Dom Pedro Conti

O Pêndulo

O relojoeiro ia consertar o pêndulo de um relógio quando, para sua surpresa, ouviu o pêndulo falar.

– Por favor, senhor, deixe-me em paz – implorou o pêndulo – Será um ato de bondade de sua parte. Pense no número de vezes que terei que tiquetaquear dia e noite. Tantas vezes por minuto, sessenta minutos por hora, vinte e quatro horas por dia, trezentos e sessenta e cinco dias por ano. Ano após ano… Milhões de vezes de tique-taques. Eu não aguentaria. Mas o relojoeiro respondeu sabiamente:

– Não pense no futuro. Faça apenas um tique-taque por vez e desfrutará cada um deles, o resto da vida.

E foi exatamente isso que o pêndulo decidiu fazer. E continua a tiquetaquear com alegria.

No primeiro domingo de novembro, todo ano, celebramos a solenidade de Todos os Santos e Santas. Escutamos novamente o evangelho das Bem-aventuranças e somos convidados a reconhecer nelas o caminho de toda santidade. Por isso, a Igreja nos apresenta sempre muitos exemplos de santidade, os mais variados, de todas as épocas, de todas as idades e de todas as classes sociais.

Todo batizado é chamado à santidade, ou seja, a viver conforme o Evangelho de Jesus Cristo. Cada um e cada uma de nós na nossa condição, no nosso tempo, no nosso lugar, com as nossas virtudes e defeitos. Acredito que muitos que se dizem cristãos tenham medo ou receio da “santidade”, como se fosse uma obrigação incômoda, um fardo pesado a ser carregado. Estamos muito longe de almejar a santidade como algo que deveria ser comum a cada batizado e batizada. “Comum” não quer dizer banal, mas que é possível a todos, não, evidentemente, pelos nossos próprios merecimentos, mas pela misericórdia de Deus, oferecida “de graça” àqueles e àquelas que se dispõem a serem “amigos” dele.

Em geral, por causa das suas vidas contadas com detalhes surpreendentes, das apresentações artísticas e da nossa imaginação, pensamos nos santos e nas santas como pessoas extremamente devotas, em constante oração e contemplação, com os olhos sempre virados para o céu. Espantam-nos os relatos do rigor de certas renúncias, das longas penitências, dos jejuns absolutos, da solidão do deserto. Outras vezes, é a coragem do martírio deles e delas que nos empolga, mas, ao mesmo tempo, nos distancia deles por nos sentirmos fracos e incapazes de tantas proezas. O ideal da pureza de certos santos e santas nos parece tão elevado que acabamos considerando-os seres mais celestiais que humanos. A boa intenção de fazer conhecer as qualidades cristãs de tantos santos e santas famosos, que viveram em outros tempos e circunstâncias, faz-nos chegar à conclusão, infelizmente, que uma santidade assim seja possível somente para poucos e, com certeza, não o será nunca para nós. Desistimos antes de começar. Com essas considerações não quero dizer que devemos deixar de falar bem dos santos. Quero dizer, simplesmente, que o verdadeiro heroísmo e a verdadeira alegria da fé podem acontecer em algum momento especial, único talvez, de nossa existência, mas, em geral, são o resultado de uma caminho fadigoso e lento, feito de coisas simples, com o sabor do cotidiano, do pequeno, do escondido. Nenhum santo ou santa foi tal porque buscava ser importante. Foi muito tempo depois que as suas virtudes foram reconhecidas ou foi o próprio povo cristão a revelar as maravilhas que tinham acontecido naquelas vidas tão humildes e silenciosas.

Resumindo: a santidade é para todos porque nasce, em primeiro lugar, da confiança que devemos ter no próprio Senhor, mais do que nas nossas forças. Depois vem do desejo de servir a ele nos pobres, nos pequenos e necessitados. Se alimenta com a certeza que podemos aprender algo mais todo dia com a sua Palavra e que podemos perseverar a vida inteira nos nossos compromissos, apesar da rotina, das dificuldade e do cansaço. A santidade de todos os dias pede humildade e paciência; jamais desconfia da misericórdia e do surpreendente amor de Deus. Vamos pedir-lhe que nos deixe em paz em nosso comodismo e mediocridade? Pedimos-lhe a alegria da santidade “comum”.

O cavalo do califa

O califa de Bagdá, chamado Al-Mamun, possuía um lindo cavalo árabe. Um homem, chamado Omar, queria comprar o cavalo e ofereceu muitos camelos em troca, mas o califa não aceitou. Omar ficou desgostoso e cogitou enganá-lo para obter o cavalo. Ele sabia por onde o califa passava quando ia cavalgar. Deitou-se à beira da estrada e fingiu que estava muito doente. Al-Mamun era um homem de bom coração e quando viu o doente, parou e desceu do cavalo para socorrê-lo. Como o enfermo dava a entender que não conseguia caminhar, o califa, com todo o cuidado, colocou-o na garupa do cavalo para ele montar em seguida. Mas quando Omar se sentou no cavalo, partiu a galope deixando Al-Mamun a pé, gritando atrás dele. Quando chegou a certa distância, Omar virou-se e ouviu o califa dizer:

– Você roubou o meu cavalo. Tenho um pedido a lhe fazer.
– Que pedido? Gritou Omar.
– Que não conte a ninguém como você se apoderou do cavalo.
– Por que não?
– Porque, algum dia, um homem realmente doente, talvez esteja deitado à beira da estrada e, se esse seu truque for conhecido, as pessoas passarão por ele sem ajudá-lo.

No evangelho de Marcos deste 31º Domingo do Tempo Comum, encontramos um mestre da Lei que quer ouvir de Jesus qual, entre tantos mandamentos, ele considerava o primeiro de todos. A questão é comum a Mateus e Lucas. Provavelmente era uma daquelas disputas que geravam muita discussão, talvez nem tanto sobre a ordem de importância dos mandamentos em si, mas sobre como praticá-los sem faltar com o respeito à primazia de Deus e, ao mesmo tempo, sem deixar de lado o próximo. A novidade da resposta de Jesus é, sem dúvida, o fato de ter unido os dois mandamentos para evitar que “o segundo” – amar ao próximo como a si mesmo – deixasse de ser praticado com a desculpa de amar a Deus.

Na primeira carta de João, encontramos a compreensão clara da questão: “Se alguém disser: ‘Amo a Deus’, mas odeia o seu irmão, é mentiroso; pois quem não ama o seu irmão, a quem vê, não poderá amar a Deus, a quem não vê. (1Jo 4,20). No entanto o evangelista Marcos tem algo dito, por sinal, pelo próprio mestre da Lei que estava interrogando Jesus. Este não somente consegue juntar os dois mandamentos, mas diz claramente que tudo isso “é melhor do que todos os holocaustos e sacrifícios” (Mc 12,33). No tempo de Jesus, ainda eram realizados sacrifícios de animais no Templo de Jerusalém. Quando, porém, os evangelhos foram escritos, tudo isso já não existia mais porque o Templo tinha sido destruído pelos romanos. A impossibilidade dos sacrifícios contribuiu para perceber e praticar mais aquilo que os profetas já tinham denunciado muitas vezes. Lemos em Isaías 1,11-18: “Estou farto de holocaustos de carneiro e da gordura de animais cevados, não quero sangue de novilhos, nem de cordeiros, nem de cabritos… Lavai-vos, purificai-vos… Parai de praticar o mal, aprendei a fazer o bem: buscai o direito, socorrei o oprimido, fazei justiça ao órfão, defendei a viúva. Depois, vinde, e discutamos em juízo – diz o Senhor -. E no famoso Oseias 6,6 encontramos: “Pois é o amor que eu desejo e não sacrifício ritual, conhecimento de Deus mais que holocaustos”. Por isso, Jesus pode dizer ao mestre da Lei que tinha respondido com inteligência: “Tu não estás longe do Reino de Deus” (Mc 12,34).

Entendemos muito bem o que Jesus nos ensina. Se queremos fazer alguma coisa para Deus e servi-lo com sinceridade, podemos conseguir isso somente se amarmos e servimos os nossos irmãos praticando o bem e a justiça. O amor de Deus alcança a todos, a começar pelos pobres e injustiçados, através do nosso amor, do nosso interesse, da nossa solidariedade. Sem esse compromisso, a imagem de Deus é falsificada. Ele se parece com alguém que privilegia alguns e esquece os demais. Rezas sem fim, promessas com maços de velas, puxamentos de cordas ou coroas de flores não substituem o que agrada a Deus: o amor ao próximo. São “truques” que só enganam a nós mesmos.

O experimento do cirurgião

Um famoso cirurgião alemão disse aos seus estudantes que para exercer a profissão de cirurgião precisava ter um estômago de ferro e um excelente espírito de observação. Dito isso, mergulhou o dedo num líquido nojento e o lambeu. Convidou cada estudante a fazer o mesmo. Todos tomaram coragem e fizeram o mesmo sem titubear. Em seguida, o cirurgião disse, com um sorriso: “Senhores, parabéns por ter superado a primeira prova. No entanto, não posso dizer o mesmo com a segunda. Ninguém reparou que o dedo que eu lambi, não era o mesmo que tinha mergulhado nesse líquido nojento”.

No evangelho de Marcos deste 30º Domingo do Tempo Comum, encontramos a cura de um mendigo cego de nome Timeu. Na ocasião, acontecem muitas coisas. O que chama atenção são os gritos do cego. Ele está sentado à beira do caminho, mas, evidentemente, não se conforma com a sua situação de exclusão. Quando ouve dizer que estava passando Jesus, o Nazareno, não fica calado. Implora por piedade. Jesus manda chamá-lo e lhe pergunta o que queria dele. “Mestre, que eu veja!” responde Timeu. O cego recupera a vista e escuta o elogio de despedida: “Vai, a tua fé te curou”. O homem, porém, começa a seguir Jesus “pelo caminho” (Mc 10,51-52).

O evangelista Marcos consegue nos fazer participar dos acontecimentos. Facilmente imaginamos a situação. Contudo o objetivo dessa narração, como de outras curas ou “milagres”, não é exaltar os poderes extraordinários de Jesus. Isso, simplesmente, suscitaria nas pessoas o estupor e o espanto. Nada mais, porque a maravilha duraria até chegar alguma pessoa ou coisa que, de verdade ou falsamente, pareça-nos ainda mais surpreendente. O que interessa aos evangelistas é ajudar a entender quem era Jesus para chegar a acreditar nele e segui-lo “pelo caminho”. A visão material dos olhos é útil para o andar humano, mas é somente com a luz da fé que nós conseguimos acompanhar com confiança os passos dele. A sequência dos acontecimentos explica como chegar a esse ponto. Fica claro que a cura, assim como a própria fé, são dons de Deus. É Jesus que abre os olhos ao cego. No entanto, não é uma imposição, é um chamado ao qual podemos ou não consentir. Jesus pergunta e aguarda a resposta de Timeu. A fé é um dom que deve ser pedido, porque somente assim se manifesta o nosso desejo de sair de uma situação de distanciamento do Senhor para nos mais próximos dele.

Quando reconhecemos quem é Jesus para nós e acreditamos nele, ele mesmo vai ser a meta grande da busca da nossa vida, não mais só uma cura, um favor, a solução de um problema. Acontece que procuramos Jesus, Nossa Senhora, algum santo ou santa, a Igreja, para conseguir algo que nos interessa. Uma vez alcançada a meta, talvez agradeçamos com entusiasmo o doador, mas pouco nos preocupa saber o que ele pensa, o que ele nos convida a fazer e a mudar. Também no seu tempo, Jesus foi muito procurado porque curava todo tipo de enfermidade (Mc 1,33-34). O povo queria um curandeiro, não alguém que revelasse o amor do Pai, a presença do Reino de Deus e ensinasse os caminhos estreitos e íngremes da verdade, da justiça e da paz. A luz da fé nos permite enxergar a pessoa de Jesus e não somente o que ele faz, ou deixa de fazer, por nós. Quem encontra e acredita em Jesus começa a ver tudo de maneira diferente. Saúde, dinheiro, bens materiais, conforto e bem-estar, são coisas preciosas, mas ser “amigos” de Jesus vale mais do que todo o resto. As provações, os sofrimentos e até a nossa morte, ganham outro sentido. Jesus quer ser amado e seguido por ser o Senhor da nossa vida e não simplesmente um apoio que nos traz sorte nas horas difíceis. Ele não prometeu resolver todas as nossas angústias. Mostrou-nos o único caminho que garante a felicidade e a vida plena: o amor, através do serviço e da doação. Jesus não engana, somos nós que ainda não entendemos bem o que ele ensinou. Enxergamos mal ou nada. O de Jesus era o dedo certo, o dedo de Deus (Lc 11,20). Somos muitos que não reparamos nisso.

O defeito do cientista

Certa vez, um cientista tinha encontrado o jeito de reproduzir a si mesmo, de maneira tão perfeita que era impossível distinguir a cópia do original. Um dia, ele soube que o Anjo da Morte o estava procurando. Preparou uma dúzia de cópias de si mesmo. Assim, quando o Anjo chegou, teve dificuldade para saber quem devia levar entre os treze exemplares. Não demorou muito, porém, para que o Anjo, bom conhecedor da natureza humana, voltasse com ele e lhe dissesse:

– Parabéns, o senhor deve ser um gênio, conseguiu cópias perfeitas, no entanto, eu descobri um pequeno defeito.

– Impossível! Onde está o defeito? – reagiu o verdadeiro cientista, ferido em seu orgulho.

– Bem aqui – respondeu o Anjo, e, sem mais dúvidas, levou o original no meio das cópias.

No evangelho de Marcos, deste domingo, encontramos novamente o convite de Jesus à doação e ao serviço. A insistência significa que se tratava de um assunto difícil para ser entendido e que nem os apóstolos e nem os primeiros cristãos conseguiam escapar da tentação de querer ser os primeiros e os mais importantes. Os dois irmãos, Tiago e João, não esconderam as suas ambições de estar ao lado daquele que imaginavam viria a ser o poderosos rei-messias. Os demais apóstolos ficaram indignados, talvez por não estarem de acordo ou, simplesmente, porque os dois tinham-se antecipado no pedido, surpreendendo, assim, a todos. Em resposta, Jesus os desafia a participar da sua missão de messias sofredor. A cruz, aqui chamada de cálice a beber e de batismo a receber, será o único privilégio daqueles que, livremente, decidiram segui-lo. Nenhuma comparação é possível entre os amigos de Jesus e os grandes das nações. Esses oprimem e tiranizam os povos, mas entre os discípulos quem quiser ser o primeiro será o servo de todos. A absoluta novidade é ele mesmo, o Filho do Homem, “que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate para muitos” (Mc 10,45).

Se olharmos a sociedade na qual vivemos temos que reconhecer que pouco mudou dos tempos de Jesus. Oficialmente não temos mais reis e imperadores “tiranos”, mas o poder de decisão continua nas mãos de poucos; existem organizações e corporações, sem rosto, querendo só ganhar e capazes de mudar o destino de povos inteiros e do planeta todo. Não vamos falar mal dos outros. Olhemos para nós cristãos, nós que fazemos questão de nos proclamar seguidores de Jesus. Deveria ter ficado claro que devemos pensar e agir diferente, digamos, do “mundo”. Onde podemos aprender o novo? O exemplo e a experiência do amor-serviço devem acontecer na Comunidade–Igreja. Quando a Igreja é vista como uma prestadora de serviços religiosos e não como uma grande fraternidade, as coisas continuam a funcionar com a autoridade que manda, o pagamento das rezas e as amizades que traficam favores. Assistimos a clérigos ovacionados e aplaudidos, não pelo serviço da caridade aos pobres e excluídos, mas por agradar aos gostos do espetacular, do mais fácil, do emocional, das bençãos e devoções milagrosas. A caridade movimenta grandes quantias, mas continua prevalentemente assistencial, porque é sempre mais simples e menos incomodo distribuir sopa e cestas básicas do que questionar o sistema, desmascarar as raízes da miséria e da fome e tentar mudá-lo. Estou exagerando? Basta conferir quem são os personagens mais famosos que estão presentes na mídia e aqueles que têm mais seguidores nas redes sociais.

Quando a missa é avaliada conforme quem a preside ou a Palavra de Deus é confundida com o pregador, é necessário ficar alerta. As tentações do sucesso, de ter massas aplaudindo, de fazer algo extraordinário, são as mesmas que o próprio Jesus teve que vencer ao longo de sua vida. O caminho para mudar as coisas é aquele que começa lá de baixo, no serviço aos pequenos, nas vidas doadas em resgate pela dignidade e a libertação dos esquecidos. O caminho da ressurreição passa pela cruz. Jesus não fugiu dela. Não nos pede para sermos “cópias” dele. Seria impossível. Mas cristãos mais corajosos e comunidades mais fraternas, sim, podemos ser.

Aprender a gratuidade

Chegamos ao domingo do Círio d Nossa Senhora de Nazaré. De novo, sem podermos nos manifestar como gostaríamos, numerosos e alegres, a nossa devoção a Maria, a humilde serva do Senhor, a “bendita entre as mulheres”, a “bem-aventurada” porque acreditou. Neste ano, colocamos Maria ao lado de São José. Eles, juntos com Jesus, constituem aquela que chamamos de “Sagrada Família”, exemplo para todos nós de oração, trabalho e fé. Qual segredo “a mais” podemos aprender com essa família tão especial?

Talvez nos ajude o evangelho deste domingo. Encontramos uma pessoa que procura Jesus e tem um grande desejo: “ganhar a vida eterna”. Algo maravilhoso se, com essas palavras, entendemos não tanto o conjunto de todos os bens possíveis e imagináveis, mas, nada menos, que o próprio Deus, sumo bem e plena felicidade para todos. Inicialmente, Jesus lembra àquele homem os mandamentos da Lei de Deus, ou seja, um caminho de confiança, obediência e respeito. Para aquela pessoa, porém, isso não tem nenhuma novidade: conhece os mandamentos e os pratica desde a juventude. O que lhe falta? – Só uma coisa – responde Jesus – vai, vende tudo o que tens e dá aos pobres, e terás um tesouro no céu. Depois vem e segue-me! (Mc 10,21). O evangelho continua dizendo que aquele homem “foi embora cheio de tristeza, porque era muito rico”. O comentário de Jesus vem em seguida: “Como é difícil para os ricos entrar no Reino de Deus!” (Mc 10,23). Pelo jeito, os bens materiais, tão cobiçados pela grande maioria dos seres humanos, são um obstáculo muito grande para fazer parte do Reino de Deus. No entanto o próprio Jesus aponta a saída: o que parece impossível para nós, somente com as nossas forças, é possível para Deus. Se nós o pedimos, com fé e confiança, ele mesmo, Deus Pai, nos dá a capacidade de nos livrar das amarras da ganância e do lucro. Quando a luz de Deus toma conta do nosso coração e das nossas decisões, nós começamos a olhar e a entender as coisas da vida e do mundo com o olhar dele, que é de amor e, portanto, somente capaz de doar, doar tudo, doar a si mesmo, sem esperar ou pedir nada em troca. Podemos chamar este amor de gratuidade total. Por nossa vez, a este amor incondicional de Deus, nós podemos responder somente amando generosamente a ele e aos nossos irmãos.

Com Deus não tem negociação, cobranças, reivindicações, prazos… A “vida eterna”, que o homem do evangelho procurava, é um dom gratuito de Deus, é oferecida, doada, nunca será o resultado do nosso esforço ou um direito adquirido pelos nossos merecimentos. Jesus nos ensinou tudo isso; não foi para nos fazer sentir pequenos perante a grandeza sem medidas do amor de Deus, mas para transformar o nosso coração de interesseiro em generoso e compassivo. A sociedade que organizamos funciona com a troca de mercadorias, de serviços e de favores. Estamos tão acostumados com isso, que desconfiamos de quem nos oferece algo sem cobrar nada antes ou depois. Sempre perguntamos quanto custa aquilo que gostaríamos ter ou alcançar.

Também o homem do evangelho deste domingo queria saber o preço da vida eterna, quais obrigações devia cumprir, quais ofertas ou holocaustos devia fazer. Dar de graça aos pobres aquelas riquezas que tinham custado tanto tempo, trabalho, organização e esperteza não entrava na sua cabeça e no seu coração. Vale a pena nos perguntar se aprendemos a gratuidade nas nossas famílias, ou se também nelas já funciona a lógica interesseira do mundo. Filhos, crianças e adultos, que não sabem mais agradecer aos pais por tudo aquilo que fizeram por eles. Esposos e esposas que perderam a alegria de se doar e de se receber cada um como uma dádiva não merecida. Parentes que se odeiam por causa da herança deixada pelos pais e avós. Temos dúvidas que Jesus aprendeu a gratuidade também com Maria a José? Ele, o homem justo e obediente, acolheu Maria em sua casa, acreditando nos seus sonhos e na palavra dela. Ela, a serva do Senhor, ficou feliz de colaborar com o projeto de Deus sem saber tudo o que a aguardava e se teria merecido alguma recompensa. E Jesus? Ele deu tudo, até a própria vida, porque Deus é assim, só amor doação.

As bonequinhas de crochê

Estavam casados havia 50 anos. Tinham partilhado tudo na vida. Só uma coisa a mulher tinha pedido ao marido de nunca abrir: uma velha caixa de sapatos em cima do guarda-roupa. Agora, a mulher estava doente no hospital e disse ao marido que era chegada a hora de saber o que estava escondido naquela misteriosa caixa de sapatos. O homem abriu a caixa e encontrou duas bonequinhas de crochê e 85 mil reais. O marido pediu uma explicação. A mulher respondeu que tinha seguido um conselho que a sua velha avó lhe tinha dado antes do casamento: “Minha filha, todas as vezes que você ficar zangada com seu marido, procure não discutir. Deixe passar a raiva, pegue o crochê e faça uma bonequinha. O marido ficou alegre, afinal, só tinham duas bonequinhas na caixa. Tinham brigado só duas vezes em tantos anos. Faltava saber de onde vinha tanto dinheiro. A esposa respondeu: “Bom, o dinheiro é o que eu ganhei vendendo as outras bonequinhas de crochê!”.

Um caso ameno para apresentar uma questão séria e sofrida. No evangelho de Marcos, deste domingo, Jesus responde a mais uma provocação dos fariseus. Querem saber o que ele pensava sobre a permissão do divórcio, admitido por Moisés. Como em outras ocasiões queriam poder acusar Jesus de incentivar a desobediência a Lei. Ele não entra, porém, em detalhes sobre possíveis casos ou brechas na legislação em vigor. Não levanta questões que nem eram colocadas naquele tempo, como, por exemplo, o direito de decisão da mulher. Jesus lembra a “dureza do coração” humano e faz referência diretamente ao projeto de Deus “desde o começo”. Digamos que ele propõe uma meta, um ideal, para que o amor entre o esposo e a esposa, apesar e além de todas as dificuldades humanas, possa representar a fidelidade do próprio Deus à aliança com o seu povo.

A questão, portanto, não é posta no se é possível ou não se divorciar e casar com outra pessoa, mas naquilo que a união do casal significa numa visão da existência humana que não seja, simplesmente, segundo a natureza ou as circunstâncias. O que está em jogo, aqui, é a própria realidade do Deus dos cristãos que se fez conhecer como uma unidade e comunhão perfeita do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Na mesma linha, o pecado da idolatria do povo, quando deixava o Deus verdadeiro para adorar outros deuses, sempre foi comparada ao adultério conjugal. Aquela que nós chamamos de “indissolubilidade” do matrimônio nunca foi somente uma obrigação determinada por uma lei, mas sempre teve um sentido muito maior, quase uma exemplificação humana e, portanto, visível do amor fiel e até ciumento de Deus para com o seu povo.

Para alguns, ou muitos, a não admissão do divórcio pode parecer uma exigência cruel, insustentável em tantos casos reais da vida. Papa Francisco, no documento “Amoris Laetitia”, do qual comemoramos os cinco anos de promulgação, fala que “O caminho da Igreja é o de não condenar eternamente ninguém”, mas de “derramar a misericórdia de Deus sobre todas as pessoas que a pedem de coração sincero. Porque a caridade verdadeira é sempre imerecida, incondicional e gratuita” (AL 296). “Quanto às pessoas divorciadas que vivem em uma nova união, é importante fazer-lhes sentir que fazem parte da Igreja, que “não estão excomungadas” nem são tratadas como tais, porque sempre integram a comunhão eclesial” (AL 243). O compromisso da comunidade eclesial é propor o projeto “do começo”, na firme convicção que a fidelidade e a indissolubilidade matrimoniais são dons de Deus e sinais “proféticos” num mundo cheio de divisões e de arranjos conjugais, onde prevalece mais a próprio interesse e bem-estar egoísta do que a partilha solidária e amorosa das “alegrias” e das “tristezas”, que a vida proporciona a todos. Como muitas outras coisas também o amor conjugal se aprende aos poucos, entre crises e recomeços, sempre acreditando que terá como fruto a alegria e a paz do casal e da família inteira. Com ou sem caixa de sapatos e bonequinhas de crochê. Mas com um amor tão grande que não caberia em caixa nenhuma.

A mulher do cego

Um homem tinha uma filha muito feia. Conseguiu que se casasse com um cego, porque ninguém a queria. Certo dia, porém, chegou naquela cidade um médico que se ofereceu para devolver a vista ao cego. O pai da moça foi totalmente contrário a isso por medo que o homem pudesse se divorciar da filha dele.

Continuamos a leitura do evangelho de Marcos. Encontramos ao menos dois grandes ensinamentos. O primeiro diz a respeito da expulsão de demônios usando o nome de Jesus, por parte de pessoas que não estavam diretamente no grupo que o seguia. Talvez os discípulos estivessem com inveja daquilo que estava acontecendo, mas Jesus não se importa com isso, ao contrário, manifesta-se favorável. Ele fica feliz se, por causa do seu nome, alguém é liberto de uma situação de sofrimento. Até um copo de água, algo tão simples e pobre, dado com generosidade aos amigos de Jesus, será premiado. O verdadeiro bem é sempre valioso e não pode produzir frutos contrários ou palavras maldosas. “Quem não é contra nós é a nosso favor”, declara Jesus (Mc 9,40)

O segundo assunto é sobre o pecado do escândalo e as palavras do Evangelho são muito duras. Os “pequeninos que creem” não são as crianças, mas os simples e os humildes do Reino de Deus. Nesse caso, a pequenez não depende da idade ou de alguma condição de inferioridade. Os “pequenos” são todos aqueles que desistem do orgulho e da arrogância e se deixam alcançar pelo amor do Pai. São os “puros de coração” da bem-aventurança de Mateus (Mt 5,8 “eles verão a Deus”) e até Jesus se diz “manso e humilde de coração (Mt 11,29). O grande pecado, o de sempre, é o do ser humano que quer ser “como deus” (Gn 3,5), que recusa a sua condição de criatura e quer disputar com o próprio Deus. Se ainda a humanidade tinha dúvida, Jesus veio para manifestar plenamente a paternidade amorosa e a misericórdia de Deus e enviou os seus discípulos para anunciar e testemunhar essa Boa Notícia. “Deus é amor” (1Jo 4,7-8), ele não quer humilhar o ser humano ou se impor com o seu poder. Ele se doa a todos aqueles que o procuram de coração sincero. Somente precisa acreditar, confiar e deixar-se envolver e transformar por este amor.

O “escândalo” acontece quando quem deveria ensinar o caminho certo para o encontro com Deus não o faz, quando promove a si mesmo, usa o nome de Deus, ou de Jesus, não para o bem, mas para confundir, afastar, dividir. Quem deveria ensinar o caminho da Vida e não o pratica claramente, desvia a si mesmo desse caminho e deixa escandalizados os pequenos. A responsabilidade das Comunidades, da Igreja toda, do primeiro ao último batizado, é muito grande. Por isso, Jesus fala em “cortar” e “arrancar” tudo aquilo que leva a pecar, porque a grande meta a ser alcançada é “entrar no Reino de Deus”. Sem dúvida, Jesus usa palavras que são também imagens. Ele não quer um povo de seguidores mutilados, mas sim um povo de cristãos decididos, corajosos e coerentes.

Para Jesus não existem opções de fé pela metade. Isso não significa que a alegria de ser cristãos seja reservada só para pessoas perfeitas que nunca erram. São os doentes, ou seja, os pecadores, que precisam do médico e não os que têm boa saúde (Mc 2,17 “Não vim chamar justos, mas pecadores”). Ele está sempre disposto a nos perdoar, contanto que o reconheçamos como único Senhor de nossas vidas e não fiquemos, talvez, servindo a dois senhores (Mt 6,24) sobretudo quando um desses senhores é o dinheiro, o poder, ou a nossa ambição desmedida. Quando o Papa Francisco fala em “tolerância zero” na nossa Igreja, não está condenando alguém, mas está nos exortando a todos a corrigir os erros e os possíveis escândalos desde o início, sem deixar que se espalhem, sejam esquecidos ou considerados inevitáveis. Então, vamos arrancar o olho que nos leva a pecar? Claro! Se for necessário para entrar no Reino. No entanto, talvez, seja bom também enxergar bem, não para divorciar da mulher feia, mas para ver claramente o mal .

Qual riqueza?

Certo dia, o marido disse à esposa:

– Sabe, querida, trabalharei muito e, um dia, seremos ricos. A esposa respondeu:

– Querido, nós já somos ricos. Porque eu tenho você e você tem a mim. Um dia, talvez, teremos dinheiro.

No evangelho de Marcos, deste domingo, encontramos Jesus e seus discípulos andando, quase às escondidas, pela Galileia. Na realidade, “o segredo” está no segundo anúncio da paixão. Ele fala também da ressurreição, mas os discípulos “não compreendiam estas palavras e tinham medo de perguntar” (Mc 9, 32). Entendemos que o assunto é sério e que sempre será muito difícil aceitar Jesus como “messias” sofredor. Mais ainda: um messias perdedor, sem mais nada, sem poder nenhum, vergonhosamente derrotado. Talvez os discípulos tivessem medo de lhe pedir uma explicação mais clara para não ter que reconhecer que aquelas palavras de Jesus derrubavam os sonhos de grandeza que, secretamente, acalentavam. Aqueles seguidores representam todos nós e os cristãos de todos os tempos. A razão é simples. Os reinos e as sociedades humanas funcionam como uma pirâmide de poder. De uma maneira ou de outra, quem está em cima manda em quem está em baixo. Vez por outra, as coisas parecem melhorar; mudam as leis e os sistemas de governo, mas sempre aparece algo que, do alto, “pesa” mais que outras coisas. Hoje, vivemos sob o jugo da economia, das leis do mercado. Tudo bem misturado e aliado com o poder das armas, da tecnologia, dos meios de comunicação que exaltam o individualismo e o consumismo. Alguém duvida que estejamos vivendo tempos de grandes disputas? As contendas começam em nossas famílias e nem as religiões escapam das confrontações. Todos querem ganhar, sobressair, estar por cima, ser os maiores, ser os primeiros. Poder e riquezas continuam fascinando.

Jesus, o Mestre, tem algo importante para nos dizer. É quase um “segredo”, é para poucos, porque também é muito difícil de ser entendido e acolhido. Por isso, fala “em casa” e chama só os doze ao seu redor. Primeiro explica: “Se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último de todos e aquele que serve a todos!” (Mc 9,35). Mas, a quem servir? Eles devem lembrar outras palavras dele. Devem “servir” aos pequenos, aos pobres, àqueles que nunca poderão devolver o que receberam. Isso para que o serviço da caridade não seja interesseiro, não tenha outro objetivo a não ser o bem daqueles que foram ajudados. De outra maneira, deixaria de ser um gesto de amor e seria uma troca de favores, a ser cobrada antes ou depois. Logo em seguida, Jesus, para ajudar a entender o que quer nos ensinar, pega uma criança e a propõe como modelo de pessoa que deve ser abraçada, acolhida e servida por causa dele, para honrar o nome dele, e, por isso, de maneira totalmente amorosa e gratuita. Uma criança! Exemplo claro de alguém que, muitas vezes, passa despercebido, quase invisível. Alguém que, naquele tempo, pouco ou nada valia. Só dava despesa e devia ser cuidada. Ainda não produzia nada, não podia ser uma força de trabalho.

Hoje, parece muito diferente, mas nem tanto. Falo dos milhões de crianças fora da escola por causa das guerras, das migrações, da fome e da miséria. Têm crianças transformadas em soldados, violentadas em sua inocência ou exploradas em sua dignidade. Têm crianças vendidas como mercadoria, roubadas de sua infância e usadas para satisfazer os desejos e as ambições dos adultos. Apesar de tantos progressos, continua difícil para os mais velhos acolher as crianças como elas são, como elas vêm ao mundo, com seus limites, mas também com o direito de serem diferentes de como, talvez, os pais as queriam. Isso porque cada pessoa é um dom de Deus único e irrepetível. Dom e desafio ao mesmo tempo para ser acolhido e amado, com total gratuidade, sem condições ou chantagens. Jesus nos ensina que para Deus Pai cada pessoa vale por si mesma, é um verdadeiro tesouro, uma riqueza incomparável. Só quem ama sabe dar o verdadeiro valor às pessoas amadas. Pode faltar dinheiro, mas quanta riqueza temos em nossas famílias! Ainda não a descobrimos?.

Um simples “obrigado”

Para refletir: “Se Deus tivesse uma geladeira, penduraria a tua foto. Se estivesse no Facebook, com certeza a tua foto estaria lá. É ele que te envia as flores a cada primavera e um alvorecer a cada manhã. Cada vez que queres falar, ele te escuta. Ele pode habitar em cada parte do universo, mas preferiu o teu coração. Procura-o. Deus está apaixonado por ti. Ele não te prometeu dias sem sofrimentos, sorrisos sem tristezas, o sol sem a chuva. Deus te prometeu força em cada situação, consolação quando estiveres chorando e luz para acertar o caminho. E ele fica satisfeito com um teu simples: obrigado!”

No evangelho de Marcos, deste domingo, encontramos uma página bem conhecida. Jesus quer saber o que as pessoas, que estão ao seu redor, pensam dele. Acredito que não seja tanto uma questão de identidade, mas de honestidade. Ele não quer que todas aquelas pessoas o sigam – talvez com muitas expectativas – e depois digam que foram enganadas. Não seria justo. Não quer espalhar ilusões. Melhor esclarecer logo por onde o levarão as decisões que está tomando, os amigos que está frequentando, as infrações da Lei das quais está sendo continuamente acusado pelos escribas e fariseus. Tudo isso o levará à cruz. Jesus aceita que Pedro declare que ele é o Messias, mas deixa bem claro que o será de maneira muito diferente daquela que muitos interesseiros estão esperando. Será um “messias sofredor”. O caminho da vitória sobre o mal e a morte passará pelo escárnio e o fim vergonhoso na cruz.

Aquelas palavras: “que o Filho do Homem devia sofrer muito” (Mc 8,31) espantaram a Pedro e ainda espantam a todos nós. Parece um destino cruel, inevitável, incompreensível. Este é o pensamento humano, diz Jesus. Deus pensa diferente. Os discípulos demoraram, e nós também demoramos a entender que o amor poder levar até o desfecho de doar a própria vida. O pensamento humano é de conservação, lucro, egoísmo, interesse e vantagem. Ter prejuízo, “perder” algo (perder a própria vida?) é sinal de cálculos errados, de falhas no planejamento, de falta de esperteza ou, mesmo, de burrice. Um homem sabido nunca perde; sempre dá um jeito de se safar das circunstâncias adversas e sair vitorioso ou com o mínimo de danos.

Jesus pensava mesmo de maneira diferente. Pensava como Deus, não como os homens. Ele lança ainda um desafio para a nossa fé. As suas palavras soam como uma evidente contradição: como se pode “ganhar a vida” quando a estamos perdendo? Jesus não está falando de duas vidas diferentes, uma aqui na terra, que estaríamos perdendo, e uma no céu, que estaríamos ganhando. Não. Todos nós, mais ou menos conscientemente, passamos a vida gastando energias e correndo atrás de algum sonho, projeto ou ambição. Chamamos isso de felicidade, mas, quase sempre, buscamos bens materiais, posição social, a melhor acomodação possível para não ser incomodados pelos problemas dos outros. Jesus quer nos poupar da decepção final, porque nada, de tudo isso, durará para sempre. Ele nos propõe abraçar a causa do Evangelho como motivação e sentido da nossa existência humana, em tudo: no uso dos bens, nos afetos, na busca da justiça, da verdade e da paz.

Já sabemos que o tempo da nossa vida não será suficiente para ver a realização plena do seu Reino de amor, mas teremos a alegria de ter semeado bondade e alegria, misericórdia e fraternidade. Talvez tenhamos que reconhecer que não fizemos todo o possível para que este mundo novo acontecesse, mas ao menos não teremos o arrependimento de ter perdido tantas oportunidades de fazer o bem aos pobres, aos pequenos, aos sofredores que, com certeza, teremos encontrado nos caminhos da vida. Talvez experimentemos o remorso de ter promovido indiferença, exclusão, banalidade ou superficialidade. Assim a vida escorreu pelos dedos das nossas mãos, não ficou nada, a perdemos. Jesus não enganou ninguém, não mentiu, não escondeu nada e nem guardou para si a parte mais fácil e cômoda. Deu tudo de si, de graça, como somente Deus sabe fazer. Sempre. Ao menos um simples “obrigado” poderíamos dizer-lhe mais vezes.

Os oradores profissionais

Um rei indígena das Ilhas do Oceano Pacífico do Sul estava oferecendo um banquete em honra a um ilustre hóspede vindo da Europa. Quando chegou o momento de despedir-se do hóspede, sua Majestade ficou tranquilamente sentado no chão e um orador profissional, contratado para aquela ocasião, esmerou-se nos elogios. Depois daquele eloquente discurso, o hóspede se levantou para dizer, também, algumas palavras de agradecimento ao rei. Esse, porém, o segurou e lhe disse: “Por favor, não se levante. Contratei um orador para o senhor também. Na nossa Ilha, não acreditamos que amadores possam ter condição de fazer discursos públicos”.
Iniciamos o mês de setembro. Tradicionalmente, aqui no Brasil, esse é o mês da Bíblia. Por coincidência, a página do evangelho da Liturgia deste primeiro domingo nos apresenta a cura, por parte de Jesus, de “um homem surdo que falava com dificuldade” (Mc 7,32). Jesus cumpre alguns gestos, talvez rituais ou, ao menos, simbólicos, como, por exemplo, colocar os dedos nos ouvidos do homem surdo. Depois, ele “suspira” e pronuncia a famosa palavra que o evangelista transmitiu, provavelmente, na língua original: “efatá”, “Abre-te”. Ao pronunciar essa palavra, diz o evangelho, “imediatamente” os ouvidos do homem se abriram, sua língua se soltou e ele começou a falar sem dificuldade (Mc 7,35). Jesus pede aos presentes para não espalhar o acontecido, mas o povo não se contém. “Muito impressionados”, eles louvam a Deus e divulgam a notícia repetindo as palavras da profecia messiânica de Isaías: “Aos surdos faz ouvir e aos mudos falar” (Is 35,5). Se refletirmos sobre o que acreditamos, ou seja, que Jesus é a Palavra de Deus feita carne, a mensagem do evangelho deste domingo fica clara: não adianta que nos seja oferecida a Palavra “viva” se depois deixamos de escutá-la e divulgá-la. Jesus não quer discípulos de ouvidos tapados e boca fechada. Com efeito, no final da sua missão terrena ele enviará os apóstolos pelo mundo inteiro para que proclamem o Evangelho a toda criatura (Mc 16,15).

Todos os batizados são chamados, portanto, a serem discípulos-missionários. Todos precisamos ser, incansavelmente, ouvintes da palavra, para aprendermos com Jesus, o “mestre”, e, ao mesmo tempo, sermos testemunhas corajosas da fé luminosa e da alegre esperança que recebemos em dom.

Conhecemos bem as motivações que levantamos para desistir dos nossos compromissos de batizados. A primeira desculpa é que a Bíblia é difícil e que não temos condição de entender palavras que vieram de tão longe no tempo e nas situações. Sem dúvida, precisamos conhecer melhor aqueles momentos, os saberes e as crenças que aquelas pessoas tinham. Por isso, ter mais familiaridade com a Bíblia significa, também, saber situar os textos nas devidas circunstâncias, mas devemos reconhecer que as grandes perguntas da vida humana continuam as mesmas: de onde viemos e para onde vamos? Como distinguir o bem do mal? Por que é melhor amar que odiar, doar vida e não causar morte? O ser humano pode ser feliz? E assim por diante. Somente quem desiste de pensar, refletir e se questionar, pode achar a surpreendente sabedoria da mensagem bíblica algo arcaico e superado. A Palavra de Deus continua de uma atualidade extraordinária, porque Deus, afinal, nos conhece mais do que a nós mesmos e sempre sabe se comunicar com quem nele confia amorosamente. Algo semelhante vale para a transmissão da Palavra. É a segunda desculpa, aquela de não saber falar. Precisa de humildade suficiente para reconhecer que aprendemos com o Senhor e que não fomos nós a inventar aquela mensagem de vida plena, de misericórdia e consolação. Não precisamos, porém, fazer discursos sofisticados. Hoje, como sempre foi, falam mais alto o testemunho e o exemplo das nossas vidas. Valem a nossa fidelidade, a coerência e a participação na comunidade. Deixemos a retórica aos profissionais pagos para defender, ou confundir, qualquer ideia, para fazer aparecer novo o que já é velho. A Palavra de Deus não é uma opinião qualquer, é “luz” para o nosso caminhar (Sl119,105). Confiemos!.