Vida

Na obra, debate-se ainda o que a Ciência de fato sabe sobre o Big Bang

Compartilhe:

A Editora Mackenzie lança o livro ‘Fomos planejados: a maior descoberta científica de todos os tempos’ (460 páginas), do renomado pesquisador brasileiro Marcos Eberlin, que aborda a relação das teorias da origem da vida e o Design Inteligente, por meio de um viés científico e documentado. O autor apresenta diversos dados científicos e coloca os pontos frente à frente as duas teorias adversárias, abordando questões como fatos e boatos sobre as teorias da Evolução do Cosmo e Química. Esses apontamentos permitem a reflexão sobre a melhor inferência para a sua causa. Na obra, debate-se ainda o que a Ciência de fato sabe sobre o Big Bang, contrapondo-o à ideia que aponta para uma mente inteligente como a arquiteta do Universo e da vida. Eberlin explica que a obra é indicada para quem pretende entender melhor a polêmica entre as duas teorias, mas que vai além, reunindo uma pesquisa ampla para estudantes e pesquisadores que procuram uma fonte para consulta que aborde todas as vertentes, buscando a isenção de ideologias. (Fonte: Dino para Jornalistas)

 

Tem gente pra tudo
Há quem diga que o ser humano é capaz de tudo, em termos de imprevisto e de coisas fora do eixo. Há gente que tem coragem até de mamar em onça. Quantas vezes vemos belas moças abraçadas com todo amor a um cara que, comparando, fica muito atrás do ‘O Feio’ de Roberto Carlos que, por sua vez, apesar de toda a feiúra que possui, deixa as garotas suspirando. Há casos de filho convivendo sexualmente com a mãe; filha com pai, também; irmão com irmã, e por aí vai… O imperador indiano Shah Jahan gastou soma incalculável sem contar os 20 mil homens que pagou para construir Taj Mahal, o mausoléu de Agra, em homenagem a uma das suas esposas, Aryumand Banu Begam, com a qual tivera 14 filhos. Lula se diz o homem mais honesto do Brasil, porém a Justiça comprova o contrário. O ‘Elogio da Loucura’, de Erasmo de Rotterdam, mostra muito bem do quanto a humanidade é capaz. Mas pra encerrar, conto o caso de dona Maria, aqui do Jornal. Ela diz que não homenageia mais os seu mortos nos cemitérios, porque cansou de levar flores e velas e outras homenagens. Mas quando vira as costas, levam tudo pra colocar em outras sepulturas. O Elder Carlos, também aqui do Jornal, conta o caso em que foi erigida bonita cruz no túmulo do chefe da família na véspera do Dia de Finados. Na data seguinte, quando familiares foram ao cemitério, a cruz tinha sumido – no lugar dela, uma outra, de madeira ordinária, com a haste e a travessa seguros por um nó de cadarço de sapato. Eu, heim!

 

Escolhas
Certa vez um amigo me disse: “Joe, descobri que minha vida não consiste dos sonhos que tenho, mas das escolhas que faço”.

Pode contar com isso: você terá muitas escolhas a fazer em sua vida. E, geralmente, resumem-se a escolher entre “O que eu quero?” e “O que é melhor para os outros?”

Depois que os maridos de Rute e Orfa morreram, elas precisaram decidir estrategicamente (Rute 1:11). Noemi, a sogra de ambas, lhes disse que elas deveriam voltar para sua parentela. A sogra não queria que as noras sentissem qualquer obrigação para com ela, apesar de a sua perda ter sido muito maior. Noemi havia perdido seu marido e seus dois filhos.

Orfa e Rute poderiam ir para casa e começar uma nova vida, ou ficar com Noemi para ajudá-la em uma época de grande necessidade. Elas sabiam muito bem que a última opção provavelmente significaria viver numa terra estrangeira, como viúvas, para o resto de suas vidas, uma vez que poucos homens judeus iriam querer casar-se com uma mulher estrangeira.

Rute decidiu atender as necessidades de Noemi ao invés de servir a si mesma. Orfa optou por deixar Noemi para levar uma vida que achava que seria melhor. Rute passou a desempenhar um papel significativo na história judaica e tornou-se uma ascendente de Jesus (Mateus 1:5).
Faça a melhor escolha. Escolha servir os outros. Sirva a Deus servindo aos outros. — Joe Stowell


 
Compartilhe: