Política

Mentor da construção do novo aeroporto, Sarney não foi convidado para inauguração

Ex-presidente da República foi o mentor da obra

Compartilhe:

A construção do novo Aeroporto Internacional Alberto Alcolumbre, Macapá, foi possível graças a tratativas feitas pelo ex-senador José Sarney junto ao então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Embora tenha sido mentor da obra, o ex-presidente da República não foi convidado para a inauguração, e seu empenho para a concretização do projeto sequer foi mencionado pelas atuais autoridades e imprensa.

Em artigo publicado na página 2 da edição do Diário do Amapá deste domingo (14) Sarney lembra que quando foi eleito senador pelo Amapá “sonhei dotar o Estado de uma infraestrutura capaz de transformá-lo num grande estado. Pensava alto. Nada de plantar couve, plantar carvalho, como dizia Rui Barbosa”. Ele também cita várias outras obras de grande importância para o desenvolvimento do estado, como a transferência do porto de Belém (PA) para Santana (AP), a pavimentação da BR-156 “que tinha apenas cento e poucos quilômetros, até Ferreira Gomes, já construída por mim quando Presidente da República. Vim inaugurá-la juntamente com a ponte sobre o Rio Araguari, também feita no seu governo, e a construção do Linhão do Tucuruí”.

Sarney também fala sobre a sua saga para a implantação da Área de Livre Comércio de Macapá e Santana e para a construção do novo aeroporto: “Trouxe o Brigadeiro Adir, então presidente da Infraero, para fazê-lo. Mas naquele tempo havia uma longa lista e, para sermos prioridade, o governo do Estado tinha de participar da obra: apenas 10%. Mas o Governo alegou que não tinha recursos para participar. O meu sonho e o sonho do povo do Amapá foi adiado. Quando Lula foi eleito, escolheu para presidente da Infraero o ex-Senador Carlos Wilson, que era meu velho amigo. Pedi a Lula o aeroporto novo para Macapá. Foi a primeira obra autorizada por ele. Carlos Wilson, para ajudar, mandou que o projeto básico fosse o mesmo que fora construído em Palmas. Quando me mostrou não tinha pontes que levassem o passageiro até o avião. Não concordei e o modificaram”.

De lá para cá, segundo José Sarney, ocorreram vários problemas, citando a falência do consórcio que ganhou a licitação. “A obra parou e depois várias tentativas para termina-lo fracassaram por problemas dos construtores com o TCU (Tribunal de Contas da União). Continuamos lutando, até que conseguimos a retomada das obras, já então com recursos apresentados por emendas da bancada federal, que tiveram grande participação. Agora está sendo inaugurado. Saúdo o povo do Amapá com meus parabéns. Eu amo este Estado. A ele devo um pedaço da minha vida. Aqui tenho grande amigos e sou grato ao seu povo. Dizem os chineses que quem for beber água num poço deve lembrar de quem abriu o poço. Está no livro do Gênesis que no princípio era o verbo, o sonho. Macapá agora tem novo ícone, o belo Aeroporto. Parabéns”, finaliza Sarney.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *