Cidades

Operação vai imunizar 1,2 mil pessoas em comunidades de difícil acesso no Amapá

Ação entre GEA e FAB chegará a localidades de Oiapoque, Amapá e comunidades indígenas de Pedra Branca do Amapari.

Compartilhe:
A partir de terça-feira, 10, cerca de 1,2 mil pessoas de cinco comunidades de difícil acesso no Amapá deverão atualizar suas cadernetas de vacinação em uma nova edição da Operação Gota. O Governo do Amapá coordena, juntamente com a Força Aérea Brasileira (FAB) e Ministério da Saúde, a ação, que visa atender a populações ribeirinhas, indígenas e rurais.

Na segunda-feira, 9, uma reunião definirá os últimos detalhes do operativo, entre Superintendência de Vigilância em Saúde, FAB, Distrito Sanitário Indígena (Dsei) e prefeituras dos municípios de Oiapoque e Amapá. O encontro será no auditório da SVS, em Macapá, às 16h.

Ainda neste ano, a Operação Gota chegará às seguintes localidades: em Oiapoque, às comunidades de Vila Velha, Vila Brasil e Ilha Bela; e, no município de Amapá, aos distritos do Sucuriju e Bom Jesus.

A SVS enviará, em um avião da FAB, todas as vacinas do Calendário Nacional de Vacinação, das diversas faixas etárias. Serão desenvolvidas atividades também nas seguintes comunidades indígenas do município de Pedra Branca do Amapari: Mukuru, Ywyrareta, Aruwaity, Najaty.

De acordo com a chefe da Unidade de Imunobiológicos da SVS, Andréa Marvão, além da distribuição de vacinas e seringas, o Estado fará a supervisão técnica da operação, que será executada pelas equipes dos municípios e da saúde indígena.

“A exemplo dos anos anteriores, a chegada do poder público até essas comunidades é a efetivação da cidadania dessas pessoas, que ganham qualidade de vida ao serem imunizadas em diferentes tipos de doenças”, destacou o superintendente da SVS, Dorinaldo Malafaia.

 

Operação Gota

A Operação Gota é parte do Programa Nacional de Imunização, do Ministério da Saúde, e teve início em 1993, após a notificação de surtos de sarampo em populações indígenas.

Desde então, a ação se consolidou no país como uma ação imprescindível para a realização de multivacinação em áreas de difícil acesso.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *