Política

Cesein muda da ‘”água pro vinho”, diz juiz de direito

Luciano Assis, da Vara da Infância e Juventude, afirma que ambiente no local está muito melhor do que era até no ano passado

Compartilhe:

“Uma mudança da água pro vinho”. Assim o juiz da infância e juventude, Luciano Assis, descreveu, na manhã deste sábado, 18, o atual ambiente do Cesein, em relação ao ano passado.

Luciano, em 2016, descrevia o local onde adolescentes masculinos autores de crimes são recolhidos como um ambiente sisudo, com ar policialesco e sentimentos de ódio e indignação.

O juiz também lamentava as sucessivas fugas ocorridas no Cesein, bem como as intermitentes rebeliões e conflitos internos com a polícia e educadores.

Luciano Assis falou no programa Togas&Becas (Rádio Diário FM 90,9), apresentado pelos advogados Wagner Gomes e Ewaldir Mota.

O magistrado registrou que a mudança positiva no Cesein pode ser vista no prédio, na feição das pessoas que lá trabalham e no próprio comportamento dos internos, nos quais não mais se vê o ódio e o desejo de vingança.

“Agora, os meninos dão bom dia, boa tarde ou boa noite para quem chega; eles têm os lemas ‘chegamos pela porta da frente, e sairemos pela porta da frente’, e “estávamos na escuridão, mas agora vamos sair para o claro”, descreveu Luciano Assis.

O juiz analisou que o ambiente no Cesein não atingiu uma zona de conforto, mas de relativo controle por parte da administração. Ele chegou a dar parabéns à direção do local.

Empolgado com o que descrevia, Luciano Assis revelou que participou, no Cesein, da primeira formatura do Ensino Fundamental da escola que lá funciona. Foi a primeira solenidade dessa natureza durante os 19 anos da existência do estabelecimento educacional.

“Os meninos fizeram apresentação de música em linguagem de sinais e também apresentaram peça de teatro”, descreveu o magistrado, referindo-se à formatura, para em seguida registrar que no Cesein há aulas de violão, oficina de música, bicicletas ergométricas para exercícios físicos e uma sala de pingue pongue.

“Toda segunda ou quarta-feira eu vou lá jogar pingue pongue com a garotada”, informou o juiz Luciano Assis, recordando que no ano passado ele e soldados do Bope chegaram a ter conflito com os internos, sendo preciso a utilização de armas não letais para conter os ânimos.

Concluindo, o magistrado informou que atualmente os internos no Cesein são 75. No ano passado eram 110. São 25 adolescentes em cada um dos três blocos do estabelecimento. Cada alojamento abriga cinco meninos. Luciano disse ainda que recebeu informação da direção do estabelecimento de que todos os adolescentes liberados nos últimos meses não reincidiram.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *