Cidades

Joaquim Levy acredita que Congresso vai aprovar MPs do ajuste

Ressaltou que medidas não podem se estender depois de 2015.


Compartilhe:

 

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirmou que acredita que o Congresso vai aprovar a “minirreforma” previdenciária, parte das medidas do pacote de ajuste das contas públicas, que será votada na quarta-feira (6). Ele falou esta noite a jornalistas durante evento do jornal ”Valor Econômico”, em São Paulo.

“Eu acho que o PT já se posicionou a favor das [medidas provisórias] 664 e 665, que são medidas extremamente importantes e não afetam nenhum direito do trabalhador. Ao contrário, fortalecem a previdência social e dão uma disciplina para o seguro-desemprego ficar mais parecido com o [programa social] Bolsa Família”, afirmou Levy.

Agenda ‘AAA’
No evento, o ministro também mencionou a agenda “triplo A (AAA)”, um conjunto de reformas que a equipe econômica pretende implementar a partir de 2016, se o pacote de ajuste fiscal for bem sucedido, com o intuito de promover o crescimento e a retomada do emprego.

Levy ressaltou que pretende acelerar as medidas de ajuste para que não sobrem pendências em 2016 e disse que “postergar [o ajuste fuiscal] não é boa política. “Não queremos empurrar o ajuste para o ano que vem, para que já no próximo ano possamos ter essa agenda de crescimento, a ‘triplo A’ (AAA)”, disse.

Segundo o ministro, essa agenda só poderá ser implementada se o ajuste estiver completo. “Temos temas de infraestrutura, competitividade e melhoria de nossos índices de educação e a mensuração da qualidade dos gastos públicos [como parte dos planos para o crescimento]”, afirmou sobre os planos da equipe econômica após o ajuste fiscal.

O ministro apontou também que o ajuste das contas públicas precisa ser distribuído igualmente entre todos os setores da economia. “Temos que fazer isso sem tirar nenhum direito dos trabalhadores e as empresas terão que se adaptar a uma situação menos cômoda, mas muito mais sustentável no longo prazo”, disse.

A redução da desoneração da folha de pagamento, uma das medidas de ajuste implementadas este ano e que encerraram uma das políticas anticíclicas do governo, deve ser encarada, segundo Levy, como algo permanente mesmo após o reequilíbrio das contas públicas.

 
Compartilhe:

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *