Cidades

Amapá teve 54,6 mil candidatos inscritos no Enem 2019; resultado foi divulgado nesta sexta, 17

Exame se transformou em principal porta de entrada para a formação superior

Compartilhe:

Além de servir para avaliar a qualidade da educação, Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) se tornou a principal porta de entrada para a formação superior. São cinco formas diferentes que o candidato tem para usar a nota:
• SiSU
• Prouni
• Fies
• Bolsa de estudos em universidades particulares
• Estudar na Europa

De acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o Amapá teve 54,6 mil candidatos inscritos no Enem 2019. Desse total, 70% já tinha concluído o ensino médio e outros 20% estavam cursando a última série do 2º grau.
Veja como funciona cada um dos processos seletivos que usam a nota do Enem para ingresso na universidade

SiSU
O Sistema de Seleção Unificada (SiSU) é uma ferramenta informatizada, gerenciado pelo Ministério da Educação (MEC), pelo qual instituições públicas de educação superior oferecem vagas a candidatos participantes do Enem. No Amapá, o Sistema oferta este ano 1.370 vagas em instituições federais.

Para se inscrever no Sisu, o candidato deve ter o número de inscrição e a senha do Enem. Com esses dados, ele faz o login no site oficial do Sisu. Em seguida, deverá escolher duas opções diferentes de curso, sendo a primeira delas a principal.

É necessário ainda definir se deseja concorrer a vagas de ampla concorrência, as vagas reservadas referentes à Lei de Cotas ou a vagas destinadas às demais políticas afirmativas da instituição.

Prouni
O Programa Universidade para Todos (Prouni) tem como finalidade a concessão de bolsas de estudos integrais e parciais em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, em universidades particulares.

Para se inscrever, o candidato deve ter tirado média de 450 pontos e não ter zerado na redação. Ele também não deve possuir diploma de ensino superior e é preciso se enquadrar em um dos seguintes critérios de renda:

Bolsas integrais: renda familiar bruta mensal per capita de até 1,5 salário mínimo

Bolsas parciais (50% da mensalidade coberta): renda familiar bruta mensal per capita de até 3 salários mínimos
Entre as exigências, o candidato deve ainda se encaixar em pelo menos uma das seguintes situações:
• Ter cursado o ensino médio em escola pública
• Ter cursado o ensino médio em escola privada, desde que na condição de bolsista integral
• Ter alguma deficiência

Ou ser professor do quadro permanente de uma escola pública (nesse caso, o critério de renda familiar não se aplica).
As inscrições para o processo seletivo do Prouni referente ao primeiro semestre de 2020 serão efetuadas no período de 28 a 31 de janeiro.

Fies
O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) é outro programa do Governo Federal de incentivo à formação superior. Para se inscrever para as modalidades Fies e P-Fies, é necessário que o candidato possua renda familiar mensal bruta, por pessoa, até 3 salários mínimos.

Já para concorrer, exclusivamente, para a modalidade P-Fies, o candidato deve comprovar renda familiar mensal bruta familiar, por pessoa, de 3 a 5 salários mínimos.

Em ambas modalidades, é preciso apresentar desempenho mínimo de 450 pontos nas provas objetivas e não ter zerado na redação. As inscrições do processo seletivo do Fies e do P-Fies devem ser realizadas de 5 a 12 de fevereiro.

Bolsa de estudos em universidades particulares

Muitas universidades particulares aceita a nota do Enem como critério para seleção de novos alunos. Cada instituição define suas próprias regras de utilização do Enem. Algumas exigem notas mais altas em determinada área do conhecimento, outras aplicam teste aos candidatos, e outras estabelecem nota mínima na redação. Algumas ainda oferecem descontos e bolsas de estudos.

Estudar na Europa
O Inep tem parceria com 47 universidades de Portugal, que definem a forma de usar a nota do Enem em seus processos seletivos, como pesos de cada área do conhecimento e regras para inscrição.

Até 2018, o Inep estima que pelo menos 1,2 mil brasileiros ingressaram no ensino superior em Portugal por meio do programa.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *