Política

Sérgio Barcellos lança pré-candidatura a deputado estadual pelo DEM

Sérgio Barcellos anunciou a pré-candidatura a deputado estadual Pondo fim a especulações.

Compartilhe:

No dia em que o pai, Annibal Barcellos, completaria 100 anos de idade se fosse vivo, e por causa de especulações na mídia dando conta de que estaria com sérios problemas de saúde, o ex-deputado federal Sérgio Barcellos (DEM) anunciou nesta terça-feira (10) no programa LuizMeloEntrevista (DiárioFM 90,9) que o candidato da família ao cargo será ele próprio.

 

A participação de Sérgio Barcellos no programa ocorreu em meio a homenagens feitas pelo programa ao ex-governador do Amapá, que foi o responsável pela construção do Estado. Ele agradeceu em nome da família as homenagens espontâneas de vários ouvintes e destacou a entrevista concedida ao vivo a uma equipe do programa no Cemitério Nossa Senhora da Conceição, no exato momento em que um antigo amigo dele mesmo limpava o túmulo do ex-governador.

 

“Meu pai foi governador, deputado federal e senador, e durante a sua carreira política só não foi deputado estadual e senador, e se dedicou inteiramente ao Amapá, terra que ele adotou como dele desde 1979, quando fincou aqui suas raízes para nunca mais retornar ao Rio de Janeiro, e onde foi sepultado a pedido dele próprio, antes de partir. Ele sentia um amor profundo por esta terra”, relatou.

 

Engenheiro civil, Sérgio Barcellos anunciou a pré-candidatura a deputado estadual: “Pondo fim a especulações, em condenável jogo baixo, de que eu não iria disputar eleição este ano porque estaria doente, aproveito a oportunidade para dizer que eu serei o candidato da família a deputado estadual, em nome do comandante Barcellos; eu estou muito bem, e quero dizer que herdei a saúde do meu pai que viveu até os 93 anos de idade”, finalizou.

 

Perfil
Nascido Campos dos Goytacazes (RJ) no dia 10 de julho de 1918, filho de Manuel Barcelos Filho e de Minervina Barcelos, Annibal Barcellos concluiu o curso de oficial da Marinha na Escola de Guerra Naval, no Rio de Janeiro, então Distrito Federal em 1939 e em 1952 foi encarregado do departamento de convés do navio-escola Duque de Caxias em missão de merecimento por se tratar de viagem ao exterior para instrução de guardas-marinhas. Quatro anos depois foi membro da comissão que visitou os Estados Unidos a fim de observar os métodos usados no comando de adestramento da Marinha daquele país.

Participou ativamente da Revolução de 1964 e era simpatizante da União Democrática Nacional (UDN) e posteriormente da Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de apoio ao regime militar. Ocupou a função de supervisor do ensino profissional marítimo do Ministério da Marinha, no Rio de Janeiro, até 1979, quando foi nomeado governador do Amapá por indicação do então ministro do Interior do governo João Batista Figueiredo, Mário Andreazza.

 

Reconhecido como o governador que mais construiu obras em toda a história do Amapá, desde quando assumiu o governo Annibal Barcellos teve como bandeira a transformação do território em estado, inclusive construiu a sede da Assembléia Legislativa do Amapá mesmo antes do Amapá se tornar estado, o que lhe rendeu uma ação popular por gasto indevido do dinheiro público, mas foi absolvido pela justiça local, que entendeu que era dever do governador criar condições para a transformação. Ele ficou no cargo até julho de 1985 e em novembro do ano seguinte foi eleito deputado federal constituinte pelo Partido da Frente Liberal (PFL), hoje DEM, em coligação com o PDT, com 20% do total dos votos, a maior votação do então território.

 

Vencedor do pleito em 1990 numa coligação do PRN, PFL e PL, denominada Frente Liberal de Reconstrução, apoiada pelo então presidente Fernando Collor de Mello e pelo governador Gilton Garcia, que foi nomeado para fazer a transição do território para estado, Barcellos retornou ao Palácio do Setentrião na condição de primeiro governador do estado do Amapá, e deixou o governo em 1º de janeiro de 1995, quando assumiu o ex-governador João Alberto Capiberibe (PSB). Barcellos não foi candidato porque na época a legislação não permitia a reeleição, mas em outubro do ano seguinte foi eleito prefeito de Macapá, também pelo PFL. Em 2000 ele tentou a reeleição, mas ficou em 3º lugar na disputa, que foi vencida pelo então petista João Henrique Pimentel.

 

Essa derrota, entretanto, não tirou Annibal Barcelos do cenário político, tendo sido eleito vereador nas eleições de 2004, com expressiva votação, e ao final do mandato encerrou a sua carreira política.

 

Casado com Maria Cerqueira Barcelos, com quem teve dois filhos, Annibal Barcellos faleceu em 10 de julho de Vítima de insuficiência respiratória, morreu às 3 horas da manha do domingo(14), aos 93 anos, em sua residência em Macapá, capital do Amapá, o Comandante Annibal Barcellos.

 

Seu corpo foi velado por dois dias – domingo e segunda feira – no prédio da Assembleia Legislativa do Amapá, na Av. Fab com a rua Leopoldo Machado, no centro da cidade. Seu sepultamento aconteceu por volta das 12 h da terça-feira(16), no Cemitério Nossa Senhora da Conceição, no Centro de Macapá. Vítima de insuficiência respiratória, o Comandante Barcellos, como era carinhosamente chamado, faleceu na madrugada do dia 16 de agosto de 2011, causando grande comoção.

 

Antes do sepultamento, que aconteceu no Cemitério Nossa Senhora da Conceição, em Macapá, a pedido dele próprio, deputados e oficiais da Marinha prestaram as últimas homenagens ao comandante. O cortejo, do qual participaram milhares de pessoas, passou pela Avenida FAB, Rua General Rondon, Avenida Raimundo Álvares da Costa, Rua Cândido Mendes, Avenida Padre Júlio Maria Lombaerde, Rua General General Rondon e Avenida General Gurjão.

 
Compartilhe:

Tópicos: