Política

Nogueira diz que decisão excluindo chapa do PT a deputado estadual será revertida em Brasília

Presidente da sigla do Amapá insiste que Lula permanece candidato e caso se mantenha no páreo ganhará no 1º turno. Em caso de Haddad ser o candidato, ele diz que vitória ocorrerá no 2º turno.

Compartilhe:

Em entrevista concedida nesta segunda-feira (03) ao programa LuizMeloEntrevista (DiárioFM 90,9) o presidente do PT no Amapá, Antônio Nogueira, afirmou que a decisão do juiz eleitoral Rogério Funfas indeferindo pedido de tutela de urgência para garantir a chapa de deputados estaduais na disputa das eleições de 7 de outubro, já era esperada, porque já era previsível o seu posicionamento. Segundo ele, o pedido feito ao juiz só atendeu ao rito processual, para permitir a subida do recurso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

 

“Esse pedido só foi feito para atender ao rito processual para permitir o recurso ao TSE, porque o posicionamento do juiz Rogério Funfas já era conhecido; foi feito só pra atender formalidade lega, tanto que foi uma decisão monocrática, não colegiada. Mas não tenho dúvida que o PT estará inteiro disputando a eleição porque a pendência com relação à prestação de contas está resolvida”, ponderou.

 

Perguntado se Fernando Haddad vai herdar os votos do Lula na corrida presidencial, Nogueira insistiu que a candidatura do ex-presidente permanece e disse acreditar que será mantida por decisão do STF, e que, caso mantido na cabeça de chapa, vencerá no 1º turno. Caso, entretanto, ele seja substituído, o petista ganhará no 2º turno. “De qualquer maneira temos até o dia 10 para a definição do quadro, mas creio que o Lula vai permanecer na disputa”, previu.

 


Comentarista política do programa, o cientista político Silvio Sousa disse não acreditar que Lula permanecerá como candidato a presidente e que será substituído por Haddad. Ele avaliou, entretanto, que o recurso do PT não vai prosperar e que a demora do partido de substituir Lula poder causar prejuízos ao desempenho do partido.

 

“Vai chegar uma hora que não vai dar mais para viabilizar transferência de votos para o Haddad, e a tendência é que os votos dele sejam fragmentados. As pesquisas apontam que 39% das pessoas que votam no Lula declaram voto ao Haddad, mas 69% dizem que votam no Lula, mas não votam no PT; por outro lado, temos que levar em conta que essas mesmas pesquisas mostram que, em caso de Lula não concorrer, os votos dele serão fragmentos entre a Bolsonaro 9PSL), Marina (REDE) e Ciro (PDT)”, analisou Silvio Sousa.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *