Política

Em Brasília, Waldez busca apoio do Incra para acelerar regularização fundiária

Governador se adianta enquanto o Exército conduz georreferenciamento das terras amapaenses, através de convênio com o Estado.

Compartilhe:
O governador Waldez Góes foi buscar apoio do governo federal para agilizar a transferência das terras da União para o Estado do Amapá, enquanto o Exército Brasileiro conduz o georreferenciamento das terras amapaenses como parte do processo de regularização fundiária. O trabalho do Exército compõe um conjunto de medidas adotadas pelo governo para destravar o processo de desenvolvimento social e econômico da região. É o caso da implantação da Base Cartográfica e da Rede Geodésica, ferramentas que auxiliam no georreferenciamento.

O assunto foi a principal agenda do governador em Brasília (DF) nesta quarta-feira, 24, momento em que se reuniu com o presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), João Carlos Jesus Corrêa, com o vice-ministro da Agricultura e secretário Especial de Assuntos Fundiários, Luiz Antônio Nabhan Garcia, além de técnicos e gestores do Governo do Amapá, da bancada federal e do Legislativo amapaense.

Waldez Góes expôs ao presidente do Incra as dificuldades que o Amapá enfrenta para desenvolver sua economia por não poder fazer uso das terras que ainda estão em nome da União. Como encaminhamento da agenda, ficou decidida a criação de um Grupo Executivo para se estabelecer o fluxo de ações para a transferência das terras da União para o Estado. “Os técnicos do Amapá precisam de expertise para executar este trabalho, por isso, o apoio do governo federal”, justificou o governador.

O próximo passo será a assinatura de um decreto pelo governador amapaense instituindo o Grupo de Trabalho, que será elaborado em primeira instância pelo Incra, segundo afirmado pelo diretor-presidente do Instituto do Meio Ambiente e de Ordenamento Territorial do Amapá (Imap), Julhiano Avelar, que participou da agenda na capital federal.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *