Política

Economista mostra que o Brasil é um país inviável

Jurandil descreveu que em 1966, no início do governo militar, foi emitida a Lei 4.320, para controlar as despesas do país, que experimentava uma hiperinflação.

Compartilhe:

O economista Jurandil Juarez registrou, neste sábado, 16, na Rádio Diário FM 90,9, que esta não é a primeira vez que o governo brasileiro disciplina os seus gastos em meio a uma crise econômica.

Jurandil descreveu que em 1966, no início do governo militar, foi emitida a Lei 4.320, para controlar as despesas do país, que experimentava uma hiperinflação.

No ano 2.000, lembrou o economista, o Brasil teve a eclosão da Lei de Responsabilidade Fiscal, também para disciplinar gastos.

Jurandil Juarez ressaltou que a diferença entre as duas medidas e a agora já aprovada em primeiro turno pela Câmara dos Deputados (PEC 241) é que aquelas foram através de leis ordinárias, e a atual é para vigir na Constituição Federal.

“Colocando na Constituição, estamos dizendo pra nós mesmos que somos completamente irresponsáveis, que agente tem que colocar na Constituição uma coisa que deveria ser e é, nos países sérios, apenas um demonstrativo da boa governança, ou seja, que a gente não sabe gastar aquilo que é de todo mundo”, disparou o economista.

Demonstrando a tal irresponsabilidade, Jurandil mostrou que o Brasil, hoje, está envolto num gravíssimo problema de despesa, tendo que gastar, só em 2.016, R$ 170 bilhões a mais do que foi arrecadado.

“Se fizermos uma comparação, isso vai dar 34 anos de orçamento do estado do Amapá. Então, é uma coisa extraordinária se considerarmos que há três anos tínhamos um superávit, ou seja, em vez de gastar mais do que arrecadava, arrecadávamos mais do que gastávamos”, descreveu o economista.

Jurandil Juarez também mostrou que comoa projeção para 2.017 é de R$ 130 bilhões, significa que em dois anos, o país vai gastar, a mais, R$ 300 bilhões.

O economista fez uma projeção: “Os juros básicos, que pagaremos por isso, se forem 10%, vamos gastar R$ 30 bilhões só de despesa a mais que fizemos em dois anos”.

Em seguida, Jurandil Jurandez foi ainda mais drástico: “Isso é um país inviável; se fosse uma empresa já teria falido há muito tempo”.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *