Entrevista

Randolfe critica Bolsonaro por “postagens indecentes” e diz que o Amapá tem que ter projetos de governo para atrair recursos

“O papel da oposição para o Brasil, é dar ao governo a melhor contribuição, contribuição, que nenhum puxa saco de ocasião pode dar; que nenhum daqueles sorrateiros de plantão que ficam à mercê do príncipe que governa pode dar”.

Compartilhe:

Em entrevista nesta quinta-feira (07) ao programa LuizMeloEntrevista, Randolfe Rodrigues (REDE-AP) comentou sobre o situação política atual no país, criticou o texto da reforma da previdência, afirmou que, apesar do governo do presidente Jair Bolsonaro “estar atrapalhado” não há clima para impeachment e avaliou que o melhor núcleo do atual governo é o de militares, comandado pelo vice Mourão, que, segundo ele, ao contrário de Bolsonaro, “tem postura de chefe de estado, de chefe de governo”.

Perguntado por um ouvinte sobre o processo da transposição de servidores dos ex-territórios, que tem sido criticado em Brasília, e no final do ano passado foi suspenso por decisão liminar de um ministro do Tribunal de Contas da União, disse que que a decisão não suspende o processo, mas apenas o enquadramento final dos servidores aptos, acrescentando: “Tivemos há duas semanas uma audiência com o presidente do TCU, ministro Vital do Rego, e quero tranquilizar a todos dizendo que os requerimentos continuam sendo avaliados, obviamente em ritmo menor; inclusive o presidente do Congresso, Davi Alcolumbre, fez contato com ele e estamos aguardando uma visita do ministro ao Senado, que vai ocorrer logo após esta semana do carnaval, e logo, logo vai estar resolvido; como também a análise da PEC que estende a transposição até 1998”.


PERGUNTA: Essa postagem obscena feita pelo presidente Bolsonaro nesta quarta-feira compromete a imagem dele e acaba atrapalhando a reforma da previdência?

RESPOSTA: Atrapalha tudo. Toda publicação pornográfica, indecente, em qualquer lugar, sua veiculação pública é condenável; eu sempre condenei isso. E vindo de um chefe de governo, de um chefe de Estado, cria uma crise de repercussão mundial, tanto que essas postagens tiveram 4,8 milhões de visualizações; foi uma postagem do presidente da República que repercutiu na imprensa mundial; afinal ele é o Presidente que os brasileiros elegeram; eu não votei nele, mas ele é o mandatário da nossa Nação, e não dirige só as cosas do governo, mas representa o Brasil, é o símbolo do Brasil na esfera internacional, assim como a Rainha da Inglaterra é um símbolo da Grã-Bretanha, assim como o presidente americano é um símbolo, uma instituição republicana dos Estados Unidos da América na esfera internacional; será que nesse momento não tem coisa mais importante no Brasil que condenar a maior festa nacional, o maior símbolo do Brasil para o Mundo que é o carnaval, publicando pornografias, e assim mesmo são casos isolados? Podemos colocar cenas individuais ocorridas no bloco A Banda? Claro que não, a Banda é uma instituição do Amapá. Isso atenta contra a imagem do Brasil no exterior; o Brasil tem uma série de problemas centrais para serem postados e enfrentados pelo presidente da República, do que, com perdão da expressão, dando ‘piti’, se vingando do povo brasileiro porque durante o carnaval ele foi xingado; ele não pode usar tuite como instrumento de vingança pessoal contra o Brasil.

PERGUNTA: Para muitos, Bolsonaro ainda não disse ao que veio. O senhor é de opinião que ainda é cedo ou a equipe dele não conseguiu escrever por uma mesma caligrafia? Como o senhor classificaria o governo Bolsonaro até agora: confuso, atrapalhado, fraco, sem GPS ligado? O que está fora do esquadro no governo?
RESPOSTA: Como líder da oposição no Senado eu gostaria de dar 100 dias, que é a proposta inicial do governo; prefiro dar os 100 dias iniciais para avaliar, mas o próprio presidente da Republica usou o Twitter contra o Brasil; o governo Bolsonaro faz oposição contra si próprio; nós da oposição estendemos a mão desde o começo para colaborar com o Brasil; mas eu pergunto: foi a oposição ou os filhos do presidente que demitiram o Bebiano? Foi a oposição ou foi o ministro do Turismo, que hoje está nas manchetes de todos os jornais denunciado por uma assessora por utilização de ‘laranja’ (nas eleições de 2018)? Foi a oposição ou o Presidente que usou Twitter contra a maior festa do Brasil, que é o carnaval? é um governo descoordenado, que tem um núcleo comandado pelo ministro Sérgio Moro, outro núcleo, o militar, que é o melhor núcleo; inclusive o comportamento do vice (general Mourão) é quem mais tem comportamento de chefe de Estado, que o comportamento do presidente da República. Ele age como chefe de Estado, demarca posições como Presidente, tem sido um chefe de Estado e de governo, alguém com postura pra ficar à frente do cargo, que exige protocolo, requisitos para o cargo, nesse sentido, o vice tem se comportado muito melhor.


PERGUNTA: O senhor acha que esse ato de Bolsonaro publicando conteúdos obscenos pode ser o pontapé inicial para um impeachment?

RESPOSTA: Não, não chega a tanto! Não seria adequado. A própria lei diz que viola a lei de responsabilidade quem fere o decoro; que o presidente não está apto ao exercício do cargo, não está. Acho que ele precisa estar; para isso é preciso que ele saia do palanque, una-se aos brasileiros e comece a enfrentar os problemas.

PERGUNTA: O senhor disse ao Roberto D’Ávila, na GloboNews, que não é nem esquerda, nem direita, que é progressista. Ou seja, ideologicamente vota favorável ao progresso, às transformações e às reformas, se forem bem formatadas…
RESPOSTA: Antes de falar para o D’Ávila eu falei pro Melo (programa LuizMeloEntrevista); só repeti que nossa postura não será oposição sistemática nem alinhamento automático. Eu sempre disse que a melhor contribuição que um parlamentar do Amapá pode dar é respeitar e ser respeitado em Brasília; foi assim que o Davi Alcolumbre foi eleito presidente do Congresso Nacional; até agora os eventos que ocorreram no governo não foram produzidos pela oposição; quero reiterar que o papel da oposição para o Brasil é dar ao governo a melhor contribuição, contribuição que nenhum puxa-saco de ocasião pode dar; que nenhum daqueles sorrateiros de plantão que ficam à mercê do príncipe que governa pode dar, queremos dar como contribuição a critica leal, verdadeira e sincera; essa é a contribuição que queremos dar.

PERGUNTA: Quando Bebiano estava no governo, o presidente Bolsonaro mandou que ele cancelasse uma viagem que estava sendo organizada para a Amazônia, porque o governo certamente estando na região faria promessas que não poderia cumprir, o que se entende como razoável. Mas o senador Davi está no Amapá e já fez muitas promessas de estradas, portos e ferroviais, hospitais, por exemplo, e sem a certeza da entregua. Não corre o risco de ficar só na promessa e cair no descredito?
RESPOSTA: Acho que não. Temos sob a liderança do presidente do Congresso Nacional, o senador Davi, oportunidades. Ele presidirá o Senado e o Congresso por dois anos, que teremos uma oportunidade que antes não tivemos e teremos que aproveitar essa oportunidade. Não acho que todos os problemas serão resolvidos em dois anos, mas nesse período poderemos avançar nos gargalos, com a pavimentação dos 100 quilômetros da BR-156 no trecho norte e a pavimentação do trecho sul da rodovia; poderemos avançar em temas que interessam aos servidores, como a transposição; agora voltamos a ter esperança do retorno do pagamento do Plano Collor aos professores que há muito tempo eles tinham esse direito, que antes eu estava receoso, achando difícil, mas hoje temos as portas abertas… Ainda ontem eu estava conversando com o presidente do Congresso Nacional e eu disse que temos que ter um planejamento nesse período para buscar as metas prioritárias para os próximos dois anos; podemos avançar em muitas coisas; em algumas contribuir com o Brasil ajudando o Amapá, como a questão das dividas dos estados, a cessão onerosa, que está pestes ser votada no Congresso, e que ser for entregue, o Amapá pode ganhar quase 800 milhões de reais só na votação da cessão onerosa.


PERGUNTA: O Eunicio Oliveira mandou 7 bi para o Ceará enquanto na presidência do Senado. O Davi é a chave do tesouro da União para o Amapá?

RESPOSTA: Mais do que o financeiro, temos condições de resolver gargalos. Acho fundamental o Amapá ter um projeto de estado, encher de dinheiro não resolve se não tivermos projetos, mecanismos de mobilização da economia; temos que ter desenvolvimento sustentável, não basta só euforia de dois anos e voltarmos à grave crise.

PERGUNTAS DE OUVINTES: O senhor tem previsão de início e das obras da BR-156 nos dois trechos? E como está a ação popular que o senhor moveu contra o reajuste da tarifa de energia elétrica, que está sob liminar suspendendo o reajuste, concedida pelo juiz federal Bôsco e a Aneel recorreu?
RESPOSTAS: Amanhã (sexta-feira) o ministro do Desenvolvimento Regional estará no Amapá para debater a pavimentação do trecho sul e a retomada da obra da ponte sobre o Rio Jarí, que está parada há sete, oito anos; estaremos nos deslocando a Laranjal do Jarí para avaliarmos e avançar nessa retomada; sob o reajuste da tarifa de energia elétrica, a Aneel desistiu do recurso interposto na 2ª Instância da Justiça Federal; mas temos uma ação em curso contra o reajuste, movida por mim, como autor, e do outro lado estão o governo do estado e a CEA, que recorreram da liminar concedida pelo juiz Bôsco; veja quanto isso é importante, nós conseguimos suspender o reajuste desde o ultimo mês de dezembro, e como a média da conta de um cidadão é de 500 reais, se o reajuste estivesse valendo hoje esse cidadão teria pago 125 reais a mais em sua conta, e isso não ocorreu por conta da nossa ação. O recurso do governo e CEA está sendo analisado pelo Tribunal.

PERGUNTA: Com a Cláusula de Barreira já valendo, o seu partido, a REDE, agoniza e logo vai sumir do mapa político. Esse time todo, liderado pelo senhor, vai se mudar pra onde?
RESPOSTA: Não temos pressa, pois temos tempo para definir o futuro da Rede. Mas é importante destacar que o único óbice é não receber o Fundo Partidário e o Fundo de Campanha; eu comecei minha militância sem Fundo Partidário, eu andava de bicicleta. A Rede perde os recursos do Fundo, mas isso não pode ser pré-requisito para um partido existir. E também temos possibilidade de fusão com o PPS e outra alternativa é o PV; temos tempo para definir o futuro da Rede.


PERGUNTA: O processo dos servidores do Ceará para o retorno do pagamento do Plano Collor está no STF, enquanto que o dos servidores do Amapá está no STJ; o senhor está agindo com outros parlamentares para que esse direito volte a ser pago administrativamente enquanto a justiça decide?

RESPOSTA: Temos dois rounds; se não ganharmos no STF, nem se discute no STJ. Essa questão está sendo tratada judicialmente pelos eminentes doutores Cabral de Castro e Caxias, e agora dá uma grande esperança, que antigamente era remota, mas como a conclusão do julgamento está pautada para abril, tem que ser confirmado, e é possível requerer administrativamente a continuidade do pagamento após a decisão do STF. Lembrando que ontem foi publicado o enquadramento de 200 professores do Grupo Básico Tecnológico que passaram para o quadro da União por meio da transposição, e agora eles poderão solicitar junto à DAMF, em Macapá, o pagamento da tão sonhada dedicação exclusiva, uma luta antiga desses professores que agora foi concretizada.

PERGUNTA: A Lei anticrime do ministro Sérgio Moro que foi enviado ao Congresso Nacional é uma boa lei?
RESPOSTA: É uma boa lei, principalmente na parte que do combate à corrupção, confirmando a prisão na sentença de 2ª instância; esse aspecto é bom; mas só não sei se a lei vai passar, porque o problema não é a oposição, mas sim a base, setores do próprio governo que são contra.

PERGUNTA: O senhor é contra ou a favor da ‘Lava Toga’ (criação da CPI para apurar irregularidades no Judiciário)?
RESPOSTA: Totalmente a favor, assinei o pedido da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), que foi arquivada, mas o senador Alexandre, de Sergipe, deverá recorrer da decisão ou buscar assinaturas para requerer de novo.

PERGUNTA: O senhor acha que Guaidó ganha de Maduro nessa briga para restabelecer a democracia na Venezuela?
RESPOSTA: Temos que fazer todos os esforços pra restabelecer a democracia na Venezuela, mas o Brasil tem que respeitar o que está na Constituição, seja através de Guaidó ou qualquer outro, a autodeterminação dos povos, que é um princípio elementar, tem que ser respeitada, tem que se buscar a interlocução com outros países, inclusive com aqueles que sustentam esse regime venezuelano, como é o caso da China e da Rússia para restabelecer a democracia de forma pacífica.

PERGUNTA: O senador Davi é seu amigo e aliado político, mas ele foi ‘cria da costela’ de Bolsonaro para se eleger presidente do Congresso Nacional. Isso significa que o senhor vai conduzir a sua oposição ‘entre a cruz e a caldeirinha’?
RESPOSTA: Não. Eu tenho ótima relação com o presidente do Congresso Nacional, sou amigo dele, e acho que ele se elegeu por seus próprios méritos, tanto que foi votado por setores da oposição e do governo; o senador Davi foi o nome desses setores guindado a esse posto para renovar o Congresso.


PEERGUNTA: O senhor não acha que os brasileiros começam a se ficar ‘de saco cheio’ com o presidente Bolsonaro?

RESPOSTA: Acho que ele ainda tem um capital político a ser queimado, só que está queimando muito rápido e se se continuar assim em 100 esse capital político vai ser torrado. Como diz a poesia brasileiro, e o presidente Bolsonaro não gosta de poesia, a oposição tem tido muito trabalho, mas quem tem se atrapalhado mesmo é o governo; é um governos sem experiência, e como você mesmo disse antes da entrevista, o núcleo militar é o melhor desse governo, e é quem tem sustentado minimamente esse governo nos 60 primeiros dias.

PERGUNTA: Tropeço aqui, tropeço acolá, ainda há um pouquinho de esperança?
RESPOSTA: Eu sempre tenho esperança, nunca perco a esperança no Brasil e no Amapá; sou da máxima de que a esperança nunca morre. Como disse Gonzaguinha, sem esperança não se vive.

PERGUNTA: O senhor tem previsão de concorrer ao governo do Amapá em 2022, mas o prefeito Clécio, que é do seu partido, também já disse que será candidato…
RESPOSTA: É bom ver um partido com dois bons nomes para concorrer; quem que ama esta terra, quem mora nesta terrar, não tem esperança de governar esta terra? Eu tenho esse propósito, mas isso não me distancia do Clécio; ao contrário, só aproxima, e o nosso propósito é unificar as oposições para disputar o governo daqui há quatro anos.

PERGUINTA: O seu grupo político já tem nome definido para disputar a prefeitura de Macapá?
RESPOSTA: Não. Estamos conversando e o carnaval é um momento ideal para construir esse projeto, até mesmo porque para chegar a 2022 temos que passar por 2020. E estamos trabalhando para construir uma candidatura única para a prefeitura de Macapá.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *