ou na prática, quão importante é, entre Seus Discípulos, a disposição para servir. O Senhor trata desse assunto a começar pelo Sermão do Monte, no qual destacou a importância que devemos dar aos outros, a preocupação e o cuidado com o próximo e a humildade que deve caracterizar aqueles que o servem.
Nos versículos de hoje, Cristo lembra o fato de que na sociedade as pessoas mais importantes são servidas, enquanto o mais indigno serve. No entanto, declarou que entre Seus Seguidores não seria assim. Enquanto eles disputavam qual deles seria o maiorial, o Mestre declarou: “…quem quiser ser o primeiro entre vós será vosso servo…” (v.27).

Jesus ainda lhes ofereceu uma aula adicional. Ilustra Seu ensino cingindo-se de uma toalha para lavar-lhes os pés: o Filho de Deus curvado diante de homens simples, realizando a tarefa atribuída ao escravo mais humilde.

A última aula foi ministrada enquanto Ele estava pendurado no madeiro. Ali, deixa claro a intensidade e a profundidade de Suas palavras: “…o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos” (v.28).

Que nós possamos ter a mesma atitude de nosso Senhor que “…a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo…” (Filipenses 2:7). Só assim, poderemos ser considerados Seus verdadeiros discípulos. — O critério de importância no Reino de Deus não é o status, mas a utilidade do servo.Ney Silva Ladeia


 
Compartilhe: