Notice: Undefined variable: fbImagem in /home/diarioap/public_html/wp-content/themes/diariodoamapa/header.php on line 12

Artigos

Adrimauro Gemaque – Articulista

Se 2014 não foi bom para a economia, não será diferente em 2015   O ano de 2015 está se aproximando e promete ser turbulento na economia, pois o ciclo da crise econômica do capital de 2008 ainda não se fechou. Essa fez com que os governos aprofundem seus projetos neoliberais, enquanto as ditaduras por […]

Compartilhe:

Se 2014 não foi bom para a economia, não será diferente em 2015

 

O ano de 2015 está se aproximando e promete ser turbulento na economia, pois o ciclo da crise econômica do capital de 2008 ainda não se fechou. Essa fez com que os governos aprofundem seus projetos neoliberais, enquanto as ditaduras por todo o mundo arrocham os salários com política fiscal dura.

Aqui no Brasil, fazendo uma retrospectiva do governo Lula de oito anos, teve méritos e deméritos bem sensíveis. Como mérito maior está o de ter seguido, rigorosamente, a política de Fernando Henrique Cardoso em matéria econômica. Esta ação política conseguiu empreender um desenvolvimento historicamente reclamado por diversos setores sociais. No entanto, o crescimento econômico do Brasil não conseguiu se desvencilhar de velhas práticas econômicas como as dos governos anteriores. A manutenção de determinadas ações políticas foram alvo de duras críticas. No ano de 2005, o governo foi denunciado por realizar a venda de propinas para conseguir a aprovação de diversas medidas de interesse próprio.


No governo de Dilma, não foi diferente. As medidas econômicas neoliberais continuaram a serem implementadas, e também ocorreram denúncias de corrupção. Por fim, conseguiu a sua reeleição com uma margem pequena de votos. O discurso da campanha foi um e o que estamos constatando, ainda antes da posse, são práticas distantes do que foi prometido. Foi um rompimento com o que foi pregado nos palanques.

Está sempre na ordem do dia do governo atual o tema distribuição de renda. Pura balela. São diversos os fatores que contribuem para a classificação do Brasil entre os países com os piores níveis de distribuição de renda do mundo. As desigualdades sociais no Brasil são muito grandes e, apesar de toda a falácia do governo do PT, avançamos pouco nesta área. Senão, vejamos dados divulgados pela ONU, mostram a concentração de renda em nosso país. Em 2008, para cada 1 dólar destinado aos 10% mais pobres, 51,3 dólares são destinados aos 10% mais ricos. O nível é comparável a países como Guatemala (US$ 48,20), Panamá (US$ 57,50) e El Salvador (US$ 57,50), o que mostra o quão privilegiadas são as elites em nosso país.

Quando analisamos o desempenho da renda per capita no Brasil por estados, percebemos que existe um hiato entre as unidades da federação. A unidade da federação que apresenta o menor valor é o Maranhão (R$ 360,34), enquanto o maior valor fica com o Distrito Federal (R$ 1.715,11). Também as políticas públicas de combate à pobreza e à desigualdade não são suficientemente efetivas para a reversão das mazelas sociais. Menos de 10% da população adulta têm Ensino Superior no Brasil, frente à cerca de 25% nos países avançados (segundo dados do IBGE e OCDE).

Outro dado refere-se ao seguro-desemprego que não contempla a massa de trabalhadores informais e tem duração e remuneração muito limitadas em nosso país. Outro fator que contribui com o hiato social é a falta de investimentos no setor de saúde pública, onde o Brasil mantém distante dos níveis adequados uma série de indicadores da Organização Mundial de Saúde. Assim, o acesso à saúde ou à educação é extremamente desigual: quanto mais rica a pessoa, maior a possibilidade de acesso a serviços de qualidade. A expansão da rede privada de saúde e de educação básica e fundamental foi acompanhada, na contramão do desenvolvimento histórico, de um sucateamento do serviço público nesses setores, ampliando consequentemente as desigualdades.

 
Compartilhe:

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *