Habent sua fata libelli

comentários

Ao ser concretizada a pretensão de se proceder à reativação da Academia Amapaense de Letras, em 1988, recebi a incumbência de cuidar da parte estrutural do Silogeu. Os que promoveram a sua fundação, a 21 de junho de 1953, não chegaram a elaborar o estatuto e o regimento da instituição. De imediato, concebemos o Estatuto e passamos a operar. Atentei para a adoção de um lema para a sociedade literária do Amapá e fui localizá-lo entre expressão latina contidas no “Diccionário Prático Encyclopédico Illustrado Luso-Brasileiro, publicado na cidade do Porto, em Portugal, edição de 1935, sob a direção de Jayme de Seguir. Prendeu minha atenção a expressão “HABENT SUA FATA LIBELLI” usada pelo escritor romano Terencianus Maurus, no século II, correspondendo ao verso 1.286, cujo teor é: “Pro captu lectoris habent sua fata libelli” (Os escritos têm seu destino de acordo com a capacidade do leitor). De modo geral é citada apenas habent sua fata libelli, traduzido como os livros têm seu próprio destino. Pouco se sabe sobre o autor da expressão. Ele teria nascido na Mauritânia, então província romana e compôs um manual em versos sobre presódia e métrica com o titulo” De litteres, syllabis, metria “(sobre as letras, sílabas e metros), aplicado, sobretudo a exemplo de Horácio.

O autor troca de métrica cada vez que trata de um verso ou estrofe diferente. Essa obra, esquecida durante a idade média, foi redescoberta em 1493 e novamente perdida depois de impressa pela primeira vez, em Milão, no ano de 1407. A edição mais famosa é a de Simon de Colores, de 1531. A edição mais recente é de Chiara Cignolo, de 2002. Nessa obra aparece pela primeira vez a expressão latina que ficou famosa; Habent Sua Fata Libelli. Há várias traduções a respeito da expressão, mas todas evidenciam a importância dos livros, que devem estar disponíveis para uso do leitor interessado em se instruir. Que importância tem os livros que permanecem encaixotados em depósitos de bibliotecas públicas? Milhares ou milhões se perderam ou foram jogados fora. Da capacidade do leitor depende o destino dos escritos.

A expressão latina que intitula este artigo é o lema da Academia Amapaense de Letras. A propósito do assunto, vale lembrar as diversas doações de livros que foram feitas para a Biblioteca Pública de Macapá, notadamente no inicio de sua instalação, quando o importante órgão do Governo do Território Federal do Amapá passou a funcionar em um prédio à esquerda do Grupo Escolar Barão do Rio Branco. A mais notável delas corresponde aos livros do médico, literato e político macapaense Acylino de Leão Rodrigues, uma autêntica preciosidade, que foram doados à Biblioteca Pública do Amapá por sua esposa. Ela sabia que a doação era o propósito do ilustre médico e literato, que havia integrado a Academia Paraense de Letras.
Os livros chegaram a Macapá em perfeitas condições, em 1950, após o falecimento do doador. Por ocasião da transferência da Biblioteca Pública, para outro imóvel edificado em frente à Escola Normal de Macapá, edificado no governo do General Ivanhoé Gonçalves Martins, uma boa parte do acervo bibliográfico ali chegou encaixotada e desta forma permaneceu por bastante tempo. Em 1970, o prédio do antigo Senado da Câmara, ao lado da Igreja de São José foi demolido, sendo erguida naquele local outra sede para a Biblioteca. Várias coleções famosas foram transferidas para lá, mas a maioria, em virtude da ação das traças, dos cupins e da umidade tinha sofrido irreparáveis danos. Há muito tempo, nossa Biblioteca Elcy Rodrigues Lacerda não recebe novas obras literárias.

Os livros antigo, que tinham ficado sem as capas ou sofrido desgastes, devido ao incessante manuseio, foram classificados como imprestáveis e descartados. Muitas obras eu recolhi para a Biblioteca Aracy Mont’Alverne, que montei no Conselho Estadual de Cultura. Quem me substituiu na presidência do colegiado extinguiu o acervo.

O valor de uma obra está contido em suas páginas e não nas capas. Mesmo assim, os livros danificados são úteis e o destino deles é ficar à disposição dos que gostam de ler ou precisam pesquisar. Lugar de livros não é dentro de caixas, salas fechadas, sanitários e banheiros. Livros danificados podem ser recuperados.


Memorial antropológico-cultural do Amapá

comentários

O propósito de construir um memorial para Janary Gentil Nunes volta a ganhar força. Há quase dez anos, o falecido deputado Dalton Martins concebeu um projeto relativo à construção de um memorial para homenagear o primeiro governador do Território Federal do Amapá. Depois de ter sido aprovado na Assembléia Legislativa, o projeto foi encaminhado ao governador Waldez Góes para ser sancionado.

Do Palácio do Setentrião a documentação seguiu para a Fundação Estadual de Cultura do Estado do Amapá-FUNDECAP, a fim de ser analisada e receber parecer técnico, que respaldasse a decisão do chefe do executivo. Na época, ocupando o cargo de assessor cultural do citado órgão recebi a incumbência de emitir o importante parecer e o fiz em breve período de tempo. Julguei que, em vez de prender-se exclusivamente a enaltecer os feitos de Janary Nunes, o memorial deveria ter a responsabilidade de recolher, catalogar, registrar e manter sob sua guarda e preservação, objetos e documentos referentes a costumes, crenças, comportamento, organização social, linguística, sociologia, economia, história e geografia humana dos grupos em que se distribuiu o homem amapaense através das épocas. Até uma minuta de projeto-de-lei foi elaborado, mas os poderosos de então preferiram ignorar a propositura. Naquela oportunidade não houve vontade política na sanção do projeto de Dalton Martins, que havia participado da campanha eleitoral do governador. Atualmente, a vontade política existe e tudo parece caminhar para um desfecho feliz.

O lançamento da pedra fundamental do memorial deverá ocorrer na Fazendinha, dia 1º de junho, data do natalício de Janary Nunes. O trabalho desenvolvido por este brilhante amazônida precisa ser mostrado aos amapaenses, sem fantasias e disfarces. Os fatos históricos gerados por ele são suficientemente fortes para reconhecê-lo como gestor de incontestável liderança e ferrenha autoridade na defesa de um ideal, que ele preferiu rotular como “A Mística do Amapá”.

Os amapaenses natos e os que vieram de outras plagas precisam conhecer a história dos pioneiros que fizeram vingar a criação do Amapá como unidade federada. Muitos são os relatos de ilustres brasileiros que conheceram Macapá antes da década de 1940. Boa parte destes relatos ainda está preservada, como o que foi escrito pelo magistrado Inácio de Souza Moita, em 1951. Ele havia atuado como Juiz de Direito da Comarca de Macapá em 1931 e voltava a rever Macapá 20 anos depois: “Estou entusiasmado com o que vi em Macapá. Conheci esta cidade em 1931, quando lá fui como Juiz de Direito da Comarca.

A cidade não era mais que um burgo pobre, abandonado de Deus e dos homens, com uma população mal passando de mil habitantes, duas dezenas talvez de velhos prédios, resto de uma época, já longínqua, de fartura e opulência; no mais, tugúrios, marasmo e miséria, onde tudo atestava tristeza, desânimo e apatia. Aquele burgo pobre de há 20 anos, é hoje um centro de civilização e cultura que se expande, tentacular e ruidoso, em bairros residenciais, ruas largas, praças de esportes, com serviço de luz elétrica que não tem colapsos, quer de dia quer de noite, água encanada e esgotos, estes últimos ainda não terminados, a cargo do Serviço Especial de Saúde Pública-SESP, mediante contrato com o Governo.” Outro testemunho significativo foi dado pelo então Deputado Juscelino Kubitschek, mediante discurso pronunciado no Cine-Teatro Territorial em 1947: “ Há um sentido profundo de brasilidade na obra que aqui se realiza. O homem desta jungle bravia não é um apático e menos ainda um desinteressado pelos destinos de sua terra. Luta, pelo contrário, contra vicissitudes inúmeras e, batido pela desventura da enfermidade e do desconforto, reage com bravura, extraindo de suas forças periclitantes lições heróicas de amor e devotamento à causa da grandeza de nossa Pátria”.

O trabalho que Janary Nunes fez no Amapá deve ser analisado com os olhos da história, sem espaço para revanchismo. Presidindo a PETROBRAS, Janary Nunes mostrou que ela era viável. A primeira refinaria da importante estatal, erguida em Volta Redonda, ocorreu em sua gestão. Antes disso, os abutres políticos não se interessavam pela instituição. Depois deste feito, eles pressionaram Juscelino Kubitschek para alijar o Coronel Janary Nunes. Lhe foi dado, como prêmio de consolação, a nomeação como Embaixador Plenipotenciário do Brasil, na Turquia.


Seu Manuel, o popular “Pau Furado”

comentários

Moreno, corpo esguio e rosto marcado pelo sofrimento, assim era o seu Manuel, um deficiente físico que vivia da caridade pública na cidade de Macapá. Morava em um prédio que fora construído pelo governo do Território Federal do Amapá para abrigar o “Restaurante dos Operários” e servir de abrigo aos que vieram de outras plagas para trabalhar na construção de diversos prédios públicos e que viviam em alojamentos precariamente edificados. Os trabalhadores permaneciam naquele local pelo tempo necessário para construírem suas casas em lotes que a Divisão de Terras e Localização distribuía.

O restaurante acabou sendo rotulado de Barracão dos Imigrantes, ficava na esquina da Rua São José com a Avenida Professora Cora Rola de Carvalho. Pelo centro dessa segunda via pública passava a tubulação do primeiro sistema de esgoto de Macapá. A área era tão alagada que houve foi preciso construir-se pequenos pilares para manter os tubos fora do lamaçal. No inicio seu Manuel usava apenas uma grossa bengala para sustentar a mudança de passo da perna esquerda. Depois se fez imprescindível trocar a bengala por uma muleta relativamente desgastada para poder se deslocar, haja vista que a atrofia da perna esquerda se agravara. Quase não falava e a dentição lhe era escassa.

A despeito de ser deficiente físico, seu Manuel caminhava bastante. Seu ponto preferido para sentar-se e ver o tempo passar era a calçada da residência da senhora Sofia Mendes Coutinho, situada no canto da Avenida General Gurjão com a Rua São José. Ali ficava horas a fio observando tudo que se passava no centro histórico de Macapá. À tarde, quando a maré enchia por volta das 16 horas, seu Manuel deixava a calçada e rumava para o trapiche major Eliezer Levy. Com muito aprumo caminhava sobre a longa ponte até alcançar o ancoradouro frontal. Á época existia na cabeça do trapiche um abrigo coberto destinado a passageiros e cargas miúdas. Era o local onde seu Manuel ficava fitando as águas do Rio Amazonas e acompanhando a chegadas dos reboques a vela provenientes da região das ilhas do Pará, que traziam açaí, frutas e peixe. Tudo era vendido rapidamente aos costumeiros fregueses, principalmente às mulheres amassadeiras do nosso rico e gostoso “petróleo”.

À conta da caridade dos caboclos seu Manuel sempre voltava para o barraco com alguns peixinhos frescos, suficientes para o preparo de um reanimante caldinho. Ele também podia ser encontrado sentado na calçada da Igreja de São José proseando com o amigo Ponciano ou sobre a panela da rede de esgoto da Avenida Cora de Carvalho. Todo mundo se admirava de o ver escalando aquele objeto alto sem pedir a ajuda de terceiros. As crianças que tão bem conheciam seu Manuel não lhe faltavam com o respeito. Algumas evitavam passar perto daquele cidadão desvalido porque os próprios pais diziam que iriam chamar o “Pau Furado” caso os filhos não se comportassem direito. A mesma coisa falavam em relação ao senhor Benedito Lino do Carmo, o Congó. A molecada da Matriz até que tentava tirar um dedo de prosa com seu Manoel, mas ele falava meio embrulhado e somente as pessoas pacientes conseguiam entendê-lo. Se naquele tempo, os políticos distribuíssem dentaduras, a pronúncia do “Pau Furado” seria melhor. Nunca consegui saber de que localidade veio seu Manoel. Algumas pessoas diziam que ele era proveniente da ilha do Marajó e teria contraído paralisia infantil. A origem do seu apelido e o complemento do nome de batismo jamais foram descobertas. Seu Manuel detestava ser apelidado.

No tempo de manga ele fazia a festa. Primeiramente amassava bem a fruta. Depois, chupava a poupa, devorava a casca e fazia um malabarismo tremendo com o caroço dentro da boca. Ao ser jogado fora, o caroço estava branquinho da silva. Seu Manuel residiu no Barraco dos Operários até morrer, no final da década de 1960. O propósito do Governador Ivanhoé Gonçalves Martins em melhorar o aspecto urbano de Macapá mudou completamente o habitat do Pau Furado. O prédio que o abrigava encontrava-se praticamente desativado e não servia mais refeições. Os alimentos necessários a subsistência de seu Manuel continuavam a ser dados por pessoas caridosas, entre elas a Alice Gorda que na época gerenciava um hotel. Foi a Alice Gorda, nossa eterna Rainha Moma, quem providenciou o sepultamento daquele homem que tanto sofreum até desencarnar do verbo.


Torre da Vigia do Rio Curiaú

comentários

Em 1740, o Governador do Maranhão e Grão Pará, Capitão General João de Abreu Castelo Branco, deferiu uma proposta do Capitão Antônio Gonçalves para que construísse as suas expensas, uma fortificação na foz do Rio Curiaú, querendo apenas ser o seu comandante e superintendente dos serviços de fortificação do Grão Pará, com posto vitalício. Como o deferimento implicava em despesas para a Coroa Portuguesa, o governador submeteu a questão à apreciação do Rei D. João V. Através da Carta Régia de 9 de março de 1740,o monarca não acatou a proposta e alegou que a Coroa não poderia correr o risco de ver repetir-se o erro de Francisco de Melo Falcão,que no século XVII se obrigara a construir quatro fortalezas no interior da colônia, executando as obras com imperfeições, utilizando material de má qualidade e sem bom acabamento.

Em Macapá já existia um reduto fortificado erguido em 1738, que se manteve operando regularmente. A obra sonhada pelo Capitão Antônio Gonçalves foi construída em 1761, na foz do rio Curiaú, sobre um estrado de madeira, com a finalidade de fiscalizar um extenso trecho do rio Amazonas, que não era avistado do reduto fortificado da Vila de Macapá. Qualquer aventureiro, que navegasse no sentido da nascente do grande caudal, o faria protegido pela mata e só seria notado quando sua embarcação alcançasse a enseada próxima a Macapá. Em 1761, ainda não havia sido edificada a Fortaleza de São José e a área sobre a qual ela está assentada era ocupada por um Forte de Faxina, construído em três meses, entre o final de abril e o dia 31 de julho de 1761, pelo engenheiro Gaspar João Geraldo Gronfelds, época em que o Grão Pará era governado pelo Capitão General Manuel Bernardo de Melo e Castro.

A função primordial da Torre de Vigia do Curiaú consistia em avisar a guarnição de Macapá sobre a aproximação de qualquer embarcação pela margem esquerda do Amazonas. O aviso seria dado pelo disparo de um tiro de canhão, como acontecia em outras vilas e cidades do Brasil. A prática durou até o final do ano de 1761, por ser julgada alarmista. Ao ouvir o som do disparo, o aventureiro retrocedia e não podiam ser perseguidos, haja vista que, na Vigia do Curiaú não havia barco artilhado.

Os canhões foram retirados e transportados para o Forte de Faxina. Outros procedimentos foram adotados. Durante o dia, uma bandeira seria hasteada. À noite, os soldados da Torre de Vigia soltariam foguetes. Sempre que a guarnição da Torre de Vigia desse um sinal, durante o dia ou à noite, um mensageiro saia à cavalo com destino a Macapá e outro cobria o percurso fluvial na canoa. O contato terrestre entre o Forte de Faxina e a Torre de Vigia do Curiaú era feito através de uma estrada vicinal,por onde,freqüentemente cavalgavam soldados que procediam incursões no arredor norte da Vila de Macapá. Os militares também caçavam escravos fugidos. O percurso por terra se estendia até o local onde despontou a fazenda de criação de gado do Alferes Manuel Antônio de Miranda, hoje identificada como Curiaú de Dentro. Curiaú é um vocábulo indígena, que significa o “comedouro dos curiás”, uma espécie de patos pequenos.

O vocábulo curuá também designa um pato com as mesmas características. Para completar o circuito, os soldados utilizavam um batelão, manejando remos e varejões. A Vigia compreendia uma casa para o corpo da guarda e uma guarita, edificada em cima de um banco de areia, numa distância de 70 braças, equivalente a 150 metros da margem. A ligação entre os dois pontos era favorecida por uma ponte de madeira. Da vigia observava-se longo trecho do Rio Amazonas, que não se vislumbrava do Forte de Faxina, em Macapá.

O comando da Vigia estava entregue a um cabo de esquadra, que tinha sob ordens alguns soldados. As instruções para emissão de avisos à Macapá foram baixadas pelo Coronel Nuno da Cunha Ataíde Verona, comandante da Praça de Macapá, a 26/10/1762. A resposta do aviso ocorreria, de dia, com o hasteamento de uma bandeira e à noite, com um tiro de canhão. Tanto a casa da guarnição, quanto a guarita das sentinelas, ficavam sobre palafitas, com altura suficiente que impedisse serem atingidas pela maré. A Vigia foi mantida em operação até 1908, quando o governo brasileiro resolveu desativar a Fortaleza de São José.Esse relato deixa bem claro o quanto é fantasiosa a propagação de que o Curiaú abrigou um quilombo.


Fantasiosa história de cobra grande

comentários

Narrativas fantasiosas costumam ser feitas por certos órgãos da imprensa. Não é um procedimento raro, principalmente quando determinados jornais divulgam noticias mirabolantes. Na ânsia de aumentar a venda de exemplares, repórteres e redatores não têm o mínimo cuidado de verificar se o fato em destaque realmente aconteceu. Um exemplo disso é a noticia que transcrevo: “Em fevereiro do corrente ano, conforme noticiara a imprensa do país, uma cobra gigantesca do Amazonas ataca o forte de Tabatinga, no Território do Amapá. O Forte, que estava guarnecido e perfeitamente aparelhado para repelir qualquer possível agressão exterior, não sofreu o menor dano, sendo o monstro anfíbio abatido com balaços de metralhadora P-50 instantaneamente.

O gigantesco ofídio media, apenas, 40 metros de comprimento, com 80 centímetros de altura e pesava cerca de 6 toneladas! O cachê, que acima estampamos, apresenta o “Sucurijú Gigante, já sem vida, logo após o inédito ataque à fortificação”. A reportagem cometeu um erro crasso ao localizar o Forte de Tabatinga no Território Federal do Amapá, haja vista que Tabatinga é um município do Estado do Amazonas, situado há mais de mil quilômetros de Manaus, localizado à margem esquerda do rio Solimões, na fronteira do Brasil com o Peru e a Colômbia. Na área onde surgiu Tabatinga, o Capitão-general Fernando da Costa de Ataíde Teive, Governador do Estado do Pará e Maranhão mandou, no ano de 1766, instalar o Forte de São Francisco Xavier, destinado à inspeção das canoas que se destinavam à povoação espanhola de San Pablo de Loreto, no Peru.
O negocio era tão lucrativo, que a Companhia de Comércio do Pará e Maranhão ali implantou uma filial.A partir de 1776, o forte ganhou maior importância devido ao incremento das atividades comerciais na região, Nesta época já havia sido criada a Capitania de São José do Rio Negro, cuja sede foi a antiga aldeia de Mariuá, governada pelo Coronel Joaquim de Melo e Povoa.

O Forte de São Francisco Xavier não resistiu por muito tempo,mas sua ruína não se deu à conta de ataque de Anaconda e sim devido a forte correnteza do rio Solimões.Atualmente, o Exército Brasileiro marca sua fundamental presença em Tabatinga. Curiosamente, no folclore local há uma lenda referente a uma cobra grande parida por uma indígena virgem.A moça morava com os pais em lugar isolado e se dedicava aos trabalhos domésticos.O pai morreu quando ela ainda era criança. Ao atingir a puberdade, a garota começou a sentir acentuado desconforto vendo aumentar sua barriga. Sua mãe ficou perplexa ao ver, na hora do parto, que, em vez de uma criança, uma serpente deslizou entre suas mãos. Mesmo assustada recolheu a neta, colocando-a no fundo de uma cuia, dando-lhe alimentos. Certo dia, não encontrou a neta no terreiro, deduzindo que a mesma havia seguido seu destino. Tal ofídio passou a viver em um lago, relativamente distante de Tabatinga, onde atacava quem se atrevesse a invadir seu domínio. Outro erro cometido pelo autor da matéria em negrito, que transcrevi diz respeito a não citação do ano do ataque da cobra.

O jornalista apenas evidencia que o fato ocorreu “em fevereiro do corrente ano”. Mais adiante, ao revelar dados do animal indicou que a Sucurijú tinha 80 centímetros de altura. Deveria ter escrito 80 centímetros de diâmetro. O verdadeiro autor da matéria jornalística era desinformado à beça. Talvez nem tivesse ouvido falar sobre a Fortaleza São José de Macapá, edificada à margem esquerda do canal norte rio Amazonas, bem perto de o grande caudal desembocar no Oceano Atlântico.

As evidencias me levam a crer que o suposto ataque da cobra aconteceu em meados da década de 1940. Só houve uma ocorrência interessante passada na área externa da Fortaleza de Macapá, correspondente abate de uma onça pintada que por ali transitava. Ela costumava aparecer no Elesbão, provavelmente para comer restos de porcos mortos em um curro. Certo dia a onça apareceu e o alarme foi dado. Usando um fuzil Mauser e posicionado no Baluarte São Pedro, o Guarda Territorial Oton ceifou a vida do felino.


Paisagens de Macapá das décadas de 1930 e 1940

comentários

Essa é uma das mais expressivas paisagens da cidade de Macapá da época em que ela ainda era a sede do município paraense de idêntica denominação. A rua em questão tinha como patrono o tenente e político Antônio de Siqueira Campos, paulista de Rio Claro que se notabilizou na Revolta do Forte de Copacabana em 1922, Levante de São Borja em 1924, Coluna Prestes entre 1924 e 1927 e na Conjuração da Revolução de 1930 que levou Getúlio Vargas ao cargo de presidente da República do Brasil. A Rua Siqueira Campos começava na Travessa Visconde de Souza Franco e se estendia até a Rua São José.

A fotografia foi tirada do meio da avenida, no trecho que hoje corresponde a seu cruzamento com a Rua Vereador Benedito Uchoa. Pelo lado esquerdo de quem observa a imagem merece destaque o prédio da Intendência Municipal, onde atualmente funciona o Museu Histórico Joaquim Caetano da Silva. O imóvel foi construído na gestão do Intendente Municipal Coriolano Finéas Jucá e inaugurado no dia 15 de novembro de 1895. Antes dele vê-se uma casa residencial que pertenceu ao casal Antônio Topson e Emidia Picanço. Nela, já na fase de Macapá como capital do Território Federal do Amapá, funcionaram duas lojas: “A Barateira”, de Hamilton Henrique da Silva, piloto embretado pelo Aero Clube de Macapá, e a “Casa Olímpia”, vendedora de material esportivo, gerenciada por Raimundo Pessoa Borges, o popular Marituba. Ambos eram servidores públicos Pelo lado direito a referência fica por conta da famosa “casa amarela”, cujo proprietário foi o Tenente-coronel da Guarda Nacional Coriolano Finéas Jucá. Após sua morte, o prédio ficou sob gestão do filho Jacy Barata Jucá que o vendeu ao senhor José Pereira Montoril, mais conhecido como Cazuzinha. A casa amarela fazia fundos com o lote pertencente ao casal Leão Zagury e Sara Roffé Zagury.
Nele, estava instalada a Casa Leão do Norte e a residência de seus proprietários. No quintal, no inicio da década de 1950 foi instalada a fábrica do Flip Guaraná, um saboroso refrigerante que fez muito sucesso no Amapá.

Na casa amarela havia um pórtico de entrada com um sótão, um amplo pátio central, inúmeros quartos, cozinha, dispensa e poço amazônico. Os cômodos que faziam frente para a antiga Rua Independência, também chamada Rua de Cima, abrigaram, a partir de 1944, a sede do Amapá Clube e o Bar Elite, do senhor João Vieira de Assis. Logo na entrada do prédio funcionou o “Café Aymoré”, pertencente aos comerciante Francisco Torquato de Araújo (meu genitor) e Francisco Aymoré Batista (pai do cidadão que hoje mantém em funcionamento o estabelecimento de igual nome na Avenida Iracema Carvão Nunes). O gerente do Café Aymoré era o vigiense Carlos Cordeiro Gomes, o popular “Segura o Balde” que depois enveredou pelo jornalismo e integrou a equipe esportiva da Rádio Difusora de Macapá. No tempo que o prédio pertenceu ao meu tio Cazuzinha Montoril, uma senhora advinda da Guiana Francesa, que o povo identificava como madame Charlotte, alugou parte das instalações e nela instalou uma pensão. Vários jovens vindos de Belém, para trabalhar no Território do Amapá residiram nos quartos da casa amarela e compravam alimentação da madame Charlotte. Quando o casal Isnard Brandão e Walkiria Lima se mudou para Macapá, a casa amarela foi o primeiro imóvel que o abrigou. Numa deferência especial do tio Cazuzinha, graças à intermediação de meu pai Francisco Torquato de Araújo, um assoalho foi colocado no sótão.

Uma escada de madeira favorecia o acesso ao novo cômodo. Nesse local o casal Lima e o filho Isnard Brandão Filho moraram por um relativo período de tempo. A via publica que passava em frente a Casa Amarela tinha como patrono o Tenente Siqueira Campos, morto em 1930, quando da ocorrência do levante denominado “Os 18 do Forte”, no Rio de Janeiro.Depois da instalação do Território do Amapá ela mudou de nome duas vezes: Mendonça Furtado e Mário Cruz, o nome atual. A casa amarela foi vendida aos comerciantes Moisés Zagury e Isaac Zagury, que mandaram demoli-la, No local foi montada a oficina mecânica dos carros Ford que vendia. Atualmente, naquela área demora parte da loja 246.


A Pedra do Guindaste – 2ª parte

comentários

Em setembro de 1931, estando exercendo suas atividades na Promotoria Pública do Pará, o Dr. Otávio Meira foi designado para vistoriar todos os cartórios, juizados e prefeituras de Belém até Mazaganópolis. Os municípios de Macapá e Mazaganópolis estavam sob jurisdição do Estado do Pará.É bem pitoresca sua narrativa sobre desembarque e embarque de cargas e passageiros em Macapá, pois ainda não havia sido construído o trapiche da cidade. Segundo o Dr. Otávio Meira, na maré alta, os barcos com menor calado podiam entrar no Igarapé do Igapó ou Bacaba, mas o mesmo não acontecia com os navios, que fundeavam e ficavam ao sabor das ondas. Tornava-se mais prático aguardar a maré baixa, que deixava inteiramente à mostra a Pedra do Guindaste. Em algumas oportunidades, quando a maré estava alta e as águas calmas, usava-se uma embarcação tipo barcaça para receber as cargas dos navios.

Neste caso, elas permaneciam atadas à pedra e uma engenhoca tipo bate-estacas, com moitão/roldana e corda fazia o papel de um guindaste, daí o nome atribuído à formação rochosa. Para vencer o estirão da praia era usado um carro puxado por dois bois. Foi graças aos termos do seu relatório, que o Interventor Federal Magalhães Barata liberou verbas para a construção do primeiro trapiche de Macapá. O Intendente Municipal era o Major Eliezer Levy e a obra teve inicio em 1932. Teve inicio em 1969, as entabulações para a concepção de uma imagem de São José, padroeiro de Macapá e seu assentamento na Pedra do Guindaste. Sem alardes, as partes interessadas, envolvendo Dom José Maritano, Bispo Prelado de Macapá e o Governador do Amapá, General Ivanhoé Gonçalves Martins, tomaram todas as providências cabíveis.

Ninguém contestou o fato de a imagem não carregar o Menino Jesus nos braços e ficar de frente para o rio mais caudaloso do globo terrestre. Devidamente iluminado, a imagem de São José não recebeu a missão de proteger a cidade. Como um importante símbolo do catolicismo ali ficou incólume. Porém, na noite de 23 de setembro de 1973, o navio Domingos Assmar, que fazia linha fluvial entre Macapá/Belém/Macapá foi arremessado contra a pedra, quebrando-a e lançando nas águas agitadas do Amazonas a apreciável escultura.

O proprietário da embarcação assumiu os ônus pelo restauro da imagem e a construção de uma pilastra de concreto, para substituir a Pedra do Guindaste. Novamente entrou em ação o luso-brasileiro Antônio Pereira da Costa, recuperando sua obra de arte. Para erigir a pilastra foi contratada a firma Platon Engenharia e Comércio, então capitaneada por Clarck Charles Platon. Tudo voltou a ficar como antigamente, até o momento em que, apareceram os difusores de uma nova idéia, imediatamente refugada pela comunidade macapaense que preza suas tradições. Pretendiam os arautos do turismo trocar a atual imagem por outra bem maior. Também seria removida a pilastra pioneira por outra de maior diâmetro, da qual partiria uma passarela ligando-a ao trapiche Eliezer Levy. A nova imagem deveria conter o Menino Jesus nos braços e ficar de frente para a cidade.

Estas propostas não foram o ponto que fez despertar o descontentamento popular. Inaceitável foi ignorar o valor histórico da obra concebida pelo escultor e arquiteto Antônio Pereira da Costa, apenas porque ela não tem tamanho exorbitante. Outro erra cometido pelos idealistas malfadados foi dizer que a imagem atual iria ser colocada na frente da Fortaleza de São José. Ora, a frente do monumento bélico corresponde a sua área de proteção patrimonial, onde a escultura seria um “corpo estranho, que não faz parte do projeto de autoria de Henrique Galúcio. Felizmente, as novidades não encontraram guarida no sei da comunidade macapaense. Até praticantes de outros credos não as aprovaram. Ocorre, que a imagem de “São José da Beira Rio” precisa ser protegida e colocada longe de gente fantasiosa. Um processo de tombamento precisa ser iniciado imediatamente.


A Pedra do Guindaste – 1ª parte

comentários

Até o ano de 1723, embora já estivesse em vigor o Tratado de Utrecht, firmado entre Portugal e França a 11 de abril de 1713, que determinava ser luso-brasileira a região da Costa do Cabo do Norte, pretendida pelos francos, estes teimavam em realizar incursões pelo Rio Amazonas valendo-se da amizade estabelecida com os índios Aruan, Tucujú e Aroaqui, que constituíam os três grupos mais perigosos e hostis aos portugueses. No dia 14 de fevereiro do ano supra mencionado, os frades das ordens de Santo Antônio e da Conceição da Beira e Minho, foram encarregados de tentar, mais uma vez, a pacificação dos irredutiveis Aruan.

Foi um passo importante obtido pelos freis João e Bernardino, ambos franciscanos de Santo Antônio, os quais lograram assentar vários povoados nas terras da boca norte do Amazonas e na Ilha do Marajó. Uma série de outras medidas foram tomadas pelos portugueses, mas os franceses insistiram em querer fixar posições na Amazônia Oriental. Portugal erguera o Forte de Santo Antônio sobre as ruínas do Forte de Cumaú tomado dos ingleses, mas o tempo e a falta regular de manutenção aceleraram sua deteriorização levando-o à ruína.

No dia 5 de outubro de 1738, o capitão-general João de Abreu Castelo Branco visitou o Forte de Santo Antônio e comprovou a sua fragilidade. Através de carta endereçada ao Rei D. João V, recomendou a construção de outra fortificação em lugar mais próximo da foz do Amazonas e em área mais ampla. Ainda em 1738, um forte de faxina foi montado enquanto as providências relativas ao levantamento de uma casa forte fosse tomadas, o que não aconteceu por falta de recursos. Pequenos quartéis foram feitos e ocupados por um destacamento comandado por um capitão. Entre 1738 e 1749, ficou bem evidente a necessidade de ser erguida uma grande fortaleza, haja vista que, o reduto artilhado com apenas duas peças de artilharia já demonstrava sérios desgastes.

Os quartéis levantados em 1738 ocuparam espaços no platô de terra firme onde surgiu o povoado de São José de Macapá, na primeira quinzena de 1751, e mais tarde a portentosa Fortaleza de São José, entre 1764 a 1782. O aspecto do litoral onde foi implantado o povoado de Macapá era bem singelo, chamando a atenção dos navegadores e colonizadores uma formação rochosa assentada na margem esquerda do Rio Amazonas, Nada de sobrenatural havia sobre sua existência. Era simplesmente uma pedra, com a mesma matéria encontrada nas falésias do platô da fortaleza. Ela ornou a praia de Macapá até setembro de 1973. Desde 1970 existiu sobre ela uma imagem de São José, esposo de Maria e pai putativo de Jesus Cristo. A importante escultura foi feita pelo luso-brasileiro Antônio Pereira da Costa, natural da Freguesia de Valadares, Conselho Vila Nova de Gaia, Distrito do Porto, em Portugal. Na comunidade de Valadares, as atividades principais concentravam-se na agricultura e na produção de cerâmicas. Antônio Pereira da Costa e seu pai eram ceramistas e escultores de inegáveis méritos, com importantes obras realizadas no Rio de Janeiro, em São Luiz do Maranhão, Belém do Pará e em Macapá.

Na então capital do ex-Território Federal do Amapá, Seu Antônio Costa instalou sua oficina de trabalho no quintal da Augusta e Respeitável Loja Maçônica Duque de Caxias tendo recebido especial autorização de seus irmãos, que sempre o distinguiram como um invulgar “obreiro da paz”. Muitas das suas obras ainda são vistas e admiradas nas cidades de Macapá e Amapá: Grupo Escolar Barão do Rio Branco, Hospital Geral de Macapá, Maternidade Mãe Luzia, Fórum de Macapá, que hoje abriga a Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil, os Leões assentados na frente do citado prédio, a Estátua de Francisco Xavier da Veiga Cabral, em Amapá, o Busto de Tiradentes, o busto do Deputado Federal Coaracy Nunes, na Praça do Aeroporto Internacional Alberto Alcolumbre, o Tempo da Loja Duque de Caxias e a Imagem de São José que ainda permanece sobre um pilar de concreto ereto em meio as pedras menores da antiga formação rochosa derrubada pelo navio Antônio Assmar, em setembro de 1973. Outro leão esculpido pelo Senhor Antônio Pereira da Costa foi encomendado pelo comerciante Hermano Jucá Araújo, meu tio paterno e torcedor apaixonado do Clube do Remo. Pintada de azul, a escultura foi mandada para Belém e instalada no Estádio Evandro Almeida.


Soldados do fogo

comentários

Desde a antiguidade, o homem se preocupou em combater e extinguir incêndios. Na Grécia e em Roma, os soldados que montavam vigilância em pontos elevados tinham a missão de dar o alarme quando sinais de fogo eram observados. Usavam-se baldes e outros recipientes similares para transportar água e o voluntarismo imperava. Na França surgiu uma das primeiras turmas com organização militar denominada “Companhia dos Sessenta Guarda Baldes”, que serviu de modelo para outros países.

No Brasil, até o dia 2 de julho de 1856, a cidade do Rio de Janeiro, sede do Império, existiu o Serviço de Extinção de Incêndios, compreendendo seções instaladas nos Arsenais de Guerra da Marinha, Repartições de Obras Públicas e das Casas de Correções. Na data acima mencionada, o Imperador D. Pedro II baixou o Decreto nº 1.175, extinguindo a instituição anterior, criando e regulamentando o Corpo Provisório de Bombeiros da Corte, cujo primeiro comandante foi o major do corpo de engenharia João Batista de Castro Morais Antas. Em 1880, a corporação passou a ter organização militar e, foram concedidos postos e insígnias aos seis componentes. Com o passar do tempo, equipamentos mais sofisticados foram utilizados, inclusive viaturas mecanizadas. Possuía o Corpo de Bombeiros da Corte, daquela época, 15 bombas manuais, 73 mangueiras de couro, 23 mangotes, 2 sacos de salvação e 240 palmos de mangueiras em depósito.

Os incêndios eram assinalados por três tiros de artilharia de grosso calibre, disparados do Morro do Castelo, com intervalos de cinco minutos e pelo toque do sino grande da Igreja de São Francisco de Paulo e da matriz da freguesia onde ocorria o incêndio. Durante o sinistro permaneceria içada uma bandeira vermelha no mastro do Morro do Castelo, sendo essa flâmula substituída à noite por uma lanterna da mesma cor. O badalar dos sinos obedecia a uma convenção especial. Um certo número de badaladas do sino da Igreja de São Francisco correspondia à freguesia onde o fogo ocorria.
A primeira pessoa que transmitisse o aviso de fogo, com as necessárias indicações, à policia ou a um posto de bombeiros, era premiada com uma gratificação correspondente à importância do aviso. Os proprietários ou condutores de veículos com tração animal eram obrigados a entregá-los aos bombeiros e a emprestar os serviços que lhes fossem exigidos. Os mestres-de-obras tinham de fornecer as ferramentas que possuíssem e as autoridades policiais tinham o direito de requisitar archotes, velas, etc, nas respectivas casas do ramo, se isso se tornasse preciso nos serviços de extinção do fogo. Todas essas requisições eram pagas à vista pelos preços normais, na Repartição de Policia, bom como o aluguel dos veículos e animais porventura utilizados. Em 1954, através do Decreto nº 35.309, o Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil, Getúlio Dorneles Vargas instituiu a data de 2 de julho como dia do Bombeiro. Em Macapá, a partir de 1944, quando foi instalado o governo do Território Federal do Amapá, a ocorrência de um incêndio mobilizava voluntários no seio da comunidade. Baldes de alumínio e latas vazias de querosene e gasolina serviam para captar água de poço, haja vista que não existia água encanada na cidade. Com a criação da Guarda Territorial, o serviço de combate a incêndios lhe foi atribuído, mas todo o equipamento existente era muito precário. A população tomava conhecimento da ocorrência de incêndio através da sirene instalada no alto do prédio da Usina de Força e Luz, inaugurado em setembro de 1945. Foi assim durante um bom período de tempo, até que inventaram de fazer a sirene soar quando um avião sobrevoava Macapá trazendo alguma importante autoridade, principalmente o governador.

A cidade de Macapá, que hoje possui um operoso Corpo de Bombeiros passou por maus momentos com pavorosos incêndios. O embrião da instituição tem origem na Guarda Territorial, com estágio na Prefeitura Municipal de Macapá e na Policia Militar. Em 1992, o antigo Grupamento de Bombeiros ganhou autonomia. Dentre os incêndios que chocaram a comunidade lembramos: o belo iate Itaguary, barris de asfalto depositados atrás da Fortaleza, as duas alas do comércio de Macapá situadas na Rua Cândido Mendes.


No Amapá também ocorre abalo sismico

comentários

O brasileiro costuma dizer que o Brasil é um país abençoado por Deus. Também comete o sacrilégio de dizer que Deus é brasileiro. A qual Deus o brasileiro se refere? Os mais esclarecidos afirmam que Deus, seja qual for a religião, não tem nada a ver com as desgraças que ocorrem no mundo. O planeta Terra está em permanente transformação. Cabe ao ser humano saber conviver com as mudanças, prevê-las, modificá-las, evitá-las e até mesmo minimizar os seus efeitos.
Enganamo-nos em pensar que tremores de terra só acontecem em outros recantos da Terra. Precisamos ter em mente que existe o tectonismo, ou seja, o processo de deformação da crosta terrestre pela formação dos continentes, baias oceânicas, platôs, montanhas, dobras e demais forças internas. As movimentações tectônicas são suficientes para modificar ou alterar a textura original. Tectônica, em grego tektomikés significa “arte de construir” e a natureza é uma grande construtora. Os continentes existentes no globo terrestre nem sempre apresentaram as configurações atuais. Eles não estão presos a um ponto fixo, mas sim flutuam sobre o magma. Qualquer alteração do magma mexe com os blocos continentais. O magma, do grego, magma, compreende uma massa natural fluida, ígnea, de origem profunda, e que, ao esfriar-se, se solidifica, originando a rocha magmática. Todas as vezes que o magma se movimenta os efeitos são sentidos na litosfera, que é a parte externa consolidada da Terra, comumente chamada crosta da Terra. Os efeitos correspondem a sismos, vocábulo grego seismós, que quer dizer abalo. Sismo é o movimento interior da terra, o qual, conforme a localização de sua origem pode produzir ondas mais ou menos intensas, e capazes de se propagar pelo globo.
Segundo registros existentes no Observatório de Metodologia, sediado no Rio de Janeiro, cinco abalos sísmicos já ocorreram na área atual Estado do Amapá.

O primeiro data de 1 de março de 1926 e o segundo de 6 de maio de 1933. Na época o Estado do Pará tinha Jurisdição sobre as terras atingidas e que hoje pertencem ao Município de Oiapoque. Em 1926, existia ali uma população que não excedia a 1.500 almas, a maioria constituída de presos políticos e condenados de Justiça. Os imóveis eram poucos, prevalecendo o uso de madeira na edificação. Em 1933, o vazio demográfico era bem maior.

A falta de um arquivo público no Amapá prejudica qualquer pesquisa que se refira aos dois feitos. Em 1947, precisamente no dia 17 de setembro, deu-se o terceiro abalo sísmico. O jornal “Amapá”, impresso pelo Governo do Território Federal do Amapá, registrou o acontecimento na edição nº237, 3ª página. O Prefeito do Município de Oiapoque, Sr. Roque de Souza Pennafort, comunicou, via telégrafo, ao Governador do Território, interino, Dr. Raul Montero Valdez, que “um forte tremor de terras sacudiu a cidade de Oiapoque, a Vila Militar de Clevelândia, a localidade de Ponta dos Índios e da cidade francesa de Saint George, na Guiana Francesa. O abalo sísmico começou às 2 horas da madrugada e perdurou por 1 minuto e trinta segundos, sendo acompanhado de rumor semelhante ao de um trovão. Os vidros das janelas quebraram e quem dormia em rede correu assustado para a rua.” O Prefeito não tinha como medir a intensidade do abalo.

No dia 24 de abril de 1951, aconteceu o quarto sismo na região do Oiapoque. Roque de Souza Pennafort ainda ocupava o cargo de Prefeito, sendo também o telegrafista local. Imediatamente, ele passou um telegrama ao Governador Janary Gentil Nunes, nos seguintes termos: “Às 21 horas, foi sentido na cidade de Oiapoque, um tremor de terra, cuja duração mais forte chegou a um minuto, sem causar danos físicos aos moradores, mas deixando-os bastante assustados”. A exemplo do abalo sísmico de 17 de setembro de 1949, este último teve fases de intensidade crescente e decrescente e diversas habitações sofreram avarias. O fato foi com comunicado pelo Governador Janary Nunes ao observatório de Meteorologia, que registrou o abalo como tendo atingido 4.3 pontos na escala Richter. Os demais foram considerados do tipo 3.Embora não tenha havido registro oficial, consta que, no mesmo dia a terra também tremeu em Macapá, fazendo muita gente correr para a igreja de São José, a única da cidade.

Em 2 de agosto de 1997, um tremor de terras de baixa intensidade foi sentido em Macapá, assustando as pessoas que se encontravam nos prédios do Centro Cívico Administrativo, Hospital de Pediatria, Hospital Geral de Macapá, Maternidade Mãe Luzia, Colégio Comercial do Amapá, Assembléia Legislativa, Secretaria de Educação e residências edificadas na área. Diversos jornais de Macapá publicaram o acontecido. No último dia 29 de novembro de 2007, uma quinta-feira, às 16h 30 minutos, um terremoto que teve como epicentro o mar do Caribe, a 14 km da Ilha de Martinica sentido no Estado do Amapá, em Belém, na Ilha de Marajó (Pará), em Roraima e no Amazonas. Macapá e Laranjal do Jarí também foram atingidos provocando medo a muita gente. Quem estava em prédios na zona comercial de Macapá procurou deixá-los e ganhar as ruas. Pânico e susto levaram clientes do Banco do Brasil a retirar-se da agência. No vale do rio Jarí, a maior intensidade aconteceu em Munguba, distrito de Monte Dourado.A intensidade do abalo foi superior a 7 pontos na escala Richter.

Em 2005, neste mesmo período, os sismógrafos registraram outro tremor de terras em Macapá, de baixa intensidade e imperceptível pela população. Uma grande indagação desponta neste momento: estamos preparados para conviver com um abalo que provoque desmoronamento de prédios?