Política

Para Capiberibe, acompanhamento popular acelerou pavimentação de avenida no bairro Morada das Palmeiras

Senador, que é autor de proposta obrigando divulgação de obras públicas em grupos nas redes sociais, inaugura a obra na tarde desta sexta-feira juntamente com o prefeito Clécio Luís.

Compartilhe:

O senador João Capiberibe (PSB) atribuiu ao acompanhamento da obra presencialmente e através de um grupo de WhatsApp especialmente criado para esse fim, a celeridade, eficiência e economia de recursos na pavimentação da Avenida das Oliveiras, no bairro Morada das Palmeiras (Zona Norte de Macapá), o que o inspirou para a apresentação de um projeto de lei já aprovado no Senado e tramita atualmente na Câmara obrigando todos os entes públicos a instalarem o aplicativa nas redes sociais.

“Eu convidei e os moradores aceitaram criar um grupo específico para acompanhar toda a evolução da obra de pavimentação da Avenida das Oliveiras e isso garantiu ganhos extraordinários, tanto em termos de economia de recursos, porque ainda sobraram R$ 65 mil de R$ 1,5 milhão que disponibilizei através de emenda parlamentar, mais R$ contrapartida de R$ 62 mil da prefeitura de Macapá, ferramenta que também está sendo utilizada com sucesso em outras obras, o que inspirou a apresentar um PLS (Projeto de Lei do Senado) que foi aprovado no Senado e já chegou à Câmara tornando obrigatório o aplicativo para permitir à população o acompanhamento de todas as obras públicas, complementando a Lei Complementar nº 131, de 2009, a Lei da Transparência”, explicou.

Através de grupos nas redes sociais, segundo o senador, a população pode acompanhar desde a o empenho da emenda até a entrega das obras: “A disponibilização das informações permite um acompanhamento efetivo de todo o processo, tanto que quando a emenda foi empenhada nós comunicamos ao grupo e postamos o comprovante; quando o ministério da Defesa repassou o dinheiro nós postamos o comprovando e eles se animaram e participaram diretamente do processo de licitação, da discussão e até mesmo contestando valores. Isso permite a execução célere da obras, evitando o que acontece com várias obras que estão paradas em Macapá, embora com dinheiro em conta, como o Estádio Glicério Marques e a UBS do bairro Congós”.

Candidatura
Perguntado se vai ser mesmo candidato ao governo, Capiberibe disse que só vai tomar uma decisão quando a promotora de justiça Ivana Cei responder ao seu convite para disputar o pleito: “Estou aguardando a resposta da doutora Ivana Cei para poder tomar um decisão. Se a resposta for positiva, ela será a candidata e eu irei à reeleição, mas no caso de ser negativa nós vamos discutir internamente no PSB e com outros partidos que vão marchar conosco para definir nome, e nesse caso eu vou colocar o meu nome à disposição.

 

Instado a comentar sobre como ficará o cenário político para a disputa da presidência no caso de Lula não puder mesmo ser candidato, o senador lamentou essa possibilidade e revelou que foi convidado, mas declinou do convite para ser o pré-candidato do PSB ao Palácio do Planalto: “Eu estive em Porto Alegre durante o julgamento manifestando apoio ao direito do Lula se candidatar, porque eu acho que não tem melhor juiz que o povo para julgar o político, afinal, 140 milhões de pessoas julgam melhor que três juízes. Eu me levantei em favor da democracia, defendi o direito do Lula, do Temer, do Bolsonaro e qualquer outro se candidatar em nome da democracia.

Perguntado qual dos candidatos já lançados para a disputa presidencial, o senador revelou que foi convidado, mas declinou do convite para ser o pré-candidato do PSB ao Palácio do Planalto: “Nós estamos construindo uma plataforma reunindo PDT, PSB, PT, PSOL e PcdoB. São cinco partidos trabalhando para que mais na frente a gente possa reunir e definir entre as candidaturas postas para construir uma unidade em torno de um único nome. É muito importante todos os setores estarem comprometidos com a democracia, que marchemos unidos já no primeiro turno. Nós tivemos reunião na última quarta-feira com esses partidos e há um debate dentro do PSB em nome do Joaquim Barbosa (ex-ministro do STF) e o Beto Albuquerque (vice-presidente nacional do partido), do Rio Grande do Sul. Inclusive tem indicação de vários movimento do meu nome, mas isso está fora de cogitação, eu não me apresento para isso porque o meu voto político é no Amapá, minha discussão é em torno da unidade, e logo após o carnaval nós vamos lançar um manifesto por essa unidade, em defesa da soberania nacional, dos interesses nacionais, da democracia e contra a reforma da previdência”.

 
Compartilhe:

Tópicos: