Nota 10

Seminário vai consolidar candidatura da Fortaleza a Patrimônio Mundial

Escola de Administração Pública (EAP) promoverá as diretrizes e atividades temáticas do seminário que reunirá instituições governamentais.

Compartilhe:
O Governo do Amapá está organizando um seminário intitulado “Fortaleza de São José de Macapá: desafios para se tornar Patrimônio da Humanidade”, que será realizado no próximo dia 2 de abril, no auditório da Escola de Administração Pública (EAP).

O evento envolverá todas as instituições do Estado, Prefeitura de Macapá e União, que fazem parte do comitê de gerenciamento, para alinhar as ações que fundamentarão a candidatura do monumento a Patrimônio da Humanidade, através de um dossiê minucioso, que será encaminhado para à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Em 2021 ocorrerão as escolhas dos fortes. Além da Fortaleza de São José de Macapá, concorrem 19 fortificações situadas em 10 estados brasileiros e que já integram a Lista Indicativa brasileira a Patrimônio Mundial da Unesco.

Durante o seminário serão discutidos assuntos econômicos, turísticos, museológico, jurídico, histórico, dentre outros temas em diversas câmaras temáticas e mesas redondas, ligadas à edificação militar envolvendo suas áreas interna e externa.

O seminário terá a participação de cerca de 70 agentes públicos envolvidos diretamente no plano de trabalho da Fortaleza e será aberta para a comunidade acadêmica e outros.

Antecedendo as discussões técnicas, as equipes do Governo Estado já se reúnem internamente para alinhar as ações que já foram desenvolvidas e o que está em andamento.

“O Estado está se organizando internamente e os gestores das pastas envolvidas nas atividades estão montando o material que será exposto durante o encontro”, informou o chefe adjunto do Gabinete Civil e membro do grupo de gerenciamento da Fortaleza, Carlos Marques.

As demandas para oficializar a candidatura da Fortaleza foram definidas pelo Governo Federal, através da Carta de Recife e apresentam 10 questões que necessitam ser trabalhados como a preservação do bem, garantindo sua conservação e manutenção; além da gestão do conhecimento para preservar a memória e estimular o turismo cultural.

As entidades do GEA envolvidas são Gabinete Civil, Agência de Fomento do Amapá (Afap), EAP, Centro de Gestão da Tecnologia da Informação (Prodap) e as Secretarias de Cultura, Turismo, Cidades, Infraestrutura, Comunicação e Justiça e Segurança Pública.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *