Última hora Polícia Política Cidades Esporte
Diário Destaque

Gilberto Laurindo é lançado ao Senado e declara apoio a Jaime Nunes ao Governo do Estado

Empresário do agronegócio será o nome do Patriota Amapá para a disputa por uma cadeira no Senado federal.


Cleber Barbosa, da Redação

O Diretório Regional do Patriota no Amapá fez na noite de sábado (14) um evento de apresentação de seus pré-candidatos nas eleições de outubro deste ano, num espaço de recepções na zona sul de Macapá. Dentre caras novas para a disputa para a Câmara dos Deputados e a Assembleia Legislativa, o partido lançou o nome do engenheiro agrônomo e empresário Gilberto Laurindo como postulante ao Senado Federal.

O Patriota não deverá ter candidatura própria ao Governo do Estado e chancelou apoio ao empresário Jaime Nunes (PSD), amigo pessoal e aliado histórico de Laurindo, que fez questão de convida-lo a participar do evento. Jaime fez um discurso em que hipotecou votos de boa sorte a Gilberto. “Fico muito feliz em ver um nome como o seu nessa disputa pelo Senado Federal. A gente precisa de pessoas que tenham caráter, que tenham honra, que tenham vergonha e que realmente se candidatem para ser representantes do povo e não se si próprios”, disse Nunes.

Na ocasião, foram apresentados os possíveis nomes da nominata a deputado federal e deputados estaduais, com a maioria presente e proferindo discursos.

No discurso mais aguardado da noite, Gilberto Laurindo falou sobre a construção desta pré-candidatura, uma trajetória que traz inquietações desde os tempos de movimento estudantil, no curso de Engenharia Agronômica. Ele relembrou sua trajetória por diversas entidades representativas do associativismo no Amapá, como Associação Comercial e Industrial do Amapá (ACIA), Federação do Comércio (FECOMÉRCIO), Conselho do Sebrae Amapá e na Junta Comercial do Amapá (JUCAP), como também uma longa trajetória no setor produtivo, como produtor rural.

Ele disse que assim como tantos outros segmentos, como o madeireiro, o da mineração e a agricultura, todos padecem da mais grave crise que já enfrentaram no estado, onde o poder público adotou uma postura proibitiva e um ambiente hostil onde até plantar alimentos passou a ser proibido, o que para Gilberto atende a uma grave e sistêmica engrenagem. “Quero aqui combinar com o Jaime que a partir do ano que vem vamos dar um fim nessa indústria da pobreza no estado do Amapá, bora avançar gente!”, discursou em frente ao pré-candidato a governador.

Por fim, ele agradeceu aos pré-candidatos que se filiaram ao Patriotas e se habilitaram ao pleito eleitoral de outubro com o mesmo propósito de ajudar a protagonizar as mudanças que o Amapá tanto necessita. “Nossa ideia era realmente reunir candidatos que não tivessem mandato, só gente nova, para um propósito novo, estamos querendo fazer aquele aceiro, separando de um lado as pessoas que querem o bem do Amapá e deixar para o outro lado o povo que quer os bens do Amapá”, ponderou Laurindo em sua manifestação.


Comente