Política

Ao anunciar agenda política para mulheres, Fátima confirma que MDB regional oficializou sua pré-candidatura ao Senado

Na semana passada, o presidente nacional do MDB, senador Romero Jucá, já havia anunciado durante reunião da Executiva Nacional do partido, em Brasília (DF), o nome da ex-ministra Fátima Pelaes como pré-candidata da legenda ao Senado pelo Amapá, além de Gilvam Borges.

Compartilhe:

ELDEN CARLOS
Editoria Política

A presidente nacional do MDB Mulher, ex-ministra Fátima Pelaes, confirmou no início da tarde desta quarta-feira (11), em entrevista ao programa Café com Notícia (Diário 90,9FM) que o diretório regional do partido, presidida por Gilvam Borges, ratificou durante reunião realizada no último final de semana as pré-candidaturas dela e do presidente regional para disputar o Senado Federal nas Eleições de 2018.

Na semana passada, o presidente nacional do MDB, senador Romero Jucá, já havia anunciado durante reunião da Executiva Nacional do partido, em Brasília (DF), o nome da ex-ministra Fátima Pelaes como pré-candidata da legenda ao Senado pelo Amapá, além de Gilvam Borges.

“No Amapá, nós queremos ter duas candidaturas ao Senado. Uma, pode ser do ex-senador Gilvan Borges, um aliado histórico, mas outra tem que ter a representatividade de Fátima Pelaes, representando as mulheres do partido. Fátima tem um papel muito importante a nível do MDB Nacional; sua atuação no MDB Mulher é marcante, portanto, ela tem todas as condições de ser uma grande senadora”, disse Romero Jucá.

Nos últimos meses houve um imbróglio entre Fátima e Gilvam. “Essa reunião serviu para chegarmos a um consenso sobre as duas candidaturas, e ficou estabelecido que o Amapá está acima de qualquer questão pessoal. Então, o MDB tem fechado Fátima e Gilvan como pré-candidatos, e os nomes serão homologados durante a convenção do partido, marcada para o próximo dia 30”, disse a ex-ministra.


Ainda de acordo com Fátima Pelaes, Gilvan Borges encaminhou à nacional a ata da reunião que ratifica as pré-candidaturas no sentido de que elas sejam homologadas.
Programa Mulheres Transformadoras

Ainda durante a entrevista à rádio Diário (90,9FM) a presidente nacional do MDB Mulher anunciou uma agenda suprapartidária do Programa Mulheres Transformadoras, cujo objetivo é ouvir e incentivar a participação feminina na política.

“Queremos ouvir de dar voz às mulheres. Faremos quatro encontros regionais, sempre com rodas de conversa. A partir disso, iremos elaborar propostas que serão apresentadas para nossos pretensos candidatos. Essa plataforma será defendida por eles. Como se trata de uma ação suprapartidária, queremos receber mulheres – e homens – de todos os partidos”, disse Fátima.

Ela lembrou que o Amapá tem o maior número de mulheres chefes de família do país, a maior bancada estadual feminina, e que isso deve servir como combustível para estimular cada vez mais o envolvimento feminino na política.

Em maio deste ano, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu que os partidos devem repassar 30% dos recursos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) para candidaturas de mulheres.

A criação deste fundo, abastecido com dinheiro público, foi aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente Michel Temer.

De acordo com o Orçamento da União previsto para este ano, o fundo terá R$ 1,7 bilhão para financiar as campanhas.

Ao tomar a decisão, os ministros do TSE responderam a uma consulta formulada por um grupo de deputadas e senadoras.

O TSE entendeu que, no caso de partidos com mais de 30% de candidatas mulheres, o repasse dos valores deve ser proporcional.

A Corte também considerou que o patamar de 30% vale para o tempo de TV e para a propaganda eleitoral no rádio e na televisão.

 
Compartilhe:

Tópicos: