Polícia

Polícia indicia 8 pessoas por roubo de gado em Mazagão

Donos de um açougue, no município de Santana, encomendavam o roubo dos animais que eram cometidos em fazendas do município de Mazagão.

Compartilhe:

Oito pessoas foram indiciadas na sexta-feira (21) pelo crime de roubo de gado no município de Mazagão, Região Metropolitana de Macapá. Segundo o delegado da Polícia Civil, Anderson Ramos, titular da delegacia mazaganense, o crime ocorreu no dia 18 de outubro do ano passado em uma fazenda às margens do rio Vila Nova.

De acordo com o presidente do inquérito, na noite do crime, três pessoas armadas e com coletes táticos, invadiram a fazenda, agrediram e amarraram o proprietário com o objetivo de roubar os animais. Dois homens da quadrilha permaneceram de prontidão nas catraias usadas no apoio logístico.


Cinco búfalos foram abatidos. Além disso, os criminosos ainda levaram motosserra, roçadura, malhadeira, ventilador, espingardas, gerador de energia, furadeira, bateria de carro. Esse material foi dividido em duas catraias para serem transportados.

Após a fuga, a vítima conseguiu se desamarrar e ligou para os filhos pedindo ajuda. A família acionou a Polícia Militar que fez buscas na região e localizou o bando. Houve troca de tiros e os ladrões fugiram para área de mata, abandonando todo o produto roubado nas embarcações.


Durante as investigações, o delegado descobriu que o roubo do gado aconteceu devido uma encomenda realizada por duas pessoas [donas de um açougue em Santana]. A polícia pediu a quebra do sigilo telefônico dos suspeitos e descobriu que durante 18 dias houve a realização de 75 ligações entre eles, inclusive, na hora do crime.

“Os donos do açougue encomendaram a carne a um dos executores que arregimentou o bando. O plano contou ainda com ajuda do dono de uma propriedade vizinha. Estamos indiciando essas pessoas de acordo com o grau de envolvimento de cada uma delas, algumas responderão por roubo, outras, por furto, e até mesmo tentativa de latrocínio. Tivemos, nesse caso, a ação conjunta da Polícia Federal (PF) que nos deu suporte com a perícia”, destacou.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *