Política

Mais de 200 agricultores familiares do Amapá são beneficiados com nova chamada do PPI

Ao todo, o programa agora alcança 1.270 agricultores de 63 entidades agrícolas, com produções voltadas à mandioca, manejo de açaizais nativos, recria de camarão regional, fruticultura, piscicultura e produção de hortaliças.

Compartilhe:

Railana Pantoja
Da Redação

Foi com muita festa que o Governo do Amapá assinou convênios e entregou novos cheques aos beneficiários do Programa de Produção Integrada de Alimentos (PPI) nesta quarta-feira (13).

 

Ao todo, agora o programa alcança 1.270 agricultores de 63 entidades agrícolas, com produções voltadas à mandioca, manejo de açaizais nativos, recria de camarão regional, fruticultura, piscicultura e produção de hortaliças. “É o fortalecimento direto da agricultura familiar. Começamos a trabalhar nesse projeto em janeiro de 2021, pensando no pós-pandemia e chegamos exatamente na hora do calendário agrícola. Fizemos um aprofundamento daquilo que o Amapá já domina, em termos de tecnologia para produção, e com a certeza de que essa produção terá mercado certo”, falou o governador do Amapá, Waldez Góes.

Waldez anunciou que ainda nesta semana vai encaminhar um Projeto de Lei à Assembleia Lesgislativa do Amapá (Alap), para que possa regularizar a situação de outros agricultores familiares e estes sejam atendidos pelo PPI. “Já vamos trabalhar o projeto de 2022, não nos falta orçamento, o que está faltando é fazer a regularização de muitos agricultores que, por erros em gestões passadas, ficaram inadimplentes, são cerca de 1.500 trabalhadores rurais da agricultura familiar. O PL vai fazer a anistia desses trabalhadores rurais e com isso aprovado em lei, através de organização social, eu possa reinserir os agricultores nessa nova estratégia do PPI. Para o ano que vem, pensamos em projetos para três mil famílias”, detalhou.

Nesta nova etapa, 200 agricultores, de cooperativas de oito comunidades rurais do estado, foram alcançados. Segundo o secretário de Desenvolvimento Rural, Janer Gazel, o programa em breve será expandido e ofertará mais benefícios aos agricultores familiares. “Inicialmente estamos com esses recursos chegando aos agricultores. Depois, nós temos projetos saindo do papel e indo para a PGE. São as casas de forno para produção de farinha; mini-patrulha mecanizada para os agricultores; o Amapá Cacau; e o Promebu, que é um projeto de melhoria do rebanho de búfalo”, finalizou Janer Gazel.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *