Política

Considerada foragida da Operação Sindicus, ex-deputada Jozi Araújo pede liberdade provisória na Justiça Federal

Deflagrada no final de maio, a operação desarticulou uma organização criminosa que comandava sindicatos fantasmas

Compartilhe:

Paulo Silva
Editoria de Política

A ex-deputada federal Jozi Araújo, que está com prisão preventiva decretada desde o mês passado pela Justiça Federal do Amapá, e é considerada foragida, ingressou com um pedido de liberdade provisória com ou sem fiança, situação que será decidida pelo juiz Jucélio Fleury Neto. O pedido foi protocolado no dia 21 deste mês, e nesta segunda-feira (24) foi encaminhado para parecer do Ministério Público Federal (MPF).

Jozi Araújo, seu pai, João Mariano do Nascimento, e Jonatas Bezerra Lisboa, presidentes de sindicatos fantasmas, são considerados foragidos pela Polícia Federal. O trio tem mandado de prisão preventiva em aberto desde a deflagração da Operação Sindicus, em 28 de maio. A atuação conjunta da PF e do Ministério Público Federal buscou desarticular organização criminosa chefiada pela ex-parlamentar que visava assumir, novamente, o controle da Federação das Indústrias do Amapá (Fieap) utilizando sindicatos fantasmas. João Mariano e Jonatas Lisboa já tiveram  pedido de revogação de prisão negado.

A atuação da organização criminosa foi iniciada em 2013, ano em que Jozi Araújo venceu as eleições para a presidência da Fieap. Até 2017, o grupo havia desviado mais de R$ 300 mil em contribuições sindicais. Os envolvidos no esquema são réus em ações propostas pelo MPF. Eles respondem na Justiça Federal do Amapá, na esfera cível, por improbidade administrativa, e na penal, por organização criminosa, falsidade ideológica e peculato. A Justiça do Trabalho também impediu a atuação dos sindicatos fantasmas. Contrariando as medidas judiciais, a organização criminosa chefiada por Jozi Rocha e seus familiares, continuou a atuar em 2019. Contando agora com novos integrantes, o grupo voltou a se articular para se inserir, novamente, de forma ilícita, na instituição.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *