Esportes

Presidente eleito do Ypiranga expede Carta Aberta em razão de ação judicial movida por conselheiros

Eleito no final do mês passado, Ricardo Oliveira teve seus atos suspensos; veja teor da Carta Aberta

Compartilhe:
Foto: Rosivaldo Nascimento

Eu Ricardo Oliveira de Souza, presidente eleito do Ypiranga Clube, venho através desta, manifestar meu total repúdio e preocupação com o que está acontecendo no YPIRANGA CLUBE. Todos os sócios, torcedores, desportistas e sociedade amapaense puderam acompanhar as eleições do Ypiranga Clube, uma das mais organizadas e transparentes dos últimos tempos, dando total e ampla divulgação, eleição esta que foi um marco importante sendo feita 100% on line,  dentro das normas estabelecidas pelo tempo que vivemos, mantendo o distanciamento para preservar vidas. Porém, mesmo com tudo isso, vem pessoas que ao invés de montar uma chapa, inscrevê-la para poder disputar uma eleição no voto, como recomenda o estatuto do clube, que estabelecia o edital dando todos os prazos para que tivessem o máximo de chapas inscritas, não o fizeram, preferem estar buscando outras formas escusas e sorrateiras para desqualificar as eleições.

Mesmo depois de terem entrado com liminar para impedir as eleições no dia 31/01/2021 e não obterem êxito, essas pessoas não pararam. Estas mesmas pessoas vem buscando atrapalhar e destruir o Ypiranga de uma forma que não sem precedentes. Eu, meu vice-presidente Célio Conrado Góes e toda a nossa diretoria, iniciamos os trabalhos logo no dia seguinte da eleição, buscando fazer todos os levantamentos, administrativos, jurídicos, financeiros e esportivos, mesmo diante e com toda essa problemática citada, demos início aos trabalhos, começamos a negociar as dívidas trabalhistas,  participando das audiências, negociando e parcelando essas dívidas, outras protocolando pedido s de prazo, pois  são muitas e boa parte já com parcelas vencidas.

Paralelo a isso, começamos a cuidar do futebol, pois estamos às portas de uma das mais importantes competições, nacionais, a Copa do Brasil. Demos início na cotação de material esportivo e abrimos uma forte conversa de parceria com a marca Super Bolla que é patrocinadora de vários clubes importantes do Brasil. Nesse mesmo rumo de trabalho começamos a avaliação de atletas para compor o elenco que irá disputar as competições, já fechamos com boa parte dos atletas e comissão técnica, mas como citei acima, há no clube pessoas que tentam atrapalhar de todas as formas, fomos surpreendidos com uma liminar da justiça mandando parar tudo, até que a ju stiça apure as denúncias incabíveis, feita pelos autores que como eu já disse, que ao invés de disputar a eleições de forma limpa, preferem tumultuar e tentar descredibilizar um trabalho tão organizado e transparente que demos início no Ypiranga Clube.

A referida liminar diz que eu Ricardo Oliveira, nem o meu cice Célio Conrado Góes e nem um dos meus diretores,  podemos trabalhar mais até que seja julgado o mérito da ação. Assim sendo, senhores sócios, senhores torcedores e sociedade amapaense, com essa liminar movida por pessoas que não desejam o crescimento do esporte e menos ainda do Ypiranga, nosso clube  ficará sem poder se defender das ações judiciais trabalhistas, de penhora e execução do patrimônio do clube, nem prosseguir com a montagem do time para participar da competição nacional, e estará fatalmente fora da disputa, pegará uma punição e ainda ficará no mínimo do is anos sem disputar qualquer competição, levando o clube de maior detentor de títulos e de maior torcida do Amapá a se juntar a clubes que foram destruídos por esse tipo de conduta de sócios.

Quero aqui divulgar o nome de cada um que está à frente dessa ação que irar levar o Ypiranga Clube ao seu fim: O advogado Agord Pinto, o ex-conselheiro Francisco das Chagas, o ex-conselheiro Jorge Barata Xerfan e o ex-conselheiro Nerivaldo.

E quero aqui pedir a intervenção da Federação Amapaense de Futebol e dos poderes públicos e judiciais, e até mesmo dos poderes eclesiásticos, pois foi a raiz da criação do nosso glorioso clube. Fica aqui a minha indignação de estar sendo proibido de trabalhar pelo clube, que muitas vezes ajudei a ser campeão como diretor, treinador e patrocinador, mas tenho a certeza que o Ypiranga Clube será forte e resistirá a mais esse levante de destruição, que outrora já marcou a sua história com a venda da antiga sede, onde era o palco de muitas festas e alegrias, após suas lindas vitórias dentro de campo e com as domingueiras que eram marcadas de muito samba.  Fica aqui o desabafo não só de um presidente, mas de um torcedor que já teve tantas alegrias com o maior clube do futebol Amapá.

 

Ricardo Oliveira
Presidente eleito do Ypiranga Clube

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Um comentário em “Presidente eleito do Ypiranga expede Carta Aberta em razão de ação judicial movida por conselheiros”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *