Polícia

Justiça decreta prisão preventiva de acusado de estuprar menina de 9 anos em Laranjal

Delegada Cristina Amorim, da Polícia Civil, prendeu comerciante de 59 anos em flagrante. Ele negou autoria do crime, mas exames comprovaram materialidade do estupro.

Compartilhe:

A juíza Marina Lorena Lustosa Vidal, da 1ª Vara de Laranjal do Jari, converteu em preventiva a prisão em flagrante do comerciante Luiz Mesquita Araújo, de 59 anos, que foi indiciado pelo crime de estupro de vulnerável pela delegada Cristina Amorim, da Polícia Civil, após ter sido acusado de violentar sexualmente uma menina de 9 anos de idade. O crime ocorreu no domingo (26) na casa de Mesquita. Ele foi preso em flagrante após uma denúncia.

A conversão de prisão ocorreu durante audiência de custódia realizada na terça-feira (28) no Fórum da Comarca de Laranjal do Jari. Essa é a segunda acusação contra o comerciante que nega a autoria do estupro e disse durante depoimento à juíza que a acusação teria possivelmente partido do pai da criança que estaria lhe devendo R$ 10 mil.

Porém, as provas colhidas no curso do inquérito revelam que houve o crime.  A criança também declarou que aquela não foi a primeira vez que o homem a violentou sexualmente.

O próprio advogado do comerciante, Romeu Krein, reconheceu durante a audiência de custódia existir elementos suficientes para conversão da prisão de seu cliente.


O defensor também reconheceu a legalidade da prisão e solicitou ainda que seu cliente seja encaminhado para uma ala especial. “Em função da gravidade da acusação, isso não se discute, peço que ele seja encaminhado para uma ala especial para pessoas acusadas desse tipo de delito [estupro] para preservar a integridade física dele”, concluiu o advogado.

Após o encerramento da audiência a juíza determinou que o comerciante fosse encaminhado para exame de corpo delito e depois transferido para Macapá onde ele ficará preso à disposição da Justiça no Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen).

A delegada Cristina Amorim, titular da Delegacia da Mulher, Infância e Juventude, revelou que dará prosseguimento no inquérito para ouvir outras pessoas e apurar se outras crianças não foram vítimas do comerciante. Ela também disse que casos como este são crescentes no município.

“Estamos com vários inquéritos e todo dia surge um novo caso praticamente. Estamos trabalhando na identificação dos suspeitos, mas faremos ações para prevenir também esse tipo de crime”, concluiu a delegada durante entrevista ao Diário.

Reportagem: Elden Carlos e Jair Zemberg

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *