Política

Ala religiosa do bolsonarismo articula chapa conservadora pra disputar Prefeitura de Macapá

Bolsonaristas ligados à igrejas neopentecostais tentam emplacar o nome do pastor Didio pra vice em chapa que seria encabeçada pelo pastor Guaracy Jr.

Compartilhe:

O pastor e empresário Guaracy Junior (PSL), que foi candidato ao Senado nas eleições de 2018, articula nos bastidores uma chapa conservadora que está sendo batizada de chapa evangélica “puro sangue” e pode ter com o vice o vereador de Macapá, pastor Didio Silva (Patriotas). Ambos são lideranças religiosas evangélicas do Amapá.

 

Guaracy Jr ainda não aparece nas pesquisas de intenção de voto, mesmo comandando a direção do PSL, considerado o maior partido da centro-direita do país, após a eleição do presidente Jair Bolsonaro, quando o partido elegeu a segunda maior bancada de deputados federais, perdendo apenas para o Partidos dos Trabalhadores (PT), que o ocupa o campo antagônico de polarização pela esquerda no cenário nacional.

 

Na avaliação dos conselheiros políticos e dirigentes do PSL, uma chapa conservadora pura, pode arregimentar parte importante do eleitor evangélico que votou no bolsonarismo, dando margem para crescer e disputar a vaga da direita no segundo turno, que possivelmente deve ter no campo da centro-esquerda, ex-senador João Capiberibe, que lidera as pesquisas na corrida pelo Palácio Laurindo Banha.

 

Guaracy e Didio: Aliança conservadora

No bastidores, setores religiosos do bolsonarismo tentam articular uma chapa conservadora que pode ter Guaracy Jr como pré-candidato a prefeito de Macapá, mas tentam pleitear o nome do também pastor Didio Silva, que seria indicado pelo Patriotas do ex-presidenciável Cabo Daciolo.

 

Em 2018, Guaraci Jr obteve cerca de 45 mil votos na disputa para o Senado, mesmo sendo desconhecido, mas apostando na base do voto neopentecostal do segmento evangélico, que cresceu diante da onda conservadora que varreu o país e tirou a esquerda do poder após 4 vitória consecutivas do PT e da aliança progressista.

 

Já o pastor Didio Silva teve 8.933 votos em 2018, quando disputou o cargo de deputado federal, ficando como 1º suplente da coligação que elegeu a deputada federal Aline Gurgel (Republicanos). O nome de Didio também cresceu após a ampla exposição como apresentador de um programa de TV no SBT em horário nobre, garantindo ampla visibilidade nas camadas populares por conta da linha policial-comunitária adotada.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *