Política

Lucas apóia Waldez no 2º turno e Cirilo libera militância na disputa pelo GEA

Partido do senador eleito fechou aliança em nível nacional com PSL. No Amapá Lucas prioriza apoio a Waldez (PDT) por considerar que o estado não exerce influência na eleição do Presidente da República pelo reduzido número de eleitores.

Compartilhe:
Lucas Barreto (PTB)

O senador eleito Lucas Barreto (PTB) confirmou nesta quarta-feira (10) no programa LuizMeloEntrevista (DiárioFM 90,9) que sua prioridade é a disputa do governo do estado (GEA), por isso não se atrela muito ao cenário nacional, com a adesão do seu partido à campanha de Jair Bolsonaro à Presidência da República, apesar de deixar claro que, como partidário, segue as orientações da sigla.

 

De acordo com Lucas Barreto, isso não significa que ele não esteja apoiando o candidato apoiado pelo seu partido: “Sigo as orientações do meu partido, mas é importante destacar que a minha prioridade é o Amapá, e seja lá quem for o eleito, estarei em Brasília cobrando políticas públicas que beneficiem o meus estado e a população”, observou, destacando que a eleição em 2º turno ganha contornos nacionais, e que nesse contexto o Amapá representa muito pouco, cerca de 02,% dos votos de todo o país.

 

“Essa eleição tem nível nacional, é no Brasil todo, e aqui no Amapá o eleitorado representa apenas 0,2%, não decide nada, então o certo é que seja quem for o presidente estaremos no Senado cobrando apoio aos 16 municípios do Amapá, que sempre ficou esquecido, foi ficando de lado, tanto em relação ao Lula, como também os outros governos; todos querem que o Amapá seja uma redoma em termos de preservação, mas não há compensação, e nós vamos cobrar essa compensação”, prometeu.

 

Cirilo Fernandes (PSL)

 

Militância liberada
Também entrevistado pela bancada do programa, Cirilo Fernandes (PSL) comentou a sua performance na disputa do governo do estado, em que ficou na 4ª posição, obtendo 11,38% dos votos validos. Tido como a surpresa nas eleições, o então estreante em pleitos majoritários se disse “gratificado” e já admite concorrer à prefeitura de Macapá em 2020.

“Graças a Deus deu tudo certo, de fato tivemos uma votação expressiva e estamos sendo muito parabenizados pelas redes sociais e também nas ruas, por onde passamos; isso é bom porque mostra o carinho das pessoas; combatemos o bom combate e quero agradecer às 45 mil e 197 pessoas que acreditaram nas nossas propostas de governo, com ênfase na renovação política do Amapá; e quero dizer que eu, Cirilo, fico neutro (no 2º turno) porque respeito as pessoas que queriam, que querem mudanças, por isso todos ficam liberados pra escolher; quero também desejar sorte aos dois candidatos, e que o vencedor realmente possa desenvolver políticas públicas de qualidade para beneficiar a população; e se quiseram minha colaboração estou disposto a ajudar, e não vou torcer contra a gestão de quem sair vencedor; pelo contrário, vou torcer para que a gestão seja em benefício da população”, ressaltou.

 

Perguntado se o seu futuro político prevê eventual disputa à prefeitura de Macapá em 2020, Cirilo respondeu que sim: “Com certeza! Eu falo que o ser humano é um ser político, não pode parar no tempo e as pessoas já estão até fazendo campanha pra prefeito de Macapá; a gente vai trabalhar com certeza. Cada eleição é um cenário diferente; esta foi a minha primeira experiência para majoritária e me preparei, o que justifica esse belo desempenho, ao contrário das outras eleições para vereador e deputado estadual, que foram em cima da hora”

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *