Última hora Polícia Política Cidades Esporte
Nota 10

Mazagão Velho completa 252 anos com celebrações religiosa e cívica restritas à comunidade

Acesso à vila será restrito a moradores, através de barreira montada na entrada da vila


Gabriel Penha

Especial para o Portal Diário

 

Mazagão Velho, a vila que deu origem ao Município de Mazagão, completa 252 anos neste domingo, 23 de janeiro. A pequeno povoado erguido nos confins da Amazônia para abrigar os guerreiros vindos da África no século 18 guarda uma parte da história da colonização brasileira pouco conhecida: uma cidade foi “transplantada” do continente africano para a Amazônia.

Por volta de volta de 1769, cerca de 160 famílias – aproximadamente 1022 pessoas, entre brancos e escravos negros – vieram do Marrocos, numa longa jornada de barco até às margens do rio Mutuacá, na região sul do Amapá, depois de uma breve passagem por Belém do Pará. A imigração forçada se deu pela guerra entre mouros e cristãos, durante a implantação do cristianismo português no continente africano. A vila de Nova Mazagão – hoje vila de Mazagão Velho – foi fundada em 23 de janeiro de 1770, pelo rei de Portugal, Dom José I.

 

Arqueologia desenterrou a história
No ano de 2003, essa história começava a ser literalmente desenterrada, com o trabalho de escavação da equipe do Laboratório de Arqueologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em convênio com o governo do Amapá. As pesquisas resultaram na descoberta das ruínas de uma igreja que data da fundação da vila e 52 ossadas dos primeiros moradores da região, enterradas nos alicerces. A igreja mede quarenta metros de comprimento e 12,8m de largura, chegando a 17,9m onde ficava o altar-mor. A igreja foi abandonada porque acabou tombando. “É uma igreja muito grande, sobretudo para a época. Essa diferença de tamanho onde ficava o altar se dá por que, naquele tempo, a Igreja Católica trabalhava com certo misticismo. A entrada do padre, por exemplo, era algo triunfal”, explicou, à época, o professor da pós-graduação em História da UFPE, Marcos Albuquerque, coordenador do Laboratório.

Sobre os restos mortais descobertos na fundação, Albuquerque acredita se tratar de um povo heroico – entre eles, militares – já que além das ossadas foram encontrados botões de fardas e cruzes de malta, condecorações portuguesas da época.

Após se arraigar em Mazagão, grande parte dessa população foi dizimada por doenças tropicais, para as quais não estava preparada. “Eles chegaram aqui e ficaram nos navios durante o tempo em que se construíram as casas. Imagino o que esse povo deve ter sofrido, tendo em vista que nessa região era muito comum a malária, o cólera, a diarreia e o sarampão [mais grave que o sarampo comum]. Tanto que, por volta de 1786, grande parte dessas pessoas, principalmente com mais recursos, foi para a região das ilhas e outros lugares, onde se estabeleceram como comerciantes, deixando para trás alguns remanescentes dos primeiros habitantes e os escravos negros, abandonados pelos donos”, disse, à época, o pesquisador Nilson Montoril de Araújo. Ele ainda diz que cerca de 150 pessoas sobreviveram para montar o núcleo populacional na região, onde hoje está situada a vila de Mazagão Velho.

 

 

Celeiro de cultura e tradições
No Estado do Amapá, Mazagão Velho se destaca como um celeiro de culturas e tradições, com festas religiosas e culturais, divididas em um rico calendário anual, fazendo de sua gente um verdadeiro povo de cultura e fé. A mais conhecida é a Festa de São Tiago, que acontece de 16 a 28 de julho, desde 1777 – este ano, completará 245 anos.

Uma das maiores manifestações religiosas e culturais, mistura rituais religiosos, cavalhada e um teatro a céu aberto para contar a aparição de Tiago como um soldado anônimo que lutou ao lado dos cristãos e garantiu sua vitória. Nos últimos dois anos, a tradição foi restrita aos moradores da comunidade, devido à pandemia de Covid-19.

Esse calendário inclui, entre outras, a Festa de São Gonçalo, de 6 a 10 de janeiro, Festa de Nossa Senhora da Piedade, com ponto alto no dia 11 de julho, a Festa do Divino Espírito Santo, que tem seu ápice no dia 24 de agosto, com a cerimônia de coração da Imperatriz (em alusão à Princesa Isabel) e um peculiar “marabaixo itinerante”, que percorre as casas da vila.

 

Educador leva cultura local para a sala de aula
Antônio José Pinto é professor efetivo da rede municipal de ensino e atua no Centro de Atendimento Infantil Vó Olga. Graduado em Pedagogia pela Universidade Estadual do Amapá (Ueap) leva a história e a cultura do lugar em sua prática pedagógica – em 2021, lecionou para alunos do terceiro ano do ensino fundamental. “Procuro levar para a sala de aula os conhecimentos da identidade cultural da comunidade. É uma forma de valorizar as tradições, para que os estudantes possam se apossar dessa cultura, que é nossa, que é deles, é um patrimônio de valor imensurável”, acredita o educador.

E o professor Antônio fala com conhecimento de causa. É um dos narradores da Festa de São Tiago há mais de 20 anos, tocador de caixa de marabaixo e um constante pesquisador sobre a história do seu lugar. “Sou nascido e criado aqui. Sinto orgulho de viver num lugar que respira cultura. Além da teoria, através da leitura, me sinto satisfeito em vivenciar tudo isso”, diz.

 

 

Programação restrita à comunidade local
As comemorações dos 252 anos de Mazagão Velho serão restritas à comunidade local, devido ao aumento dos índices de Covid-19 no Estado. O acesso será apenas para moradores de Mazagão Velho e será monitorado por uma barreira montada por órgãos municipais e pela Polícia Militar.

Às 5h, acontece uma alvorada, com queima de fogos. Para as 8h está marcada uma missa campal na frente da igreja Nossa Senhora da Assunção, respeitando o distanciamento social e protocolos sanitários; em seguida, a troca e hasteamento das bandeiras de Portugal, Brasil, Marrocos, Estado do Amapá e Município de Mazagão, com a presença da banda de música do Exército Brasileiro.

De acordo com a programação anunciada pela prefeitura, as atividades encerram com a inauguração da primeira etapa da orla, passarela do turismo e trapiche municipal.


Comente