Cidades

Educadores passam por curso de formação

A capacitação, ministrada pelo Instituto de Corresponsabilidade pela Educação (ICE), aconteceu de terça-feira, 5, a quinta-feira, 7, na Escola Estadual Jesus de Nazaré, em Macapá.

Compartilhe:

Para a escola promover a formação integral dos estudantes, é necessário ir além das competências cognitivas, e trabalhar, também, o desenvolvimento das habilidades sociemocionais. Com esse intuito, diretores, coordenadores pedagógicos, professores coordenadores de áreas das Escolas do Novo Saber, e técnicos da Secretaria de Estado da Educação (Seed) participaram da formação em aprendizagem sociemocional e protagonismo.

A capacitação, ministrada pelo Instituto de Corresponsabilidade pela Educação (ICE), aconteceu de terça-feira, 5, a quinta-feira, 7, na Escola Estadual Jesus de Nazaré, em Macapá.

De acordo com Carla Beatriz Carvalho, coordenadora da equipe de implantação de Educação em Tempo Integral da Seed, a formação em aprendizagem socioemocional é muito importante, principalmente, neste momento de redesenho da política educacional do Amapá, pois, é a hora de nivelar informações e fazer a prospecção do que será colocado em prática nas demais escolas do estado.

“Desde 2017, colocamos em prática nas Escolas do Novo Saber o que a Base Nacional Comum Curricular traz para nós como competências não cognitivas. Trabalhar com aprendizagem sociemocional é trabalhar muito o lado pessoal, tanto do profissional da Educação, quanto dos estudantes”, considerou Carla.

Flávio Dalera de Carli, supervisor de projetos do ICE, pontua que o trabalho educacional com habilidades sociemocionais trata das emoções e sentimentos a partir do conceito da pedagogia da presença e da relação de ajuda, isto é, o educador será alguém que poderá ouvir e problematizar com os estudantes aquilo que estão trazendo para a sala de aula.

“O educador não vai trazer respostas, e, sim, poder falar sobre o tema, sistematizar, fazer com que ele exista e possa ser movimentado. É uma perspectiva de problematização em um processo coletivo em que humanos apoiam humanos na construção de uma educação que valorize o jovem e seu projeto de vida”, frisou o supervisor.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *