Geral

Jorge Amanajás se diz otimista com perspectivas de desenvolvim

Secretário de relações institucionais anuncia solução da questão fundiária ainda em 2015


Compartilhe:

 

Em entrevista exclusiva concedida no fim da tarde de ontem ao Diário do Amapá, o secretário de Estado de Relações Institucionais, Jorge Amanajás, afirmou que está muito otimista com as perspectivas de desenvolvimento econômico do Amapá, com a possibilidade de instalação de indústrias em curto espaço de tempo: “Temos recebido, todas as semanas, grupos de investidores de outros Estados e mesmo do exterior, interessados em implantar indústrias no Estado, atraídos pelas vantagens que o Amapá oferece, principalmente com a disponibilidade de áreas de cerrados para o cultivo de grãos, e no barateamento do frete para exportação, partindo do porto graneleiro de Santana”, revelou.

Para Jorge Amanajás, o maior impasse já está sendo removido pela atual gestão: “O que impede, ainda, essa transformação da realidade econômica é a questão fundiária, porque, apesar das terras já terem sido repassados ao Amapá através de Lei, ainda consta nos cartórios a União como proprietária, porque não houve a preocupação por parte da gestão anterior no que diz respeito à regulamentação da matéria, o que já está sendo revolvido através de uma comissão composta de órgãos ligados à área”, pontuou, completando: “As providências nesse sentido estão sendo tomadas de forma rápida, para que ainda neste ano a questão seja resolvida de forma definitiva”, prometeu.

Prestação de contas
Questionado, Jorge Amanajás argumentou que o atingimento dos 100 primeiros dias de governo ainda não gerou uma espécie de prestação de contas com a população porque a atual gestão teve que se concentrar, inicialmente, no levantamento das informações sobre as ações do governo anterior: “É público e notório que não tivemos transição no Amapá, tanto que nos deparamos com uma situação de desastre total, que acabou comprometendo obras vitais para o desenvolvimento do Estado. Mas, agora, o governo já começou a deslanchar, e nos próximos dias o próprio governador Waldez Góes posicionará a população amapaense sobre o verdadeiro estados de coisas que herdamos, bem como as ações projetas pelo atual governo, muitas já em andamento e outras que serão executados ao longo da gestão.

 

Ponte sobre o rio Matapi teve projeto original substituído
Na entrevista concedida ao Diário do Amapá, o secretário de Relações Institucionais Jorge Amanajás demonstrou preocupação, também, com a paralisação das obras da ponte sobre o rio Matapi: “Infelizmente, o governo passado se tornou inadimplente com a construtora C R Almeida e com o próprio BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, o que acabou prejudicando o andamento da obra. Mas não foi só isso: por quizila política, o governo passado desprezou o projeto original da ponte, que seria estaiada, por outro projeto, o que acabou gerando equívocos de engenharia absurdos, como a ponte terminar numa área de ressaca, por exemplo, o que vai gerar gastos astronômicos para essa correção, através de um termo aditivo”.

De acordo com o Secretário, a Procuradoria Geral do Estado (PGE) e a Secretaria de Estado de Planejamento (Seplan) estão atuando no sentido de resolver essa impasse o mais rápido possível, para evitar prejuízos ainda maiores: “Quanto mais tempo a obra ficar parada, mais prejuízos advirão, porque, como se sabe, trata-se de uma obra iniciada, que, sem a conclusão necessária, ficará exposta à ação das chuvas, podendo, até mesmo afetar a sua estrutura. Mas, o governador Waldez me falou pessoalmente que a solução imediata é uma prioridade dele, por isso, a população pode ter certeza que o problema será resolvido”, tranquilizou Amanajás.

 
Compartilhe:

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *