Cidades

Estrada de Ferro sendo desmontada na clandestinidade e levada pra fora do estado

Depois de levarem grande parte dos trilhos, agora são os ‘rodeiros’, que dão suporte aos vagões, que estão sendo alvos. Embarque em carretas foi flagrado através de celular.

Compartilhe:

Um ouvinte do programa LuizMeloEntrevista (DiárioFM 90,9), cuja identidade é preservada, enviou imagens de um flagrante feito através de celular, do embarque de “rodeiros”, constituídos de roda, eixo, mancal de rolamento e adaptadores que dão suporte aos vagões da Estrada de Ferro do Amapá (EFA), em uma carreta, que seguiu em direção ao Rio Matapi, onde são feitos embarques e desembarques de cargas.

 

As imagens foram enviadas no final da tarde desta segunda-feira (25) à produção do programa que as encaminhou no mesmo instante ao Ministério Público do Amapá (MP-AP) e à Secretaria de Estado de Transportes (Setrap), que é responsável pela fiscalização.

 

O ouvinte explicou que a carreta seguiu em direção ao Rio Matapí: “A carga foi colocada na carreta em um galpão localizado no Igarapé da Fortaleza, bem próximo ao rio, e num horário compatível com a alta da maré, que é quando as balsas saem em direção a outros estados, cujo destino final, por certo, é outro país”, presumiu o ouvinte.

Ouvido pela bancada do programa, o diretor de Transportes da Setrap, Andrey Rêgo, afirmou que todas as denúncias são apuradas, e prometeu acionar órgãos pertinentes para localizar a carga. O procurador-geral do Estado, Narson Galeno, explicou que a concessão da EFA à Mineradora Zamin e, via de conseqüência, à Anglo Ferrous, teve decretada a sua caducidade pelo governo do Amapá, e garantiu todas as providências são tomadas no sentido de exercer forte fiscalização para evitar saques.

“Como proprietário da EFA, o governo do Estado está acompanhando o processo de liquidação judicial que tramita na 2ª Vara de Falências de São Paulo; já temos decisão judicial do Tribunal de Justiça do Amapá, em ação manejada pela PGE, que declara a caducidade da concessão da ferrovia e a gente está aguardando a finalização do processo; informamos ao juiz titular da ação, em São Paulo, da proibição de transferência da concessão, tanto para a Zamin, como para qualquer outra eventual sucessora; estamos a expectativa de que não seja decretada falência, pois seria mais prejudicial ao estado; de qualquer forma temos que esperar, para que possamos viabilizar a recuperação da ferrovia, que é muito importante para o desenvolvimento do estado“, completou Narson Galeno.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




4 comentários em “Estrada de Ferro sendo desmontada na clandestinidade e levada pra fora do estado”

  • J P Sampaio disse:

    Isso é igual multas aplicada nas empresa que exploram as hidrelétricas, dez milhões, no final não paga um milhão, podem verificar se é verdade ou não,

  • Tecmin disse:

    Eu trabalhei na ICOMI em 82, mais precisamente na Serra do Navio, baixava todos os sábados de trem e olha não tinha viagem mais prazerosa, pena que os meus filhos não vão poder fazer o mesmo, culpa de governos irresponsáveis que deixam o patrimônio do Estado ser sucateado.

  • Tecmin disse:

    Tive a oportunidade de ouvir no programa os esclarecimentos do diretor do SETRAP. Sabe a conclusão que tirei? É que ele é um despreparado

  • Anselmo Duarte disse:

    Peça ao procurador Narson Galeno, que fala na recuperação da Ferrovia, pelo Governo do Estado, para que ele escolha quaisquer pontos da estrada de ferro e dê uma passagem por lá, pra ver o que ainda resta da nossa velha ferrovia, sob total abandono, antes de falar em recuperação desta, (e convidar também o diretor de Transportes da Setrap, Andrey Rêgo). Na certa iria substituir o termo “recuperação”, por “construção”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *