Política

Dizendo-se decepcionado, Papaléo diz precisar de estímulo para voltar à política

Papaléo é médico e servidor público federal, atividade que diz estar desenvolvendo atualmente mesmo já tendo tempo de serviço suficiente para se aposentar.

Compartilhe:

Cleber Barbosa – Da Redação

 

O ex senador João Bosco Papaléo Paes, que foi prefeito de Macapá e também vice-governador do Amapá, quebrou o silêncio nesta sexta-feira (24) e concedeu entrevista ao programa LuizMeloEntrevista (Diário 90.9 FM), sobre sua retirada da cena política – após renunciar ao cargo em agosto de 2018. Se disse decepcionado e não vê estímulo para retomar a carreira política.

Papaléo é médico e servidor público federal, atividade que diz estar desenvolvendo atualmente, mesmo já tendo tempo de serviço suficiente para se aposentar.

Indagado pela equipe do programa, ele também não rechaça a possibilidade de voltar. “Somos eternos políticos, mas atualmente para retomar qualquer projeto político precisa de ânimo, esperança, só que do jeito que está a gente vai se inibindo para pensar coisas boas para o nosso estado e o nosso município”, disse ele.

Papaléo disse ainda que vem acompanhando á distância os acontecimentos da política local e nacional e elogiou a desenvoltura de lideranças como Davi Alcolumbre, Randolfe Rodrigues, Lucas Barreto, como os demais integrantes da bancada federal, o prefeito Clécio Luis e sua equipe de governo. “Vamos deixar a turma que está na crista da onda comandar o sistema”, disse, em tom descontraído.

Mas também avalia que esse clima de unidade e entendimento seria o cenário perfeito para que ele próprio estivesse colaborando. “Esse é o meu espírito para fazer política, agindo para a conciliação e pensando na coletividade, sem aquela individualidade de cada um querer se sobressair mais que o outro, tem que entender que isso não leva a sociedade adiante”, prega.

Por fim, Papaleo comentou sobre a atitude extremada de renunciar ao mandato de vice-governador. Mais sereno do que naquela ocasião, disse não guardar mágoa de ninguém, admitindo apenas ter ficado decepcionado e entristecido com o desfecho. “Fiquei abalado emocionalmente na ocasião, pois jamais esperava uma ação inesperada que me excluiu do processo eleitoral do ano passado e não pude me candidatar a nada”, disse ele, que entretanto afirma não fazer apologia à máxima do quanto pior melhor, pois considera isso “uma lástima”.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Um comentário em “Dizendo-se decepcionado, Papaléo diz precisar de estímulo para voltar à política”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *