Política

Força-tarefa informa Davi sobre restabelecimento da energia no Amapá

Presidente do senado foi informado pela ONS e pelo ministério de Minas e Energia que o sistema foi normalizado às 4h34 da manhã de hoje (24).

Compartilhe:

Na madrugada desta terça-feira (24), no Amapá, a carga de energia foi restabelecida com o funcionamento de dois transformadores. A operação foi fruto de um grande esforço conjunto de trabalho para tirar os amapaenses do sofrimento.

O presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre (Democratas-AP), monitorou todo o processo e reforçou que “o sistema energético do Amapá é falho e não é algo que se resolva num estalar de dedos”.

Segundo Davi, os técnicos explicam que o sistema não está livre de instabilidades, já que o problema energético é estrutural. “Mas podemos afirmar que a partir de hoje o Amapá está fora do racionamento”, disse Alcolumbre.

Davi, mais uma vez, agradeceu todo o empenho da equipe técnica. “Quero aqui registrar o meu reconhecimento aos homens e mulheres que trabalharam nesse período extremamente difícil da história do Amapá: homens da Força Aérea, da Marinha, do Exército, Ministério das Minas e Energia, técnicos da Eletronorte, especialistas, engenheiros, eletricistas, cozinheiros, motoristas, trabalhadores da balsa, do parque térmico, da subestação. Enfim, agradeço a todos os homens e mulheres que trabalharam dia e noite, e de madrugada também, para que o Amapá saísse dessa situação”, pontuou Alcolumbre.

Davi reforçou que todos trabalharam cumprindo com o seu dever e que as investigações continuarão para que os responsáveis sejam exemplarmente punidos com todos os rigores da lei. “Muitos dizem que era o mínimo que podíamos fazer. Quero dizer, entretanto, que me empenhei ao máximo. E, por todo o sofrimento causado ao nosso povo nos últimos 20 dias, os culpados terão que aparecer. Responsáveis terão que ser punidos. Alguém deixou de fiscalizar, alguém falhou, alguém errou. Então, isso precisa ser investigado e exemplarmente punido”, finalizou o presidente do Senado.

 

 

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *