Política

Audiência pública discute aumento de casos de feminicídio no Amapá

Um dos casos mais chocantes registrados em 2018 foi o assassinato da cabo da PM Emily Karine

Compartilhe:

Com o tema “Feminicídio: Um Problema de Todos Nós”, autoridades e sociedade civil compareceram na audiência pública que debateu o aumento de casos de feminicídio no Amapá. A audiência foi requerida pela deputada Cristina Almeida (PSB), membro da Comissão de Direitos Humanos da ALAP, e realizada no Centro de Convenções João Batista de Azevedo Picanço – Plenário provisório da Assembleia Legislativa do Amapá.

Os números do feminicídio no Brasil são assustadores. Dados do Observatório Judicial de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher revela que 13 mulheres são assassinadas por seus companheiros todos os dias. Tema ainda desconhecido, o feminicídio é o assassinato de uma mulher pelo simples fato de ser mulher, por motivos de ódio, desprezo ou pelo sentimento de perda de controle e da propriedade sobre as mulheres.

No Amapá, os números não condizem com a realidade atual do estado de vulnerabilidade feminina, pois muitas mulheres não denunciam as agressões e se mantém no silêncio. Esses casos acontecem há muito tempo e foi amplamente divulgado após a morte da policial Emilly Miranda, que abalou a sociedade.

A parlamentar apresentou dados do aumento de violência contra à mulher e alertou que a sociedade precisa se engajar numa visibilidade diária. “Sou parlamentar e milito nessa questão desde os meus 12 anos, e vejo que temos que aliar o parlamento, governo e a sociedade civil para juntos encontramos um caminho com resultados para estes fatos” ressaltou Cristina.

Juiz titular do Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher, o magistrado Normandes Antônio de Souza citou casos de violência recorrentes e o desafio de todos, destacando a educação. “Se a gente tiver um investimento em massa na Educação, teremos resultados fantásticos”, ressaltou o juiz.

A Promotora de Justiça Marília Augusto de Oliveira Plaza falou sobre as etapas da violência e da importância da rede de atendimento à mulher para fazer os devidos acompanhamentos.

Delegada de Polícia Civil de Oiapoque, Waldelice Carneiro lembrou que é necessário haver uma consciência para a mudança, “A mulher por sua vez deve tomar providencias nos primeiros sinais de violência, orientou a delegada.
Representando a sociedade civil, a militante Maria das Dores (Durica) cobrou o funcionamento da Rede de Assistência à Mulher, que não funciona no estado do Amapá. Destacou ainda que as políticas públicas direcionadas às mulheres devem ser levadas a sério e que tenham continuidade.


O momento que emocionou a todos os presentes foi o pronunciamento de vítimas do feminicídio e de familiares de mulheres que não puderam contar sua história. Exemplo disso foi o depoimento de Rosenilda Sarmento, que teve sua mão decepada e a outra mutilada, relembrou a agressão que passou e disse que só teve acompanhamento do Estado quando o fato foi para a imprensa e debatido pela deputada Cristina, na Alap.

“Não é nada fácil ficar dependendo dos outros para tudo, foi muito triste o que aconteceu comigo. Peço aqui que vocês não passem o que eu passei na minha vida, denunciem. Eu trabalhava de doméstica, e hoje dependo dos outros até para por um sutiã. Quando eu penso em fazer alguma coisa eu olho para a minha mão, que eu não tenho mais”, lamentou a vítima.

Cristina salientou: “A participação de vocês não foi em vão. Dessa audiência pública nós vamos tirar resultados, dentre eles: A disponibilidade de um perito na Delegacia da Mulher, duas vezes por semana; a intermediação para o fortalecimento dos espaços de acolhimento às mulheres vítimas de violência com o aumento de psicólogos e assistentes sociais, bem como melhor aparelhamento das redes de atendimento”, concluiu.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *